Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa Futuro abre em queda com cautela entre Operação Zelotes e China

Índice inicia sessão com leves perdas enquanto Polícia investiga Gerdau e China desaba 6% em sua pior sessão em um mês

painel bolsa
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa Futuro opera esta quinta-feira (25) com queda de 1,07%, aos 42.246 pontos, em dia de cautela diante do desempenho dos mercados asiáticos, que caíram mais de 6%. Porém, o foco do investidor nesta sessão fica para os desdobramentos no noticiário político e também da nova fase da Operação Zelotes deflagrada pela Polícia Federal e que tem como foco o grupo Gerdau.

A Polícia Federal realiza buscas em sedes do grupo siderúrgico Gerdau nesta quinta-feira, no âmbito da operação Zelotes, que investiga fraudes em julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). As buscas estão sendo realizadas em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Pernambuco.

Vale destacar também o resultado da votação ocorrida ontem no Plenário do Senado, que aprovou o projeto de lei que acaba com a participação obrigatória da Petrobras na exploração dos campos do pré-sal. O texto, que agora será votado na Câmara,  estabelece que a estatal terá a prerrogativa de escolher se quer ser operadora do campo ou se prefere se abster da exploração mínima de 30% a que a lei a obriga atualmente.

A agenda econômica, destaque para o resultado primário do governo central, programado para 13h30 (horário de Brasília), que mostra a soma dos resultados do Banco Central, da Previdência e do Tesouro Nacional. O número deve vir em R$ 11,3 bilhões, e funcionará como uma prévia do resultado primário consolidado das contas públicas que será divulgado na sexta.

Além disso, a PME (Pesquisa Mensal do Emprego) divulgada hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostrou uma alta de 7,6% na taxa de desemprego em janeiro, o pior resultado para um início de ano desde 2009. A mediana das expectativas dos analistas era de um aumento de 7,5%.

Bolsas internacionais
As bolsas chinesas despencaram mais de 6% nesta quinta-feira, a maior queda diária em um mês, com os investidores realizando lucros após a recente recuperação do mercado e esperando por indicações dos líderes que estão em Xangai para o encontro do G20. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, despencou 6,14%, enquanto o índice de Xangai teve forte queda de 6,4%, sua maior perda em um único dia desde 26 de janeiro.

Entre os temores, está o de uma liquidez mais apertada no sistema financeiro, preocupações com o esfriamento da economia e a ansiedade com a iminente liberalização de ofertas públicas iniciais de ações, que alguns investidores temem que possa resultar em uma crise de liquidez.

No restante do continente, as ações também caíram em sua maioria, com a queda do petróleo, com o brent em queda de cerca de 1%, e o tombo das ações chinesas reacendendo a ansiedade sobre o impacto da alta volatilidade do mercado sobre a economia global na véspera da reunião do G20.

Já na Europa, as ações têm primeira alta em três dias ajustando-se ao avanço de ontem à tarde das ações em NY e do petróleo: o DAX sobe 0,95%, FTSE tem alta de 2,07% e o CAC 40 tem ganhos de 1,71%. Entre os dados econômicos, o PIB do Reino Unido teve crescimento de 0,5% no quarto trimestre, enquanto a Espanha teve avanço de 0,8%. 

 

Contato