Em mercados / acoes-e-indices

Petrobras afunda 7% em 2 horas, Vale ameniza e Gerdau passa a cair 3%

Confira os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão

Ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa perde força nesta tarde em meio à virada para baixo das ações da Petrobras. O movimento era contrabalanceado pelos papéis da Vale, que seguiam em alta, enquanto os bancos operavam entre ganhos e perdas. Também operavam em direções opostas os papéis das siderúrgicas, que pela manhã subiam forte, figurando entre as maiores altas do índice. 

Chamava atenção na Bovespa hoje também as ações da small cap Valid, que disparava após anunciar aquisição, além da Iochpe-Maxion, que seguia para sua sétima alta seguida, renovando máxima de outubro de 2014. 

Confira abaixo os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão, segundo cotação das 14h24 (horário de Brasília): 

Vale e siderúrgicas
As ações da Vale seguiam em forte alta hoje, em meio à recuperação do cobre, que sobe 2% nesta manhã, além de perspectiva positiva da Rio Tinto em relação à produção de aço na China e também pelo baixo nível de estoques nos portos puxa empresas do setor. O movimento acompanha a disparada de outras mineradoras lá fora, incluindo a Rio Tinto. 

Na Bovespa, ainda subiam forte as ações da Vale (VALE3, R$ 18,69, +3,20%; VALE5, R$ 15,00, +2,88%), mas se afastavam das máximas registradas hoje, assim como a Bradespar (BRAP4, R$ 9,76, +1,35%) - holding que detém participação na mineradora. Já as siderúrgicas mostravam queda mais acentuada da máxima, com a Gerdau (GGBR4, R$ 5,96, -1,00%) virando para queda, enquanto Metalúrgica Gerdau (GOAU4, R$ 3,59, +2,57%), CSN (CSNA3, R$ 3,79, +2,16%) e Usiminas (USIM5, R$ 3,28, +0,92%) sustentavam ganhos. Com essa alta, as ações preferenciais da Vale já sobem 21% em 7 pregões - formando uma configuração de "bull market" (quando um ativo sobe mais de 20% desde o último fundo formado). 

Petrobras (PETR3, R$ 10,16, -0,39%; PETR4, R$ 8,69, -1,47%)
Depois de uma manhã positiva, as ações da Petrobras viraram para queda, antes mesmo do movimento que começou a se desenhar nos preços do petróleo. Às 15h03 (horário de Brasília), o brent acumulava desvalorização de 0,57%, precificado em US$ 50,30, contra US$ 52,46 na máxima do dia. Já o WTI caminha para zerar perdas, cotado na casa dos US$ 46,44, em um mergulho durante a tarde. Os preços da commodity têm tido grande correlação com as ações da Petrobras

Iochpe-Maxion (MYPK3, R$ 17,01, +6,65%)
As ações da Iochpe-Maxion sobem pelo sétimo pregão seguido, acumulando no período ganhos de 23,7% em meio à escalada do dólar. Com a arrancada, os papéis renovam máxima de outubro do ano passado. Ontem, o BTG Pactual destacou, em relatório, visão positiva para a ação, que embora sofra com a deterioração da indústria no Brasil, ganha com o dólar mais alto, já que 70% de suas receitas são atreladas à moeda americana. 

Valid (VLID3, R$ 49,21, +6,40%)
As ações da Valid disparam depois que a empresa anunciou a compra da fabricante dinamarquesa de SIM CardsFundamenture por US$ 90 milhões. Em comunicado, a Valid informou que a compra se dará por meio de sua subsidiária Valid Espanha. Com a compra, a Valid passa da décima terceira para a quinta posição no ranking mundial de fornecedores de SIM Cards. O Itaú BBA destacou em relatório que a aquisição era positiva para a empresa. O valor pago representa 13% do valor de mercado da Valid. 

Light (LIGT3, R$ 12,25, +0,41%)
O Citi elevou a recomendação das ações da Light para compra, depois de já ter caído 26% no acumulado do ano em meio ao aumento da alavancagem e queda dos lucros (déficit tarifário na distribuição e menor produção hidrelétrica). Para os analistas, a "tempestade perfeita" no papel fez com que ele se tornasse atrativo contra seus concorrentes e a ação descontasse um cenário extremamente negativo.   

Educacionais
O setor de educação também chama a atenção por conta do orçamento do Fies para 2016. Conforme noticiou o Broadcast no início da semana, o Ministério da Educação tem dito, em conversas com o setor, que acredita numa continuidade na criação de vagas novas no Fies no patamar de 2015, com até 330 mil vagas novas em 2016. Essa hipótese é vista como possível, porque o desembolso por aluno tem caído com novas regras que reduzem o gasto necessário, como o financiamento de apenas uma parcela das mensalidades. 

Apesar da visão mais positiva para o setor, os papéis das educacionais operam entre perdas e ganhos hoje: Kroton (KROT3, R$ 8,51, -1,39%), Estácio (ESTC3, R$ 12,37, -0,96%), Ser Educacional (SEER3, R$ 9,15, +0,44%) e Anima (ANIM3, R$ 10,59, -1,58%)

Cesp (CESP6, R$ 15,49, +2,51%)
A Cesp teve sua recomendação elevada de venda para neutra pelo BTG Pactual, com preço-alvo passando de R$ 15,50 para R$ 16,00. 

Qualicorp (QUAL3, R$ 16,59, +1,90%)
A Qualicorp informou que está oferecendo alternativas para 160 mil beneficiários da Unimed Paulista que adquiriram planos de saúde coletivos por adesão por meio da empresa. A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) determinou um prazo de 30 dias para que a Unimed Paulista transfira toda sua carteira de clientes, composta por 744 mil beneficiários, para outras operadoras de saúde. 

Segundo o BTG Pactual, a leitura é negativa para a companhia, lembrando que o papel já tem sofrido bastante por conta disso. Ontem, os papéis da companhia caíram 3,6% - renovando mínima desde agosto de 2013.

JBS (JBSS3, R$ 15,84, +3,06%)
As ações da JBS dão sequência à forte alta dos últimos dias. Em três pregões, a alta já é de 12%. Hoje, o BTG Pactual reiterou leitura positiva para o papel após reunião com o CEO da JBS, citando que a empresa é muito melhor e menos arriscada do que no passado e que merece uma expansão de múltiplo acima de sua média histórica. Segundo os analistas, o bom momento operacional da companhia deve continuar, dada a maior racionalidade dos frigoríficos no Brasil e abertura de novos mercados, previsão do aumento do rebanho de gado nos Estados Unidos (favorecendo a JBS USA), bons resultados da JBS Foods e do próprio câmbio. Ontem, as ações da companhia dispararam 7,7% na Bolsa, figurando como a terceira maior alta do Ibovespa. 

 

Contato