EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados / acoes-e-indices

As novas candidatas a "queridinhas" da Bolsa em 2017 e 3 titãs a serem evitados agora

Confira no Comprar ou Vender desta terça-feira, que teve como convidado o analista Marco Saravalle, da XP Investimentos

SÃO PAULO - O Comprar ou Vender desta terça-feira (7) fez um debate que tem intrigado investidores fundamentalistas de longo prazo: por que aquelas ações que eram tidas como unanimidades na Bovespa por tanto tempo estão passando por maus momentos no mercado?

O analista Marco Saravalle, da XP Investimentos, foi quem ajudou a responder essa questão que envolve titãs da Bolsa, como Ambev (ABEV3), Cielo (CIEL3), Ultrapar (UGPA3), Pão de Açúcar (PCAR4).

Além delas, o analista comentou sobre outros 9 papéis que ele considera os "queridinhos" da Bolsa em 2017, com destaque em especial para as ações do setor financeiro, com Itaú (ITUB4) e Banco do Brasil (BBAS3) entre as preferidas. 

Confira abaixo a gravação do programa desta semana:

BLOCO 1:  Por que as "queridinhas" da bolsa não são mais tão queridas

 

Bloco 2: As novas candidatas a "queridinhas" da Bolsa em 2017

 

Para o analista, as ações preferidas na Bolsa esse ano estão no setor financeiro: Itaú Unibanco (para quem tem um perfil mais conservador) e Banco do Brasil (para aqueles que querem mais risco). Olhando para os bancos médios, ele citou ainda ABC Brasil e Banrisul. 

Outros setores mencionados foram: 1) utilities, com as ações da AES Tietê, Transmissão Paulista e Taesa - que são tidas como mais defensivas dentro do setor; e 2) concessões, com Ecorodovias (case mais agressivo) e CCR (mais conservador). 

Já entre as 4 ações mencionadas acima que eram tidas como "queridinhas" pelo mercado, Saravalle vê apenas Cielo como uma oportunidade na Bolsa: "Cielo é um case que qualquer queda adicional da ação abre oportunidade de compra para quem tem perfil de médio e longo prazo. A ação está entrando em um patamar atrativo, mas é preciso ficar atento a questão da regulação, que deve trazer volatilidade ao ativo", disse. 

Contato