Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa sobe 3% em dois pregões e recupera os 50 mil pontos puxado por Petrobras

Bolsa reage à decisão de juros de comitê norte-americano e fecha em alta em dia marcado por dados negativos nos EUA; reunião do Copom no radar

Ações Alta
(Shutterstock)

SÃO PAULO - O Ibovespa fechou em alta de 1,30%, a 50,245 pontos, nesta quarta-feira (29) mesmo depois da decisão do Fomc (Federal Open Market Comittee). O comitê de política monetária norte-americano deixou as taxas de juros no nível atual de 0% a 0,25% ao ano mas, os líderes do Fed se mostraram mais otimistas com a economia local, deixando em aberto uma possível alta dos juros na próxima reunião, que ocorre em setembro. Além do Fomc, hoje também foi mais um dia de repique depois de 7 quedas consecutivas e alta dos preços internacionais de commodities em meio a boas notícias na China. O volume negociado no pregão foi de R$ 6,775 bilhões.

Enquanto isso, o dólar comercial recuou 1,17%, a R$ 3,3281 na compra e R$ 3,3293 na venda. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 caiu 0,09 ponto percentual, a 13,84% ao passo que o DI para janeiro de 2021 subiu 0,06 p.p. a 13,04%. Lá fora, as bolsas norte-americanas tentaram subir mais forte por conta do dado, mas fecharam em alta mais suave. Os índices Dow Jones e S&P 500 têm altas de 0,68% e 0,45%, respectivamente. 

Por aqui, a Bolsa ainda repercutiu os dados mais fracos do que o esperado de vendas de moradias nos Estados Unidos, que caíram 1,8% em junho contra maio ante expectativa de alta de 1%.

O mercado brasileiro ainda ficou de olho para a decisão de juros do Copom (Comitê de Política Monetária). As expectativas do mercado são de que o comitê brasileiro eleve os juros em 0,5 ponto percentual, trazendo a Selic para 14,25% ao ano. 

Por fim, a Bolsa praticamente não refletiu os cortes da perspectiva de rating do Brasil de estável para negativa pela agência de classificação de risco Standard & Poor's, fazendo isso para mais 41 empresas, o que afetou negativamente o pregão.

Destaques de ações
Do lado das maiores altas, a Petrobras (PETR3, R$ 11,80, +7,47%; PETR4, R$ 10,72, +7,52%) disparou 7%, depois de operar em queda durante grande parte do pregão. Nesses dois dias, a alta já é de mais de 11%. Apesar da alta dos preços do petróleo lá fora, os papéis sobem muito mais forte do que a commodity. Neste momento, o petróleo Brent, negociado em Londres e usado como referência pela estatal, avançava 0,43%, US$ 53,53. 

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 PETR4 PETROBRAS PN 10,72 +7,52 +6,99 893,50M
 PETR3 PETROBRAS ON 11,80 +7,47 +23,04 215,73M
 VIVT4 TELEF BRASIL PN 44,24 +6,60 +1,22 199,94M
 BBAS3 BRASIL ON 21,93 +4,43 -2,58 154,62M
 GFSA3 GAFISA ON 2,53 +3,69 +15,00 6,20M

 

Já os papéis da Vale (VALE3, R$ 18,35, +1,44%; VALE5, R$ 15,11, +1,68%) fecharam em alta, impulsionados hoje pela valorização do minério de ferro, que subiu 4,57% no porto de Qingdao, na China, para US$ 55,89 a tonelada. Acompanharam o movimento as ações da Bradespar (BRAP4, R$ 10,02, +1,62%), holding que detém participação na mineradora. A Vale divulga resultado na manhã da próxima quinta-feira. Analistas esperam por bons números no segundo trimestre, com vendas robustas compensando a queda do minério de ferro no período.    

