EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados / acoes-e-indices

Muito otimista com elétricas, BTG inclui 9 ações em lista de compras para 2017 - 3 delas são "calls convictos"

O ano de 2017 não será fácil e as melhorias no campo econômico não acontecerão em linha reta, mas uma abundância de histórias com assimetrias decentes à frente nos deixam otimistas com o setor, comentaram os analistas do banco

Usina hidrelétrica
(Divulgação)

SÃO PAULO - O BTG Pactual inicia 2017 "bullish" (otimista) com as elétricas: "Normalmente, não gostamos de ter muitas recomendações de compra ao mesmo tempo no mesmo setor. Mas parece que agora essa é a coisa certa a ser feita", comentaram os analistas Antônio Junqueira, João Pimentel e Gustavo Castro do banco, que têm 5 ações como "top picks" do setor este ano, sendo 3 delas "calls convictos". Ao todo, o banco inicia 2017 com 9 recomendações de compras em ações dos setores de energia elétrica e saneamento básico. 

Os analistas comentam que o ano de 2017 não será fácil e as melhorias no campo econômico não acontecerão em linha reta, mas uma abundância de histórias com assimetrias decentes à frente os deixam otimistas com o setor elétrico neste ano. "Vemos o copo meio cheio para o setor", comentaram

Eles lembram que esse "call" otimista para o setor foi iniciado em março/abril de 2016, quando eles começaram a ver possibilidades de mudanças na fracassada agenda política/econômica dos anos anteriores. "O resultado foi que o ano passado se mostrou fantástico para as elétricas, com a (necessária) predominância macro no radar gerando consequências micro, como um leilão de transmissão rentável e bem sucedido, conversas sobre privatizações e os incentivos de preços adequados para elétrica (e possivelmente para saneamento)", comentaram. Com isso, eles esperam uma continuidade dessas inflexões para 2017, embora tenham consciência de que esse não será um ano fácil. 

As 11 "utilities" que subiram mais de 40% em 2016

Empresa Ticker Desempenho em 2016
Eletrobras ON ELET3 +296%
Eletrobras PN ELET6 +148%
Copasa CSMG3 +145%
Light LIGT3 +76%
CPFL Energia CPFE3 +72%
Equatorial EQTL3 +62%
Sabesp SBSP3 +54%
Alupar ALUP11 +48%
Transmissão Paulista TRPL4 +46%
Cemig CMIG4 +42%
Taesa TAEE11 +42%

A longa "lista de compras" para 2017
Ao todo, o banco tem 9 recomendações de compra para os setores elétrico e de saneamento básico em 2017. Delas, três são "top picks" convictas e outras duas são consideradas "top picks" de risco mais elevado. Veja abaixo:

- Menor risco e menor volatilidade

Equatorial (EQTL3): para os analistas do BTG, 2017 deve ser mais um ano de oportunidades para a companhia, que está olho em linhas de transmissão, concessões de distribuição e novas chances em leilões de transmissão que devem ocorrer à frente.  

Energisa (ENGI11): "em 2017, a EBO (Energisa Borborema) e EPB (Energisa Paraíba) deve enfrentar revisões tarifárias, que serão importantes para a estratégia de crescimento da companhia nos próximos dois anos; há também expectativa por uma reviravolta mais forte na EMT (Energisa Mato Grosso), EMS (Energisa Mato Grosso do Sul) ETO (Energisa Tocantins)".

Transmissão Paulista (TRPL4): expectativa pela conclusão da discussão sobre a RBSE (Rede Básica do Sistema Existente), que considera a indenização dos ativos não depreciados existentes em 31 de maio de 2000; melhorias no pagamento residual; oportunidades em projetos "greefield" (projetos em fase inicial); e fusão e aquisição com a Taesa (o que deve ocorrer no longo prazo).

- Maior risco e maior volatilidade

Cesp (CESP6): o banco elevou a recomendação da ação de neutra para compra, por uma mudança de assimetrias, guiada pela aprovação da lei 13.360, que trouxe, entre outras alterações, a possibilidade de extensão do prazo para usinas não renovadas em janeiro de 2013, no âmbito da lei 12.783 (MP 579), com duas condições: que seja feito um processo de transferência de controle mediante leilão ou concorrência e que a mudança do controle seja concretizada até junho de 2018. Isso poderia favorecer a principal usina da companhia, a Porto Primavera, que responde por cerca de 95% da capacidade de geração atual da companhia e que tem contrato de concessão até 2028.

Light (LIGT3): a ação é "top pick" do banco desde abril de 2016, quando foi elevada para compra (época que o papel era negociado ainda a R$ 9,40, frente os R$ 18,81 atuais). Segundo os analistas, a perspectiva positiva para a ação deve-se à expectativa de queda da Selic, que deve impulsionar consideravelmente o lucro da empresa nos próximos meses, e as opcionalidades à frente, com uma revisão tarifária.  

- As demais recomendações de compra
Eles apontam ainda que têm recomendação de compra em Alupar (ALUP11) e Energias do Brasil (ENBR3), além das ações do setor de saneamento básico: Copasa (CSMG3), que teve recomendação elevada para compra recentemente; e Sabesp (SBSP3).

Dessas ações mencionadas acima, Sabesp, Copasa e Transmissão Paulista também entraram na lista das 5 melhores ações para 2017 mencionada pelo gestor João Braga, que administra o fundo XP Long Biased, que acumulou em 2016 alta superior a 70%. Ele particiou do programa Comprar ou Vender, da InfoMoneyTV, no final do ano passado (confira aqui). 

Já Alupar e Cesp foram mencionadas como as melhores ideias dentro do setor elétrico em 2017 pelo JPMorgan.

A mais atrativa sob a ótica da TIR
Dentre essas, a ação que tem a TIR (Taxa Interna de Retorno) mais atrativa é a Copasa, de 17,9%. Os papéis da Cesp (17,3%) e Sabesp (12,6%) aparecem na sequência. 

Vale lembrar que, quando fala-se em ações do setor elétrico e saneamento, o investidor deve-se atentar a TIR do investimento, ao invés do usual preço-alvo da ação. Isso porque, dado à alta previsibilidade de fluxo de caixa, é possível calcular o valor presente do fluxo dessas empresas, assim como faz qualquer gestor de renda fixa, que calcula o retorno de títulos públicos pré-fixados. Um possível comparação seria olhar uma TIR de 17,9%, como o caso estimado para Copasa, contra uma NTN-B, que paga 6% de juros + a inflação, que está estimada em 4,8% para 2017, conforme dados do último relatório Focus. Ou seja, compensaria mais comprar um ativo desses com retorno de 17,9%, do que aplicar em títulos públicos que pagariam 10,8% ao ano. 

Confira abaixo as TIRs estimadas das 9 recomendações de compra do BTG:

Empresa TIR
Copasa 17,9%
Cesp 17,3%
Sabesp 12,6%
Transmissão Paulista 12,3%
Light  11,6%
Energias do Brasil 10,7%
Energisa 9,5%
Equatorial 9,0%
Alupar 8,8%

Apesar do cenário positivo, eles trazem alertas para 3 ações, que devem ser evitadas: geradoras como AES Tietê (TIET11), Engie (EGIE3), antiga Tractebel, e Copel (CPLE6).

Além delas, outros nomes, por diferentes razões, já parecem precificados em Bolsa, como são os casos de Cemig, Eletropaulo e Taesa.

Contato