Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa Futuro sobe acompanhando alta dos ADRs e de olho no cenário político

Investidores também repercutem todo imbróglio político gerado pela tentativa de soltura de Lula

trader Nyse
(Brendan McDermid/Reuters)

SÃO PAULO - Os contratos futuros do Ibovespa com vencimento em agosto subiam 0,57%, aos 76.030 pontos, às 9h14 (horário de Brasília) desta terça-feira (10), refletindo o desempenho positivo dos principais ADRs (American Depositary Receipt) na última segunda-feira (9), mas também digerindo todo imbróglio político gerado no domingo (8) pela tentativa de soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o que acaba refletindo na alta do dólar.

Em dia sem atividades na bolsa brasileira por conta do feriado de Revolução Constitucionalista de 1932 no estado de São Paulo, o índice Dow Jones Brazil Titans, que reúne os principais ADRs de empresas brasileiras, subiu 1,17%, atingindo 19.472 pontos. O destaque ficou para os ativos PBR da Petrobras, que registraram alta de 2,5% e fecharam a US$ 10,69, enquanto a BRF, por sua vez, avançou 4,4%, após o Barclays elevar sua recomendação para os ativos da companhia. Clique aqui e veja mais detalhes do movimento do mercado no feriado.

Apesar do clima de menor aversão ao risco na Bolsa, os contratos futuros de dólar com vencimento em agosto subiam 0,48%, aos R$ 3,891, refletindo todo o imbróglio político gerado pela tentativa de soltura de Lula e na expectativa por mais um leilão do BC. Nesta manhã, às 11h30, a autoridade monetária irá ofertar até 14 mil contratos de swap cambial para rolagem de contratos de agosto, com resultado a partir das 11h50. No mesmo momento, os contratos com vencimento em janeiro de 2019 e 2021 operavam praticamente estáveis, cotados a 6,82% e 9,27%, respectivamente.

Bolsas mundiais

Em continuidade ao movimento da véspera, quando os mercados mundiais tiveram ganhos em dia de bolsa fechada no Brasil, a sessão foi de alta para os principais índices mundiais. Os índices europeus operam em alta, na expectativa de uma temporada de resultados bastante positiva.

Para as bolsas asiáticas, Xangai e Nikkei se recuperaram das quedas das últimas sessões, em luz da guerra comercial com os EUA que deu o pontapé inicial na quinta-feira (5), quando Donald Trump confirmou que as tarifas de US$ 34 bilhões sobre bens chineses passariam a valer a partir de sexta-feira. Nesse mesmo dia, a China retaliou, aplicando tarifas de US$ 30 bilhões sobre produtos americanos. Enquanto isso, Hang Seng fechou próxima a estabilidade.

No mercado de commodities, os preços dos contratos futuros do petróleo brent sobem, conforme petroleiros noruegueses se preparam para entrar em greve ainda hoje. A manifestação vem após uma negociação salarial fracassada e tem aumentado preocupações sobre uma falta de fornecimento, com dificuldades também em outras regiões, como a Líbia, cuja produção caiu de uma máxima de 1,28 milhões de barris por dia em fevereiro a 527 mil por dia, segundo afirmou o chefe da National Oil Corporation na segunda-feira (9).

A Arábia Saudita e outros membros da Opep concordaram em junho por aumentar a produção de petróleo para cobrir essa deficiência e segurar as altas dos preços. Já os Estados Unidos afirmou que quer zerar importações do Irã até novembro, o que também deve impulsionar a produção em outras regiões.

Às 9h14, este era o desempenho dos principais índices:

*S&P 500 Futuro (EUA) +0,19%

*Dow Jones Futuro (EUA) +0,24%

*Nasdaq Futuro (EUA) +0,29%

*DAX (Alemanha) +0,40%

*FTSE (Reino Unido) +0,25%

*CAC-40 (França) +0,54%

*FTSE MIB (Itália) +0,56%

*Hang Seng (Hong Kong) -0,02% (fechado)

*Xangai (China) +0,44% (fechado)

*Nikkei (Japão) +0,66% (fechado)

*Petróleo WTI +0,57%, a US$ 74,27 o barril

*Petróleo brent +1,22%, a US$ 79,04 o barril

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian +0,44%, a 459 iuanes (nas últimas 24 horas) 

*Bitcoin -1,15%, R$ 25.700 (confira a cotação da moeda em tempo real)

Agenda da semana

A agenda econômica desta terça-feira é fraca, com destaque para os dados de preços ao produtor de junho e de pedidos de máquinas de maio do Japão, a serem revelados às 20h50. 

