Em mercados / acoes-e-indices

Bolsa ameniza forte alta registrada com Ibope e aguarda MDA; Petrobras e teles no radar

Ontem à noite, foi divulgada a pesquisa Ibope para a presidência, mostrando Marina à frente de Dilma no segundo turno; proposta de Oi pela TIM chama a atenção

SÃO PAULO - O Ibovespa, que chegou a subir quase 1% na abertura da sessão desta quarta-feira (27), amenizou os ganhos, mas segue tendo uma boa alta e ficando acima dos 60 mil pontos, com o mercado digerindo a pesquisa Ibope divulgada ontem à noite, que mostrou Marina Silva vencendo Dilma Rousseff no segundo turno e também de olho no cenário corporativo, após a Oi anunciar que deve fazer uma proposta para comprar a TIM. Às 10h47 (horário de Brasília), o índice registrava ganhos de 0,48%, a 60.109 pontos, após chegar a subir 0,99% mais cedo. Os papéis da Petrobras, que iniciaram a sessão com alta de cerca de 2%, amenizaram os ganhos, subindo entre 0,3% e 0,6%. 

Na sessão, mais uma vez, o mercado fica de olho no cenário eleitoral. Ontem à noite, foi divulgada a pesquisa Ibope para a presidência: no primeiro turno, Dilma Roussef (PT) aparece com 34%, Marina com 29% das intenções de voto e Aécio com 19% em terceiro lugar. Já na simulação de 2º turno, Marina fica à frente de Dilma, para além da margem de erro. Se a eleição fosse hoje, a candidata do PSB seria eleita com 45%, contra 36% da petista. Há, porém, ainda 11% de indecisos e outros 9% que anulariam. Já contra Aécio, Dilma ainda seria reeleita: 41% a 35%. Nesse cenário, há mais indecisos e eleitores que anulariam: 12% em cada grupo. 

O mercado ainda aguarda a pesquisa CNT/MDA nesta manhã, que já confirmou: Aécio e Dilma caem e Marina terá crescimento nesta pesquisa. Destaque ainda para os debates entre presidenciáveis na noite de ontem, na TV Bandeirantes; hoje à noite, no Jornal Nacional da TV Globo, Marina será entrevistada por William Bonner e Patrícia Poeta.

Teles no radar do mercado
No cenário corporativo, a grande notícia fica para a Oi (OIBR4) de que a operadora quer fazer proposta para comprar a TIM(TIMP3) da Telecom Italia. A companhia informou que contratou na terça-feira o BTG Pactual (BBTG11) para viabilizar uma oferta pela TIM, num esforço para não ficar à margem na consolidação em curso no setor de telecomunicações no Brasil e um mês antes de um importante leilão de licenças de telefonia móvel de quarta geração (4G). As ações da Oi registram forte alta de 6%, assim como os ativos da TIM. 

A Oi informou que o banco BTG Pactual atuará como comissário "para, agindo em seu próprio nome e por conta e ordem da Oi, desenvolver alternativas para viabilizar proposta para a aquisição da participação detida indiretamente pela Telecom Italia na TIM Participações".

Enquanto isso, a Vale (VALE5) diminui as perdas, após chegar a cair 0,7% em meio à queda da cotação do minério de ferro para o menor patamar desde setembro de 2012, a US$ 88,20 a tonelada. 

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, são:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 TIMP3 TIM PART S/A ON 12,12 +5,94
 OIBR4 OI PN 1,41 +5,22
 VIVT4 TELEF BRASIL PN 44,94 +3,12
 MRVE3 MRV ON 8,88 +2,90
 JBSS3 JBS ON 10,12 +2,85



As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, são:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia
 MMXM3 MMX MINER ON 0,88 -3,30
 CIEL3 CIELO ON 42,25 -0,96
 BRKM5 BRASKEM PNA 15,22 -0,78
 EVEN3 EVEN ON 6,38 -0,78
 BRFS3 BRF SA ON 59,27 -0,67

Dia misto no exterior
Lá fora, o dia oscila entre leves perdas e ganhos. Os principais índices asiáticos encerraram a sessão em alta pela 1ª vez em três dias, sendo impulsionadas pelo benchmark norte-americano, S&P 500. O índice dos EUA, atingiu seu maior patamar da história, ultrapassando os 2.000 pontos pela primeira vez, na última terça-feira. Já na Europa, os índices abrem sem uma direção única.

Os benchmarks mundiais reagem também à diminuição nas tensões geopolíticas no mundo. Ontem, Israel e Palestina aceitaram um cessar-fogo duradouro em Gaza, enquanto os presidentes russo e ucraniano se encontraram ontem, em uma reunião positiva, segundo o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

 

Contato