Em mercados / acoes-e-indices

Resultados, OPA e mais 6 notícias agitam o radar desta terça-feira

Confira os principais destaques corporativos nesta manhã

Ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Uma série de empresas divulgaram seus balanços do segundo trimestre entre a noite de ontem e esta manhã, colocando a temporada de resultados em foco no radar desta terça-feira (11).

Entre os destaques, a BB Seguridade (BBSE3fechou o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 1,215 bilhão, alta de cerca de 44% sobre o resultado positivo obtido um ano antes. A previsão média de cinco analistas consultados pela Reuters apontava para lucro líquido de R$ 963 milhões no período.

T4F
A Time For Fun (SHOW3) registrou lucro líquido de R$ 2,2 milhões, revertendo prejuízo de R$ 419 mil em comparação ao período de 2014. A receita líquida da companhia teve queda de 53% na comparação de trimestres, saindo de R$ 221,3 milhões em 2014 para R$ 103,7 milhões em 2015. 

Segundo o Bradesco BBI, a companhia teve bons resultados em trimestre "silencioso". "Os resultados do primeiro semestre de 2015 confirmam que a companhia atingiu o ponto de inflexão, já que terminou contrato em que perdia dinheiro com o Cirque du Soleil, enquanto fez sua operação mais eficiente", apontaram os analistas. 

CCR
A CCR (CCRO3teve queda de 33,4% no lucro líquido no segundo trimestre, para R$ 183,7 milhões. Já a receita líquida teve crescimento de 8,1%, para R$ 1,242 bilhão.

Para o Itaú, a reação do mercado deve ser neutra aos números da concessionária de rodovias, citando resultados "modestos", com tráfego fraco e deterioração no lucro líquido como destaque negativo. O Bradesco também acredita em reação neutra das ações, depois de resultados operacionais em linha com o esperado. 

Itaúsa 
A holding Itaúsa (ITSA4), que controla o Itaú Unibanco, registrou lucro líquido consolidado de R$ 1,89 bilhão no segundo trimestre, contra R$ 1,794 bilhão no mesmo período de 2014. Já o ROAE (Retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio) consolidado ficou em 17,8% no primeiro semestre, ante 19,3% um ano antes. 

Iguatemi
A empresa de shopping centers, Iguatemi (IGTA3), divulgou queda de 4,5% em seu lucro líquido, que encerrou o período em R$ 47,9 milhões contra R$ 50,1 milhões em 2014. A receita líquida da Iguatemi foi de R$ 156,6 milhões, alta de 8,9% ante R$ 143,8 milhões no ano passado. O Itaú BBA espera reação ligeiramente positiva do mercado nesta sessão. 

São Martinho
A São Martinho (SMTO3) mostrou lucro líquido de R$ 28,3 milhões no primeiro trimestre fiscal de 2016, queda de 53% na comparação anual. A diminuição foi resultado deve-se pelo menor volume de vendas de açúcar e etanol no período e do aumento das despesas financeiras, resultado do aumento do endividamento na comparação entre semestres, segundo a companhia. 

O Itaú BBA espera reação neutra do mercado, com o resultado em linha com o esperado. Para os analistas, os volumes fracos no primeiro trimestre de 2016 provavelmente serão compensados por trimestres anteriores. "Como esperado, a companhia carregou estoques para evitar pressão de preços com o pico da colheita", comentaram. 

CSU
A CSU CardSystem (CARD3), empresa de prestação de serviços de alta tecnologia voltados ao consumo, anunciou seu balanço do trimestre e mostrou crescimento de 24,2% na comparação dos segundos trimestres, R$ 3 milhões em 2014 e R$ 3,8 milhões em 2015. No semestre, a alta foi de 66,5%.

A receita líquida da companhia e seu Ebitda foram, respectivamente, R$ 116,4 milhões e R$ 16,8 milhões, ambos com altas de 22% e 19,3%. A margem Ebitda foi de 14,5, com queda de 0,3p.p..

Comgás
A Comgás (CGAS5) mostrou lucro líquido de R$ 215,5 milhões no período, crescimento de 20% na comparação com o mesmo trimestre de 2014. A receita líquida da companhia foi de R$ 1,671 bilhão no período, contra R$ 1,616 bilhão em 2014. 

O Itaú BBA espera reação positiva após resultados que superaram as estimativas do banco. Segundo analistas, o impacto da desvalorização do real sobre o custo do gás foi menos intenso do que o previsto, enquanto o preço do gás em dólar está caindo por causa da queda do petróleo. O Santander também destacou bom resultado, apesar dos volumes fracos. "Acreditamos que o principal gatilho para a ação continua sendo a definição da revisão tarifária", disseram os analistas do banco. 

Direcional
A Direcional construtora (DIRR3) viu seu lucro líquido cair 40%, para R$ 27,7 milhões no segundo trimestre. A estimativa da Bloomberg apontava lucro líquido de R$ 33,9 milhões no período. 

O Itaú BBA espera reação negativa a resultados fracos. Apesar do resultado, analistas do banco frisaram que "continuam vendo a Direcional como um investimento interessante, baseado em sua sólida expertise no segmento de baixa renda e potencial de curto prazo para yields atrativos de fluxo de caixa livre". 

Embraer
A Embraer (EMBR3) faz coletiva de imprensa sobre jatos executivos em São Paulo nesta terça-feira, às 14h (horário de Brasília).  

BR Properties
A empresa de gestão de ativos imobiliários BR Properties (BRPR3) disse que a companhia e/ou subsidiárias celebraram com a Brookfield quatro compromissos de compra e venda de imóveis e um contrato de compra e venda de ações para a venda de ativos imobiliários nas cidades de Rio de Janeiro e São Paulo e de participação societária por cerca de R$ 2,079 bilhões. 

Eneva
A Eneva (ENEV3) espera concluir as negociações com seus credores nos próximos dias. Em comunicado, a empresa disse que, nos últimos dias, realizou avanços nos entendimentos para postergação do vencimento das dívidas com as instituições financeiras apoiadoras de sua controlada Parnaíba II Geração de Energia. 

Sabesp
A Sabesp (SBSP3) assinou protocolo com o município de Santo André para equacionar relações comerciais. 

GP Investments
A GP Investments (GPIV33) aprovou programa de recompra de até 8,61 milhões de ações classe A. 

Redentor Energia
A Redentor Energia (RDTR3) comunicou que foi informada por seu acionista controlador, Parati, da sua intenção de realizar oferta pública para aquisição de até totalidade das ações ordinárias em circulação emitidas pela companhia, com o propósito de promover, no prazo de um ano, o cancelamento do registro da empresa como companhia aberta. O preço máximo da oferta será de R$ 6,11 por ação, o que oferece um prêmio de cerca de 6% em relação ao fechamento da véspera. 

Prumo
A Prumo (PRML3) informou que assinou contratos de prestação de serviços de operação portuária de desembarque, transporte e armazenamento de produtos, para movimentação de carvão mineral, coque de petróleo e outros com a Intercement Brasil e com a Holcim Brasil. Ambos os contratos estavam sujeitos a efetiva implantação da logística rodoviária e ferroviária, além da entrada em operação do TMULT.  

 

Contato