EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados / acoes-e-indices

Commodities pressionam e Ibovespa esbarra nos 77 mil pontos; vencimento de opções agita o mercado

Petróleo recua com preocupações sobre excesso de oferta; metais em queda com produção industrial chinesa abaixo do esperado

traders na Bolsa de Nova York
(Brendan McDermid/Reuters)

SÃO PAULO - Apesar do dia morno nas bolsas internacionais, a manhã desta segunda-feira (16) está bastante agitada para o mercado brasileiro por conta do vencimento de opções sobre ações na B3. Depois de subir 0,5% em seu melhor momento do dia, o Ibovespa retornou para o campo negativo e às 11h32 (horário de Brasília) recuava 0,32%, aos 76.347 pontos, esbarrando novamente na faixa de 77 mil pontos. Ao mesmo tempo, o dólar ganhava impulso e registrava alta de 0,4%, retornando para R$ 3,87.

Depois de iniciar o pregão em baixa, o mercado engatilhou uma recuperação com os bancos, que logo perdeu força com as ações ligadas as commodities voltando a pesar no mercado. As ações da Petrobras (PETR4) lideram as perdas em vista da queda de 2% do petróleo com preocupações sobre o ritmo de aumento da oferta, com a reabertura de portos de exportação na Líbia, além de notícias de aumento na produção da Arábia Saudita e com Rússia e EUA indicando que também podem ampliar o fornecimento. O mesmo movimento de queda também pode ser visto entre as commodities metálicas após dados da economia chinesa.

O PIB (Produto Interno Bruto) da China cresceu 6,7% no segundo trimestre de 2018, uma ligeira queda frente ao crescimento de 6,8% registrado no primeiro trimestre e em linha com o esperado pelo mercado. Entretanto, a produção industrial desacelerou de 6,8% para 6% na passagem de maio para junho, enquanto as projeções eram de uma alta de 6,5%. O resultado aquém da expectativa pressiona as cotações de metais como cobre e zinco no mercado internacional, derrubando as mineradoras pelo mundo.

Destaques do mercado

Além de Petrobras, as ações do setor siderúrgico estão entre os destaques de queda do mercado, lideradas pelos papéis da Usiminas (USIM5). Na outra ponta, as ações da Embraer (EMBR3) se recuperam da forte queda da semana passada após encomenda bilionária da United Airlines.

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 B3SA3 B3 ON 23,28 -2,27 +3,72 99,98M
 CSAN3 COSAN ON 37,41 -2,22 -7,27 9,40M
 PETR3 PETROBRAS ON N2 20,15 -2,09 +19,37 40,49M
 MRFG3 MARFRIG ON 7,90 -1,86 +7,92 3,84M
 USIM5 USIMINAS PNA 8,17 -1,80 -9,83 41,47M

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 GOLL4 GOL PN N2 11,89 +6,07 -18,56 27,28M
 ELET3 ELETROBRAS ON 15,21 +3,89 -21,35 19,83M
 VVAR11 VIAVAREJO UNT N2 18,20 +3,23 -25,54 22,67M
 SMLS3 SMILES ON 53,47 +2,93 -25,86 8,47M
 ELET6 ELETROBRAS PNB 17,08 +2,64 -24,76 7,20M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

Agenda da semana
O Banco Central divulgou o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica) de maio, que surpreendeu negativamente ao apontar queda de 3,34% na comparação com abril, enquanto o mercado projetava retração de 3,15% durante o mês que foi marcado pela greve dos caminhoneiros.

Já na sexta-feira (20), o IBGE divulga o IPCA-15 do mês de julho, que para a GO deve ter alta de 0,75%, levando a inflação no acumulado em 12 meses a 4,64%. Para a consultoria, a prévia da inflação continuará pressionada refletindo a alta dos preços dos alimentos em função da greve.

A política monetária dos Estados Unidos volta ao centro das atenções com dois importantes eventos podendo dar sinais sobre o futuro da taxa de juros no país. O primeiro é a sabatina do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell no Senado na terça-feira (17). Ele deverá responder perguntas sobre a guerra comercial e como seus impactos devem guiar os planos da autoridade norte-americana. Além disso, atenção ainda para a divulgação do Livro Bege, na quarta-feira (18).

Notícias do dia

Com o prazo para a definição das candidaturas se aproximando, partidos ampliam disputa por alianças eleitorais. Em destaque,  Geraldo Alckmin (PSDB) sela aliança e terá apoio do PSD de Gilberto Kassab, enquanto o PRB, sem candidato após a desistência do empresário Flávio Rocha, aproxima-se do tucano.

Veja mais:
- Petrobras cai mais de 1% com forte queda do petróleo; Embraer sobe 3% com encomenda bilionária
- Visão Técnica: três ações para ficar de olho na compra nesta semana

O PT de Lula e o PDT de Ciro Gomes continuam disputando o apoio do PSB, enquanto Alckmin faz investida para manter o partido neutro, informam os jornais. Contudo, Ciro também segue de olho nos partidos do chamado Centrão. Segundo informou o jornal O Globo no último domingo, Ciro afirmou que vai ajustar seu discurso, principalmente na área econômica, para atrair o DEM em reunião  com parlamentares do centrão. De acordo com o jornal, não houve a definição de uma aliança.

Clear oferece a menor corretagem do Brasil; Clique aqui e abra sua conta

Contato