Em mercados / acoes-e-indices

"Análise gráfica é uma fantasia", diz o megainvestidor Luiz Barsi

Para o megainvestidor, que fez fortuna na Bovespa comprando ações baratas e boas pagadoras de dividendos, a "analise gráfica é a análise do imponderável"

Luiz Barsi
(Rodrigo Paiva)

SÃO PAULO - Considerado o "rei dos dividendos" da BM&FBovespa, Luiz Barsi foi categórico em seu último artigo escrito para o site Suno Research: "análise técnica é uma fantasia". Todas as semanas o site divulga um novo texto do megainvestidor, considerado o "guru da Bovespa. Nas últimas semanas, o espaço tem sido destinado a uma espécie de perguntas e respostas entre os leitores e Luiz Barsi. 

Para o megainvestidor, que fez fortuna na Bolsa comprando ações baratas e boas pagadoras de dividendos, a "análise gráfica é a análise do imponderável". 

Confira abaixo o artigo completo desta semana:

Hoje, damos continuidade ao processo de perguntas dos leitores e respostas de Luiz Barsi, que foi realizado em nossa página de Facebook: Suno Research. 

A interação com nossos leitores tem sido muito positiva, e por isso te convidamos a curtir a nossa página na rede social. 

As perguntas que selecionamos esta semana são: 

Luis Felipe: Em algum momento você usa análise gráfica para as suas decisões de investimento? 

Não! 

Analise gráfica é análise do imponderável. É uma fantasia. 

É uma coisa criada pelo grafista, então ele se baseia em fatos já acontecidos. E com base em fatos já acontecidos ele faz uma projeção para o futuro. Mas o caminho e a trajetória dos preços nem sempre é uma consequência do passado. Pode até ser provável no futuro, mas pode demorar muito tempo. E o grafista não respeita este componente de prazo. Ele acha que precisa comprar e vender dentro de uma configuração de atividade permanente. Ele está operando permanentemente, e de maneira especulativa.

João da Silva: Se tivesse um patrimônio menor, investiria empresas como CGRA4, MTSA4, BAUH4, SHUL4 entre suas alternativas de investimento ou permaneceria restrito ao universo de empresas como ELET3, CMIG3, BBAS3, TAEE11, dentre outras que costuma mencionar?

Bom, eu já tive um patrimônio menor e esse patrimônio menor sempre analisou todas as empresas. Obviamente, nem sempre essas empresas respeitavam os fundamentos que eram interessantes e então eram descartadas. Até hoje eu examino todas as empresas. Examino seu posicionamento no setor, os resultados, gestão, base acionária etc, e se não existe uma visão positiva a gente não prossegue na análise. Portanto, o tamanho da empresa não deve ser um fator que restrinja a sua análise. 

Daniel Justi: Sr. Barsi, não vale mais a pena investir em renda fixa, dado a taxa de juros ainda elevada, do que em ações?

Não, não vale a pena.

Existem alguns papéis que pagam dividendos superiores ao que você encontra na renda fixa. O importante é você saber escolher e ter a capacidade de investir em um bom papel. Da mesma forma que você escolhe a renda fixa no Banco A, no Banco B ou no Banco C, você deve fazer a mesma coisa para escolher um bom papel e para isso você precisa ter um bom profissional para te orientar. 

Quem falou comigo teria comprado ações do Banco do Brasil a R$13,00 no começo do ano passado (hoje estão R$28,00). Então você teria ganhado muito mais que a renda fixa. 

A própria Taesa, que nós falamos publicamente neste espaço em novembro, e estava cerca de R$18,00. Hoje o papel já está R$21,00 em menos de dois meses. Fora o dividendo que ela pagou no período. Esse tipo de rentabilidade você não encontrará na renda fixa. 

Marquinhos Rodrigues: Sr. Barsi, o senhor prefere empresas que pagam dividendos anuais ou mensais? 

Eu prefiro empresas que pagam bons dividendos. O fato delas pagarem mensal, bimestral, trimestral, semestral ou anual para mim é indiferente. O importante é que elas paguem. Por que? Porque o comparativo que você faz é com a renda fixa, que é necessário esperar um ano. 

Por exemplo, eu tenho ações da Unipar Carbocloro que pagam dividendos anuais. E eu me sinto satisfeito com o dividendo que esta empresa paga. Por quê? Porque a gente não está pensando somente no dividendo. Estamos pensado no dividendo e na valorização que a empresa vai ter ao longo do período investido. Suas ações vieram de R$4,00 para quase R$ 7,00 em um ano mais os dividendos distribuídos, subiu quase 100%. Um resultado muito bom. 

É que o cidadão precisa ter a paciência de esperar. Por isso, a gente sempre recomenda ter disciplina e paciência. Se o camarada não tiver paciência com as ações, dificilmente conseguirá obter bons resultados.

Vick Lockhart: Sr. Barsi, aprendi com o livro “Fora da Curva” que nossa visão deve ser a longo prazo e investir no que está muito barato no momento. Sendo assim você está investindo em ações do mercado imobiliário no momento de hoje que as ações estão de graças? 

Eu faço exatamente isso, compro o que está barato, mas eu não invisto especificamente nas construtoras. No Brasil, as construtoras lamentavelmente não tem a mesma visão e a mesma cultura das empresas de fora do Brasil.

Umas das coisas que eu não acredito é no comportamento e na forma da gestão das construtoras. Elas supervalorizam o imóvel e precificam os apartamentos fora da normalidade, criando um problema para ela mesma, uma vez que muitas vezes os preços dos imóveis prontos são inferiores aos preços dos imóveis na planta. E isso pode gerar problemas de capital giro, que levou várias empresas a uma situação financeira crítica.

CONFIRA TAMBÉM OS ÚLTIMOS ARTIGOS DE BARSI:

5 coisas para se atentar além do dividend yield na hora de escolher uma ação, segundo Luiz Barsi

"Não é questão de multiplicar patrimônio", diz Barsi, que encontrou sua fórmula mágica há 40 anos

As 3 regras que você deve seguir para nunca perder dinheiro com ações, segundo Luiz Barsi

"Quando for analisar uma empresa, fique muito atento nas pessoas", aconselha Barsi

 

Contato