Além delas, a operadora Telefônica Brasil (VIVT4, R$ 44,24, +6,60%) subiu. Dona da marca Vivo no Brasil, teve lucro líquido de R$ 932,9 milhões no segundo trimestre, queda de 56,4% frente ao mesmo período do ano passado. O balanço inclui os resultados da operadora GVT, adquirida no ano passado, comparáveis a partir de janeiro de 2014. O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 3,13 bilhões, crescimento de 2,8% ano contra ano. 

Acompanharam o movimento da Telefônica as ações da TIM (TIMP3, R$ 8,96, +1,01%) enquanto Oi (OIBR4, R$ 4,78, -0,44%) caiu.

Entre as blue chips, bancos também fecharam em alta, com avanços do Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 29,63, +0,99%), Bradesco (BBDC3, R$ 27,59, +2,60%; BBDC4, R$ 27,60, +1,10%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 21,93, +4,43%).  

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% AnoVol1
 CESP6 CESP PNB 17,84 -3,88 -16,63 27,61M
 BRKM5 BRASKEM PNA 11,72 -3,78 -29,48 25,16M
 ESTC3 ESTACIO PART ON 16,00 -3,32 -31,63 15,45M
 CMIG4 CEMIG PN 8,98 -3,23 -29,47 38,53M
 SMLE3 SMILES ON 52,25 -2,99 +17,82 45,94M

 

Do lado das quedas, a Smiles (SMLE3, R$ 52,25, -2,99%) recuou depois de subir forte nos últimos pregões. 

Por fim, as ações da Braskem (BRKM5, R$ 11,72, -3,78%) terminaram o pregão operando entre as cinco maiores quedas. A petroquímica informou que advogados da companhia protocolaram hoje petição endereçada à Polícia Federal argumentando que o contrato de fornecimento de nafta à empresa pela Petrobras não gerou prejuízo à petroleira. A petição vem após o Ministério Público Federal ter denunciado na sexta-feira executivos da Odebrecht no âmbito da operação Lava Jato. Segundo a denúncia, os executivos seriam responsáveis por dano de 6 bilhões de reais causado por contrato de fornecimento de nafta pela Petrobras à petroquímica.

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1Vol 30d1Neg 
 PETR4 PETROBRAS PN 10,72 +7,52 893,50M 489,10M 75.093 
 VALE5 VALE PNA 15,11 +1,68 420,93M 304,85M 37.217 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN 29,63 +0,99 402,66M 344,28M 25.883 
 ITSA4 ITAUSA PN 8,25 +2,10 279,78M 138,55M 31.103 
 ABEV3 AMBEV S/A ON 18,75 -0,21 221,07M 194,35M 24.446 
 PETR3 PETROBRAS ON 11,80 +7,47 215,73M 181,12M 28.454 
 BBDC4 BRADESCO PN 27,60 +1,10 201,46M 200,82M 20.835 
 VIVT4 TELEF BRASIL PN 44,24 +6,60 199,94M 77,54M 16.791 
 CIEL3 CIELO ON 45,03 +1,76 173,81M 182,36M 14.846 
 KROT3 KROTON ON 9,68 -1,22 169,62M 130,93M 21.107 

* - Lote de mil ações 
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
 

China teve alta
As ações chinesas tiveram retomada de 3,47% nesta quarta-feira à medida que os últimos esforços de Pequim para sustentar os valores restauraram um pouco de estabilidade ao volátil mercado acionário do país. Após uma queda dramática de mais de 8% nas ações na segunda-feira, o regulador do mercado de capitais do país anunciou investigações em incidentes de "dumping" de ações e prometeu comprar papéis para acalmar o mercado, enquanto o banco central sinalizou para mais afrouxamento da política monetária.

Isso ocorreu depois de medidas nas últimas nas quais as autoridades proibiram acionistas com grandes participações de sair de suas posições e emitiram uma série de alertas contra vendas a descoberto, ou apostas em quedas em seu mercado doméstico de ações "classe A". 

 

Contato