Em mercados / acoes-e-indices

BTG avalia ativos do HSBC, recomendações e mais 8 notícias no radar desta quinta

Confira os principais destaques corporativos desta quinta-feira; a matéria será atualizada até a abertura da Bovespa às 10h (horário de Brasília)

Petrobras - Bloomberg
(Bloomberg)

SÃO PAULO - O noticiário corporativo aparece bastante movimentado nesta quinta-feira (7), em meio à temporada de balanços do primeiro trimestre e uma série de outras notícias de empresas. Nos destaques dos balanços, a Oi registrou prejuízo de R$ 401,3 milhões entre os meses de janeiro e março, enquanto a BB Seguridade teve lucro de R$ 949 milhões. Ontem, a PDG Realty reportou prejuízo de R$ 161,7 milhões no período. (Para conferir os resultados, clique aqui).

Após o fechamento do pregão são esperados os números do Pão de Açúcar (PCAR4), Lojas Americanas (LAME4), Cetip (CTIP3), Estácio (ESTC3), Gafisa (GFSA3), Cia Hering (HGTX3) e Suzano (SUZB5).

BTG Pactual
Além dos resultados, uma matéria do Valor de hoje aponta que o BTG Pactual (BBTG11), que também soltou seu balanço na véspera, estaria interessado em comprar os ativos do HSBC no Brasil. Se fizesse a operação, o banco de André Esteves dobraria o seu tamanho em ativos, passando da oitava posição no ranking do Banco Central para a sétima. O HSBC tem R$ 167,9 bilhões em ativos, contra R$ 154,6 bilhões do BTG. 

Petrobras
A Petrobras (PETR3; PETR4) disse ontem à noite no Twitter que as obras no Comperj não estão paralisadas.

JBS 
A JBS (JBSS3) vê ativos nos Estados Unidos ainda atrativos com dólar barato, informou a Bloomberg. Segundo o presidente da companhia, Wesley Batista, a moeda americana precisa continuar ganhando valor para ajustas os preços relativos "de tudo, dos salários às commodities" e restaurar a competitividade das economias emergentes. 

Eletrobras
A Eletrobras (ELET3; ELET6) pretende vender o controle da goiana Celg D e de suas outras distribuidoras, disse nesta quarta-feira à Reuters uma fonte próxima ao grupo estatal. "A ideia é vender o controle dessa e de todas as distribuidoras. Queremos começar o processo esse ano, após a renovação das concessões", disse a fonte, que falou sob condição de anonimato. 

Fibria
A Moody's afirmou o rating da Fibria (FIBR3) em escala global em "Ba1" e também o rating em escala nacional em "Aa2br". A perspectiva para os ratings é positiva. De acordo com a agência, o rating "Ba1" reflete a posição da Fibria como líder mundial na produção de celulose de eucalipto, a existência de acordos de fornecimento de longo prazo que suportam volumes estáveis de venda com boa diversificação geográfica e a abordagem conservadora da companhia para o gerenciamento da liquidez e do risco, entre outros fatores.

Iochpe-Maxion
A Iochpe-Maxion (MYPK3) informou a venda de 19,5% das ações da Amsted-Maxion, empresa do grupo responsável de divisão de equipamentos e serviços rodoviários, para a Greenbrier do Brasil (GBX Brasil). A operação foi realizada por R$ 41,9 milhões e todas as condições precedentes à operação foram cumpridas. Segundo a Guide Investimentos, visto o momento de desaceleração econômica, principalmente o setor automotivo, o qual a empresa está inserida, a venda de parte das ações deverá trazer um fôlego ao caixa da empresa e devera impactar de forma positiva sobre suas ações.

Sabesp
O Credit Suisse iniciou cobertura das ações da Sabesp (SBSP3) com recomendação neutra e preço-alvo de R$ 21,00 por papel. 

TIM
Após reportar resultados na véspera, a TIM (TIMP3) teve sua recomendação elevada de outperform (desempenho acima da média) para market perform (desempenho em linha com a média) pela GBM. O preço-alvo está em R$ 13,00 por ação.

Hypermarcas
A Hypermarcas (HYPE3) está em conversas para venda da sua divisão de fraldas descartáveis infantis e geriátricas, informou o Valor. A companhia tem linhas de produção de fraldas em Senador Canedo (GO), Aparecida de Goiânia (GO) e Mogi das Cruzes (SP). Em esclarecimento nesta manhã, a companhia disse que contratou assessoria de bancos de investimentos para analisar alternativas estratégicas para seu negócio de produtos descartáveis, substancialmente composto pelo portfólio de fraldas infantis e geriátricas. Tal negócio registrou receita líquida de R$ 858 milhões em 2014. 

Energias do Brasil
Após ver lucro cair 16,1% no primeiro trimestre, o Bradesco BBI cortou a recomendação das ações da Energias do Brasil (ENBR3) nesta quinta-feira para market perform (desempenho em linha com a média).  

Ser Educacional
A Ser Educacional (SEER3) anunciou ontem que contratou Antonio Carbonari Netto como vice-presidente de desenvolvimento e expansão. Segundo o Santander, o executivo ajudará no plano de expansão da companhia.

Vanguarda Agro
A Vanguarda Agro (VAGR3) informou que Silvio Tini de Araújo foi eleito presidente do conselho da companhia.

 

Contato