Em mercados / acoes-e-indices

Petrobras sobe após recomendação e Lupatech cai 17%; veja destaques da Bolsa

Barclay's elevou recomendação da Petrobras e papéis da empresa reagem neste pregão; Hering e Pão de Açucar puxam Ibovespa

Ibovespa
(Divulgação)

SÃO PAULO - Em um dia com menores oscilações no Ibovespa do que nas sessões anteriores, o destaque fica com os resultados corporativos do segundo trimestre de 2014. Na ponta de cima do índice aparecem os papéis da Hering (HGTX3, RR$ 20,89, +5,58) com forte alta, contrariando a queda de 16,50% no lucro líquido da empresa no período, e as ações do Grupo de Açucar (PCAR4, R$ 111,92, +1,29%) que ainda refletem o resultado divulgado na última quinta-feira. 

Nesta sexta-feira, as ações da Petrobras (PETR3, R$ 19,22, +1,10%; PETR4, R$ 20,46, +0,74%) foram elevadas para overweight (desempenho acima da média), equivalente a compra, pelo Barclay's. Já na ponta negativa, o destaque fica para as ações da Oi (OIBR4, R$ 1,49, -3,87%) que lideram as perdas nesta sessão, seguindo o cenário de volatilidade em meio aos problemas envolvendo a fusão entre a empresa e a Portugal Telecom.

Fora do índice, os papéis da CSU CardSystem (CARD3, R$ 2,59, +10,21%) sobem pelo 2º pregão consecutivo após a empresa informar que foram fechados contratos com companhias de vários segmentos nos últimos meses, promovendo o incremento no faturamento em R$ 60 milhões anuais para a CSU. Além dela, as ações da Lupatech (LUPA3, R$ 0,50, -17,54%), após a disparada de mais de 100% em dois dias, caem mais de 10% nesta sexta-feira

Confira os destaques desta sexta-feira:

Petrobras (PETR3, +0,68%, R$ 19,14; PETR4, +0,20%, R$ 20,35)
As ações da Petrobras reagem à elevação para overweight (desempenho acima da média), equivalente a compra, de sua recomendação pelo Barclays. A decisão da instituição financeira foi determinada pelas perspectivas em relação ao processo eleitoral, visto que as intenções de voto da presidente Dilma Rousseff caíram ligeiramente no levantamentos mais recentes. 

Oi (OIBR4, R$ 1,49, -3,87%)
Acionistas minoritários da Portugal Telecom querem esclarecer se a equipe de gestão da companhia receberá um prêmio de performance no valor de 30 milhões de euros, caso a fusão com a Oi se confirme. Procurado pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, Octávio Viana, presidente da associação, confirmou que foi enviada à CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários) uma carta, solicitando que o órgão regulador do mercado de capitais português esclareça a questão com a PT. Caso o prêmio seja confirmado, Viana comentou que é preciso fazer uma comunicação ao mercado, por meio de fato relevante. A preocupação é que, por ser um prêmio significativo, possa influenciar a gestão, fazendo com que tome decisões que não sejam do interesse da tele portuguesa. 

Usiminas (USIM5, R$ 8,03, +0,89%)
A siderúrgica reportou ontem de manhã seus dados do segundo trimestre, que não foram bem vistos pelo mercado. A companhia registrou receita líquida de R$ 3,106 bilhões no segundo trimestre, queda de 4,3% na comparação anual, e lucro líquido de R$ 129 milhões, frente prejuízo de R$ 22 milhões no mesmo período do ano passado. 

Lupatech (LUPA3, R$ 0,50, -17,54%)
Logo após a disparada de mais de 100% em dois dias depois da notícia de que a empresa aprovou um aumento de capital para reestruturação do endividamento financeiro e equacionamento da estrutura de capital da empresa, as ações da Lupatech caem mais de 10% nesta sexta-feira. Em entrevista ao InfoMoney, Diego Arruda e Antonio Bueno, sócios e gestores da Ujay Capital, explicaram porque aumentaram ainda mais a posição vendida nas ações logo após essa forte alta, por acreditar que o aumento de capital aprovado na terça-feira não salvará a companhia. “Trabalhamos internamente com um alvo de R$0,02 para LUPA3, cotação essa que dá a empresa o valor de mercado próximo ao que vinha sendo negociado antes da diluição de 97% decorrente do aumento de capital”, cravam os gestores (leia a entrevista inteira clicando aqui).

Fleury (FLRY3, R$ 16,93, +2,05%)
A Gávea Investimentos estaria interessada em comprar a empresa de diagnósticos, de acordo com fontes ouvidas pela Bloomberg. A gestora do ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, está prestes a anunciar que ganhou uma parceira de peso para arrematar a transação e, de acordo com as fontes, a empresa se juntaria ao Goldman Sachs para fazer a aquisição.

Além do Goldman Sachs, o Abu Dhabi Investment Authority também estaria considerando se unir à Gávea para realizar a compra do Fleury. Caso a integração se consolide, os dois investidores passariam a fazer parte de uma negociação que mexeu com o mercados nos últimos seis meses. O Fleury, que tem valor de mercado de cerca de R$ 2,6 bilhões (US$ 1,2 bilhão), comunicou em março que estava negociando com a gestora de investimentos.

Grendene (GRND3, R$ 13,77, +0,81%)
A Grendene registrou lucro líquido de R$ 72,4 milhões no segundo trimestre de 2014, um crescimento de 9,4% ante o mesmo período de 2013. Nos primeiros seis meses do ano, o lucro somou R$ 168,9 milhões, estável na comparação anual.

O Ebitda recuou 21,4% de abril a junho, para R$ 50,6 milhões, com margem Ebitda de 12,7%, 3,4 pontos porcentuais abaixo de igual intervalo de 2013. No primeiro semestre, o Ebitda somou R$ 133,6 milhões, queda de 17,7%, com margem de 15,0% ante 18,3% de janeiro a junho do ano passado.

Enquanto isso, a receita líquida da companhia foi de R$ 397,0 milhões no segundo trimestre deste ano, com pequena queda de 1,0% ante o mesmo intervalo do ano passado, e no semestre atingiu R$ 890,8 milhões, ligeira alta de 0,4%.

Cia Hering (HGTX3, R$ 20,89, +5,58%
As ações da Cia Hering contrariam a percepção negativa do mercado sobre o resultado e sobe nesta sessão. Apesar do resultado fraco, analistas do Santander comentaram que o programa de recompra de ações, que a companhia anunciou em conjunto com o balanço, pode ser um bom sinal, indicando que a empresa espera por melhoras nos próximos trimestres. 

Diante de um ambiente incerto e um calendário prejudicado pela Copa do Mundo, a empresa apresentou um recuo anual de 16,5% no lucro líquido no segundo trimestre de 2014, para R$ 74,2 milhões. Analistas consultados pela Reuters estimavam um lucro líquido de R$ 78 milhões. Segundo o Itaú BBA, o resultado da varejista foi fraco em função das vendas e margens. Para os analistas, o foco da empresa agora será na capacidade de reativar o crescimento.

 

Contato