Na semana, o principal dado doméstico será a PMC (Pesquisa Mensal de Comércio) de maio, que segundo a GO Associados deve ter queda de 1,6% no conceito restrito (não inclui automóveis e materiais de construção) e de 4,1% no conceito ampliado. O dado será divulgado pelo IBGE na quinta-feira às 9h. Na sexta-feira, serão divulgados os dados de serviço. 

Nos EUA, o mercado avalia os dados de inflação ao consumidor na quinta-feira às 9h30, em busca de qualquer sinal de aumento acima do previsto da inflação, que poderia ampliar as apostas em alta dos juros. A estimativa mediana para o CPI anual aponta leve aceleração de 2,8% para 2,9% em junho. O Federal Reserve, por sua vez, divulgará relatório de política monetária no dia 13, que precederá fala de Jerome Powell no Congresso na semana seguinte. 

Caso Lula e mais noticiário político

Apesar dos ADRs não mostrarem um grande impacto, o caos gerado no último domingo com a batalha sobre a soltura ou não de Lula voltou a ligar o alerta sobre a política doméstica. Na manhã do dia 8 de julho, o desembargador de plantão no TRF-4, Rogério Favreto, que foi filiado ao PT por quase 20 anos, acatou um pedido de habeas corpus e mandou soltar Lula, pegando todo o Brasil de surpresa e criando uma disputa jurídica que durou o dia inteiro.

Após esta primeira decisão, o juiz Sérgio Moro se negou a cumprir a liminar dizendo que Favreto, na condição de plantonista do Tribunal, não poderia ter tomado a decisão. Com isso, ele encaminhou o caso para o relator do TRF-4, João Pedro Gebran Neto, que mandou o ex-presidente permanecer preso. Isso não foi suficiente para Favreto, que reiterou sua decisão de soltar o ex-presidente, estipulando um prazo que durou até 17h12 de domingo. Porém, nada ocorreu até este horário, sendo que cerca de uma hora depois, o presidente do Tribunal, Carlos Eduardo Thompson Flores, deu decisão contra a soltura, colocando um ponto final na disputa.

Leia também:
8 perguntas para entender a confusão jurídica que quase soltou Lula
William Waack: Dois males foram criados com "guerra de liminares" para soltar Lula
Rogério Favreto: quem é o desembargador do TRF-4 que quase soltou Lula

Conforme destaca o Estadão, o PT faz ofensiva contra prisão de Lula e deputado afirma que vai recorrer ao STF contra decisão do TRF4 de revogar libertação. Líderes partidários ouvidos pelo Estado veem aumento da chance de Lula ser libertado; há a possibilidade de o ministro Dias Toffoli, vice do STF, analisar o caso, dado que a presidente Cármen Lúcia deve assumir a presidência em três ocasiões neste mês, em viagens de Temer.

Noticiário corporativo

No radar corporativo, a BRF teve a recomendação elevada pelo Barclays com o novo plano de Pedo Parente. Já o Valor informa que a venda da Braskem deve ser assinada com LyondellBasell até outubro, mesmo mês em que o governo paulista marcou o leilão da Cesp. O mesmo jornal informa que a Petrobras está perto de concluir venda de sua fatia na PetroAfrica. Já a Cemig concedeu mais prazo em alienação de ativos de telecom. 

Clear oferece a menor corretagem do Brasil; Clique aqui e abra sua conta

O Ibovespa Futuro é um bom termômetro de como será o pregão, mas nem sempre prevê adequadamente movimentos na Bolsa a partir do sino de abertura

 

Contato