Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa Futuro cai e dólar sobe repercutindo acusação de Trump sobre China e digerindo pesquisa eleitoral

O dólar se fortalece ante a maioria dos pares após Donald Trump acusar a China de minar os esforços norte-americanos para conseguir que Coreia do Norte desista de armas nucleares

Donald Trump
(Joyce N. Boghosian/Casa Branca )

SÃO PAULO - Após a forte alta de ontem, o Ibovespa Futuro registra uma sessão de perdas; já o dólar registra ganhos, acompanhando o cenário internacional e também digerindo a última pesquisa eleitoral DataPoder360. Às 9h03 (horário de Brasília), o contrato futuro com vencimento em outubro tinha queda de 0,59%, a 78.750 pontos, enquanto o contrato futuro com vencimento em setembro da divisa americana subia 0,40%, a R$ 4.127.

No exterior, os índices futuros em Wall Street apontam para uma abertura no negativo após duas sessões de alta com os dados econômicos americanos e em meio à evolução das discussões e acordo de comércio global. Na segunda-feira (27), os Estados Unidos fecharam um acordo comercial com o México, que substituiria o atual Nafta entre os dois países e o Canadá, que ainda não teve suas negociações encerradas. 

O dólar se fortalece ante a maioria dos pares após Donald Trump acusar a China de minar os esforços norte-americanos para conseguir que Coreia do Norte desista de armas nucleares. Trump também assinou decretos que permitem o “alívio das limitações quantitativas” das importações de aço e alumínio de vários países.  No mercado de commodities, o preço do petróleo WTI sobe e se aproxima de US$ 70 com baixa de estoques e os metais operam em queda em Londres.

O Brasil repercute também a pesquisa DataPoder360. O levantamento mostrou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera o levantamento com 30% dos votos, sendo seguido por Jair Bolsonaro (PSL), que tem 21% das intenções de voto. Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede) aparecem embolados na terceira posição, com 7%, 7% e 6%, respectivamente, das intenções de voto, enquanto Alvaro Dias (PODE) tem 3%. A pesquisa divulgada nesta quinta-feira não traz cenário sem Lula e procura explorar o potencial de voto de cada candidato. 

Quando o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), provável substituto pelo ex-presidente petista na campanha do PT, é apresentado como "apoiado por Lula", seu potencial de voto chega a até 34%, aponta o levantamento. A taxa de “voto com certeza” em Haddad é de 8% e esse é o voto mais consolidado do petista, enquanto 26% disseram que "poderiam votar". No entanto, o ex-prefeito tem rejeição de 52%.

Já quando é testado o próprio Lula, 30% dizem que votariam com certeza no petista, 7% afirmam que poderiam votar, 60% não votariam de jeito nenhum e 3% não sabem ou não responderam. Em caso de um candidato indeterminado apoiado pelo ex-presidente petista, 25% disseram que votariam com certeza, 17% que poderiam votar, 55% não votariam de jeito nenhum e 3% não souberam/não responderam. 

Quer proteger seus investimentos das incertezas das eleições? Clique aqui e abra sua conta na XP Investimentos

Noticiário corporativo

De 15 a 30 companhias brasileiras estão prontas para listarem suas ações na bolsa até o final de 2019, movimento que pode deslanchar após o fim das eleições presidenciais deste ano, disse o presidente-executivo da B3, Gilson Finkelsztain, em entrevista à Reuters. 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou, na noite de quarta-feira (29), que vai aliviar as cotas de importação de aço e alumínio que excedam as cotas livres do pagamento das sobretaxas impostas pelo governo em março. A decisão beneficia Brasil, Argentina e Coreia do Sul.

A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) aprovou as primeiras empresas aptas a participar da 5ª Rodada de partilha do pré-sal. Foram aprovadas a BP, a CNODC, a DEA Deutsche Erdoel, a QPI, a Shell e a Total. Ao todo, 12 empresas manifestaram interesse à ANP, e outras solicitações serão analisadas nas próximas reuniões da Comissão Especial de Licitação da autarquia.

A ANP desinterditou na quarta-feira (29) as instalações da Refinaria de Paulínia (Replan), da Petrobras, que não foram afetadas pelo incêndio ocorrido no último dia 20. A agência  informou que a desinterdição ocorre após verificação das condições de segurança do isolamento das unidades envolvidas no acidente por uma equipe do órgão. 

 

Contato