EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados / acoes-e-indices

Petrobras perde força e sobe 1%, Vale cai 2% com minério; 3 ações reagem a recomendações

Confira os destaques acionários do pregão desta sexta-feira

Plataforma da Petrobras
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Após acumular perdas de 3,5% na semana até o fechamento da véspera, o Ibovespa ensaia um pregão de leve recuperação, com os investidores digerindo o acordo firmado entre governos e representantes dos caminhoneiros para suspender a paralisação iniciada na segunda-feira por 15 dias. Nesta sexta-feira (25), o mercado também deve acompanhar com atenção a fala do presidente do Federal Reserve Jerome Powell, que pode dar novas indicações sobre o andamento da política monetária norte-americana. Do lado das ações, o destaque fica por conta da Petrobras, que busca uma recuperação após acumular perdas de mais de 20% na semana. Veja o que se atentar neste pregão:

Petrobras (PETR4)
A petrolífera considerou o acordo realizado entre governo e representantes dos caminhoneiros altamente positivo e um ganho inquestionável ao país, afirmou a companhia em comunicado. "O ressarcimento proposto pela União preserva integralmente a política de preços da companhia ao mesmo tempo em que viabiliza maior previsibilidade para os consumidores", disse. A percepção do mercado ontem, no entanto, mostrava visão diferente, com queda de 14% das ações da estatal e alta de 6,4% nos papeis da BRF, em meio a especulações de que Pedro Parente poderia deixar a Petrobras e assumir o comando da processadora de alimentos. Em teleconferência com investidores ontem, Parente diz não ver motivo para sair.

Nesta manhã, a Petrobras anunciou o quarto corte seguido nos preços da gasolina. O combustível passou a custar R$ 2,0096/litro nas refinarias, contra preço anterior de R$ 2,0160/litro. O preço do diesel permanece em R$ 2,1016, conforme comunicado pela empresa na última quarta-feira.

Ontem, o governo e entidades da categoria dos caminhoneiros chegaram a um acordo para suspender, por 15 dias, a paralisação iniciada na última segunda-feira. Conforme anunciado pelo ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), a Petrobras manterá o compromisso de congelar o preço do diesel 10% menor por 15 dias. Já o governo arcará com os custos da medida pelos 15 dias seguintes, totalizando 30 dias com o combustível no atual patamar.

Segundo o ministro, o governo também prometeu uma previsibilidade mínima de 30 dias para reajustar o preço do diesel até o final do ano, sem mexer na política de preços da Petrobras, o que culminará em subsídio da diferença quando o preço do combustível subir dentro de cada mês. Caso o preço caia, o ministro Eduardo Guardia (Fazenda) disse que a estatal passaria a ter um crédito, que reduziria o custo arcado pelo Tesouro no mês seguinte.

Os papéis da companhia chegaram a saltar mais de 5% nos minutos iniciais do pregão, mas logo perderam força.

Vale (VALE3)
Os papéis da companhia operam em queda neste pregão, acompanhando o movimento do minério de ferro no mercado internacional. Os contratos futuros da commodity negociados na bolsa chinesa de Dailian caíram 1,64%, cotados a 451 iuanes nas últimas 24h.

Itaú Unibanco (ITUB4)
O conselho de administração da instituição financeira aprovou que seja convocada, em data a ser marcada, uma assembleia geral extraordinária, que irá deliberar a proposta de desdobrar as ações da empresa, mas com a manutenção do valor pago em dividendos. Pela proposta, os acionistas receberão uma nova ação para cada duas que possuírem. Com isso, as atuais 6.536.090.232 ações da companhia passarão para 9.804.135.348 ações. Já os proventos serão mantidos em R$ 0,015 por ação, de modo que os valores totais pagos pela companhia aos acionistas terão um aumento de 50% após o desdobramento.

Cesp (CESP6)
A companhia obteve licença de operação do Porto Primavera junto ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais). A licença é válida para o período de dez anos. O Porto Primavera é visto como principal ativo da companhia e a renovação da concessão da usina é considerada fundamental para atrair interessados na privatização.

Cemig (CMIG4)
A empresa informou, por comunicado, que não tomou nenhuma decisão referente à captação de recursos, tanto no mercado interno quanto no externo. A Cemig disse ainda que está permanentemente avaliando alternativas para melhorar sua estrutura de capital, alongar seu perfil de endividamento e reduzir o custo de sua dívida.

Embraer (EMBR3)
A companhia teve seu ADR elevado de avaliação "underperform" para "neutra" pelos analistas do Bradesco BBI. O preço-alvo subiu de US$ 21 para US$ 29, o que indica um upside de 16% em relação ao fechamento do último pregão.

Suzano (SUZB3)
A empresa informou que produção e escoamento estão sofrendo impactos da greve dos caminhoneiros. Em comunicado, a Suzano disse que está tomando todas as medidas necessárias para minimizar os impactos desse cenário.

JBS (JBSS3)
Fontes ouvidas pela Bloomberg afirmam que a companhia elevou possível captação de US$ 450 milhões para US$ 500 milhões.

Sabesp (SBSP3)
A Sabesp solicitou ao presidente da Arsesp rever a decisão regulatória com objetivo de aplicar ajuste compensatório na receita, custo de energia elétrica e investimentos aferidos no primeiro ciclo.

Fras-Le (FRAS3)
As ações da companhia tiveram acompanhamento iniciado pelos analistas do Safra com percepção "outperform" e preço-alvo de R$ 7.

Arezzo (ARZZ3)
Os papéis da companhia foram elevados para avaliação "neutra" pelo Citi, com preço-alvo de R$ 48.

Gafisa (GFSA3)
O conselho da companhia aprovou emissão de R$ 80 milhões em debêntures.

QGEP (QGEP3)
A companhia estima produção média de 16 mil barris/dia no campo de Atlanta. Segundo a QGEP, a projeção possui uma margem de 10% negativa ou positiva quando verificada a média diária em base anual.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Contato