Em mercados / acoes-e-indices

Petrobras aumenta gasolina, Suzano compra ativos da Duratex por R$ 750 mi e mais notícias no radar

Confira as principais notícias corporativas da noite desta segunda-feira (2)

Posto de gasolina
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

SÃO PAULO - A noite desta segunda-feira (2) tem noticiário agitado por um novo aumento no preço da gasolina, enquanto a Suzano exerceu seu direito da compra de terras da Duratex por R$ 750 milhões. Confira os destaques:

Petrobras (PETR3; PETR4)
A Petrobras anunciou um aumento de 1,9% no preço da gasolina nas refinarias, elevando o preço dos atuais R$ 1,9486 para R$ 1,9854 a partir desta terça-feira (3). Vale destacar que o preço do diesel segue congelado em R$ 2,0316 por conta do acordo com os caminhoneiros durante a greve.

Duratex (DTEX3) e Suzano (SUZB3)
A Suzano exerceu sua opção de compra de cerca de 20 mil hectares de áreas rurais e 5,6 mi m³ de florestas da Duratex por R$ 749,4 mi, ajustado nos termos do contrato.

Com isso, a Duratex deve reconhecer lucro líquido extraordinário de R$ 360 milhões pela alienação destes ativos. A companhia informou ainda que mantém terras e florestas suficientes para a continuidade do abastecimento de operações sem impacto em custos. Segundo as empresas, a operação deve ser concluída em pouco tempo já que foi aprovada pelos órgãos reguladores.

Segundo a XP Investimentos, a terra é estratégica para a Suzano e o impacto no endividamento é administrável. "Lembrando que mesmo com a aquisição da Fibria, esperamos que a 'nova Suzano' nasça com dívida liquida/EBITDA entre 2,5x a 3x no final de 2018 e termine 2019 em 2x a 2,5x, patamar visto como saudável", afirmam os analistas.

Do outro lado, a XP vê o negócio como positivo para a Duratex também, a medida que acelera a desalavancagem, sem trazer qualquer risco para a recente Joint Venture anunciada pela companhia para a construção de uma planta de celulose solúvel de 450 mil toneladas no Brasil.

Randon (RAPT4)
A Randon aprovou a emissão R$ 600 milhões em debêntures em série única para investidores qualificados. O vencimento é de 5 anos, com remuneração de 114,5% do DI.

Braskem (BRKM5)
A indústria de plástico quer que o governo brasileiro fique de olho na potencial venda da Braskem para a holandesa LyondellBasell, informou o Valor Econômico. Caso o negócio realmente ocorra, será criada a maior produtora de resinas termoplásticas do mundo, mas o que preocupa os executivos é o fato de uma companhia estrangeira estar assumindo a única fornecedora nacional de polietileno e de polipropileno.

Apesar das preocupações, executivos do setor dizem que não são contrários à venda, mas que nessa circunstância, eles querem voltar a discutir a eliminação de barreiras à concorrência com a resina importada.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Contato