Em mercados / acoes-e-indices

Marfrig afunda 7% com Operação Acrônimo; Magazine Luiza desaba 8% após grupamento

Confira a atualização dos principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão

bolsas mundiais
(Shutterstock)

11h12: Marfrig (MRFG3, R$ 6,69, -6,69%)
As ações da Marfrig seguem em forte queda nesta manhã, em meio às notícias sobre a Operação Acrônimo, da Polícia Federal, que deflagou nova fase hoje. A operação investiga irregularidades na campanha e suposto recebimento de propina pelo governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, do PT. Entre os alvos desta nova fase estão a Marfrig, o CEO da Cemig (CMIG4) e Odebrecht.

As ações da Cemig, por outro lado, operam com alta de 1% hoje, cotadas a R$ 7,06.

Em comunicado ao mercado, a Marfrig comunicou que está sendo cumprido, nas dependências da empresa, mandado de busca e apreensão no âmbito da Operação Acrônimo e que não tem ou teve qualquer relação com os fatos investigados pela operação. A empresa disse que está à disposição das autoridades no sentido de colaborar com a investigação em curso, já tendo sido colocada, anteriormente, à disposição do Ministério Público e autoridades judiciais sobre o assunto.  

11h11: Eztec (EZTC3, R$ 12,07, +4,41%)
A Eztec aprovou programa de recompra de até 5,48 milhões de ações ordinárias com o prazo de 18 meses. 

11h05: Petrobras (PETR3, R$ 8,69, +1,76%; PETR4, R$ 7,33, +1,24%)
As ações da Petrobras dão sequência às fortes altas da véspera após anúncio de reajuste dos preços de gasolina e diesel. Os papéis acompanham também a alta dos preços do petróleo no mercado internacional. O petróleo brent, usado como referência pela estatal, sobe 1,9% nesta manhã, a US$ 49,29 o barril. 

No radar da companhia, a estatal firmou nota de crédito à exportação com o Banco do Brasil no valor de R$ 4,075 bilhões, com lastro em letras de crédito do agronegócio (LCA). 

Segundo o Credit Suisse, ainda não está claro se seria um empréstimo novo ou uma rolagem, embora a notícia de O Estado de S. Paulo informe que não seria um empréstimo novo. Caso seja confirmado um novo empréstimo, o banco acredita que a notícia pode ser interpretada como marginalmente positiva, já que aliviaria um pouco a preocupação do mercado em relação à capacidade da empresa em conseguir levantar dívidas, mesmo em um cenário onde a empresa perdeu o investment grade, sofre forte pressão de fluxo de caixa para 2016 e com o dólar em um patamar desfavorável para a empresa.

Os analistas salientam, no entanto, que o montante não é relevante se comparado com o gap entre entradas (de US$ 17 bilhões de Ebitda mais US$ 12 bilhões de meta de desinvestimentos) e saídas (de US$ 25 bilhões em capex mais US$ 7 bilhões em pagamentos de juros e US$ 12 bilhões em dívidas vencendo) em 2016. A Petrobras não divulgou a taxa de empréstimo, mas comentou que estava consistente com o que tem sido praticado pelo mercado.  

10h54: Santos Brasil (STBP11, R$ 13,55, +5,86%)
As ações da Santos Brasil sobem após prorrogar contrato da Tecon Santos. Essa é a primeira alta dos papéis nos últimos 4 pregões. O contrato prevê o compromisso da companhia em investir R$ 1,28 bilhão em obras e demais intervenções.  

10h35: Gerdau e Metalúrgica Gerdau 
As ações das Gerdau (GGBR4, R$ 5,50, +0,55%) e Metalúrgica Gerdau (GOAU4, R$ 2,95, +1,03%) sobem nesta sessão. No radar da empresa, notícia do Valor aponta que a Metalúrgica Gerdau estuda fazer um aumento de capital de R$ 1,5 bilhão, que teria participação da família Gerdau, cujo interesse seria manter fatia atual de 65% na companhia. 

Caso se concretize, a leitura do mercado inicialmente é positiva já que tiraria o peso da Gerdau em relação aos pagamentos de dividendos acima do razoável para que a holding obtenha recursos para pagamento de juros de sua dívida. Isso porque a holding tem como sua única fonte de recursos o pagamento de dividendos da Gerdau. Para o Santander, a holding provavelmente consome caixa e a oferta de ações seria um alívio. 

Em comunicado ao mercado, a Metalúrgica Gerdau disse que rotineiramente a administração da companhia analisa alternativas de adequação e otimização de sua estrutura de capital. Mas que quaisquer estudo desta natureza são preliminares e não há qualquer definição sobre os mesmos. 

10h21: Magazine Luiza (MGLU3, R$ 13,22, -8,19%)
As ações da Magazine desabam após grupamento de ações. A varejista aprovou na véspera grupamento de oito para uma ação, que passa a valer já neste pregão.  

10h15: Gol (GOLL4, R$ 3,54, -3,54%)
As ações da Gol caem forte e figuram perto da mínima histórica nesta sessão, acumulando queda de 22% nos últimos oito pregões. Segundo matéria do Valor, o governo deve negar o pedido de socorro às aéreas, que estão com déficit de caixa de R$ 7,3 bilhões neste ano, até agosto. A notícia ajuda a fazer pressão nos papéis da Gol, que já vem de forte derrocada na Bolsa em meio às perspectivas ruins para a aérea em meio à deterioração econômica e disparada do dólar. 

De acordo com o jornal, um dos pedidos das aéreas, que é do uso da verba represada do FNAC (Fundo Nacional de Aviação Civil) como fonte de recursos para pagamento de tarifas aeroportuárias e de navegação, deve ser negado. Juridicamente, a proposta é tida no governo como inviável porque esses recursos não podem servir como empréstimo, segundo autoridades graduadas ouvidas pelo jornal.

10h07: Vale (VALE3, R$ 16,78, +1,21%; VALE5, R$ 13,42, +1,05%)
As ações da Vale sobem hoje em meio ao alívio dos preços das commodities no mercado internacional diante de sinais preliminares de estabilização na China. Acompanham o desempenho as ações da Bradespar (BRAP4, R$ 8,36, +1,95%), holding que detém forte participação na mineradora. 

Em apresentação anual da companhia no Canadá, o CFO da Vale, afirmou ontem que a companhia tem recursos para 2015 e não precisa de oferta de ações. Ele informou ainda que o projeto de expansão de Serra Azul, da Vale, está adiantado.

Em relatório após os comentários do CFO, o Itaú BBA comentou que a Vale ainda é "altamente dependente" de questões macroeconômicas e à volatilidade do preço das commodities.

Coloque seu email abaixo e receba o estudo completo das melhores e piores ações da Bolsa com o dólar acima de R$ 4,00:

 

Contato