Em mercados / acoes-e-indices

Senado deixa para agosto votações que afetam Eletrobras e Petrobras; recomendações do Credit e mais destaques

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta quinta-feira (12)

Plataforma da Petrobras
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O noticiário corporativo desta quinta-feira tem como destaque a votação no Senado sobre venda de distribuidoras da Eletrobras e sobre a cessão onerosa, que só deve ocorrer na volta do recesso parlamentar, em agosto. Contudo, o governo decidiu promover leilão de distribuidoras em 26 de julho ainda que Senado adie para agosto votação de projeto de lei reforçando segurança jurídica da operação, diz o Valor. Recomendações para elétricas, o rating elevado do Magazine Luiza, prévia da Gafisa e mais notícias são destaques no radar desta quinta-feira:

Magazine Luiza (MGLU3)

O Magazine Luiza teve seu rating elevado para brAAA pela Standard and Poor’s, com perspectiva estável. Segundo a agência, o rating reflete a expectativa de melhor rentabilidade e geração de fluxo de caixa por meio de crescimento de receitas e diluição de despesas, com o crescimento acelerado do e-commerce, maturação das lojas físicas existentes e abertura de novas lojas.

Petrobras (PETR4)

O Conselho de Administração da Petrobras nomeou Durval José Soledade Santos para o cargo de membro do Conselho, até a próxima Assembleia Geral de Acionistas, conforme previsto no artigo 25 do Estatuto Social. A posição estava vaga desde 29 de maio de 2018.

Vale destacar que a votação sobre o projeto sobre cessão onerosa no Congresso, que vai impactar a Petrobras, deve ficar para agosto.

Cesp (CESP6)

O TCU (Tribunal de Contas da União) decidiu que o Ministério de Minas e Energia reveja o valor mínimo do bônus de outorga fixado para o leilão de privatização da elétrica paulista Cesp, agendado para 2 de outubro, o que poderá elevar a cobrança em cerca de 20%. As informações são a Reuters.

O valor estipulado pelo governo seria de R$ 1,1 bilhão de outorga na licitação em troca de uma renovação de 30 anos do contrato da hidrelétrica Porto Primavera. O relator do caso Augusto Sherman Cavalcanti, porém, disse que é preciso ajustar os cálculos, o que deve elevar o valor para R$ 1,33 bilhão.

CPFL Renováveis (CPRE3)

Os minoritários da CPFL Renováveis – grupo que inclui grandes investidores como Pátria e BTG – protocolaram na quarta-feira  na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) carta contestando a nova oferta feita pela chinesa State Grid, informa o Estadão. No fim de junho, a controladora da CPFL Energia elevou de R$ 12,20 para R$ 13,81 o preço pelas ações da Renováveis – o que representa acréscimo de R$ 390 milhões ao preço original de quase R$ 3 bilhões.

O jornal apurou que os acionistas questionam a forma como o preço foi recalculado pela chinesa e reclamam da demora do processo, que se arrasta desde 2016. Um dos argumentos usados para derrubar a revisão do preço feita no mês passado é que a State Grid teria tentado alterar os fundamentos da justificativa de preço original e usado informações financeiras selecionadas. A acusação é que a empresa não teria feito os cálculos com base no IFRS (normas contáveis internacionais), que consolida os números de todas as controladas da companhia.

Além disso, a avaliação é que o atraso tem sido prejudicial aos acionistas minoritários, pois a correção monetária do preço da Oferta Pública de Ações (OPA) pela taxa Selic não representa proteção efetiva ao valor devido, não remunera o custo de oportunidade do capital investido e não atende às necessidades de liquidez. Procurada, a CPFL Renováveis não quis se pronunciar por estar envolvida no caso. Os minoritários também não quiserem comentar sobre a contestação feita na CVM.

Gafisa (GFSA3)

A Gafisa divulgou sua prévia operacional para o segundo trimestre de 2018, reportando o lançamento de 3 empreendimentos com um valor geral de vendas (VGV) totalizando R$ 399,9 milhões. As vendas brutas do período totalizaram R$ 405,9 milhões - um crescimento de 38,3% em relação ao trimestre passado -, enquanto as vendas líquidas marcaram R$ 345,9 milhões. A empresa ainda entregou 4 empreendimentos dentro do prazo, com um VGV total de R$ 301 milhões.

Tanto o Credit Suisse quanto o Itáu BBA classificaram a prévia como positiva para a Gafisa, mostrando resultados sólidos, mas reiteraram a classificação de “underperform”. A equipe de análise do Credit acredita que a boa performance nas vendas se deu principalmente pela quantidade de empreendimentos lançados, mas não sabe se essa é a melhor estratégia, devido à “situação” dos balanços da empresa, apontando também para a sua alta alavancagem.

Recomendações 

O banco Credit Suisse retomou a cobertura de uma série de ações brasileiras do setor elétrico, com recomendação “neutra” para Cesp, Copel, AES Tiete, Energias do Brasil e Equatorial, e “outperform” para Taesa, Alupar e Engie Brasil.

Eletrobras (ELET6)

De acordo com fontes do Ministério de Minas e Energia ouvidas pelo jornal Valor Econômico, o governo decidiu por manter o leilão de suas distribuidoras marcado para o dia 26 de julho, mesmo após notícia de ontem de que o Senado não votaria o projeto de lei da venda antes do recesso deste mês. Caso não haja interessados devido à falta de segurança jurídica do negócio, o plano é de repetir o leilão algumas semanas depois, tendo a lei já sido aprovada e sancionada.

Vivo (VIVT4)

De acordo com o jornal Valor Econômico, a Telefônica, dona da marca Vivo, colocará em operação seis novos centros de dados no país entre o último trimestre deste ano e o primeiro de 2019. O investimento, de valor não divulgado, é parte de um projeto em nível mundial de padronização e virtualização da sua rede. Os equipamentos com finalidades específicas serão substituídos por outros mais flexíveis, cujas funções podem ser alteradas por software para se adaptar às necessidades 5G, quando necessário.

 

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

 

 

Contato