Em mercados / acoes-e-indices

Ebitda da Eletrobras cresce 1.094% e lucro da Cemig sobe 44,5%; veja mais 12 balanços

Eletrobras reportou lucro líquido de R$ 992 milhões, enquanto Sabesp registrou queda de 3,8% no lucro líquido

Eletrobras
(Divulgação/Eletrobras)

SÃO PAULO - Na reta final da temporada de resultados, diversas elétricas divulgaram os balanços, entre outros. Em destaque, a Eletrobras (ELET3;ELET6) reportou lucro líquido de R$ 992,95 milhões no primeiro trimestre, revertendo o prejuízo de R$ 33,88 milhões reportado no mesmo período de 2013.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou positivo em R$ 1,688 bilhão no primeiro trimestre, o que representa uma alta de 1.094% sobre um ano antes, quando o Ebitda somou R$ 141 milhões.

A receita operacional líquida da Eletrobras foi de R$ 7,008 bilhões entre janeiro e março, alta de 20,68% na comparação com os mesmos meses do ano anterior (R$ 5,807 bilhões).

Cemig
A estatal mineira Cemig (CMIG4) viu seu lucro líquido subir no primeiro trimestre e ficar acima das expectativas, apoiado em melhora nas receitas operacionais e financeiras.

A empresa informou na noite de quinta-feira que seu lucro líquido teve alta de 44,5% sobre igual período do ano passado, totalizando R$ 1,25 bilhão.

O valor ficou acima da estimativa média de 1 bilhão de reais de quatro analistas ouvidos pela Reuters.

O crescimento foi puxado pelo aumento de 38,82% no resultado operacional antes do resultado financeiro e impostos, e também pelo aumento de 80,75% nas receitas financeiras na comparação anual.

O Ebitda somou R$ 2,11 bilhões entre janeiro e março, alta de 32,55%, e também acima das expectativas de R$ 1,67 bilhão. A receita líquida da companhia teve alta de 29,45%  sobre um ano antes, para R$ 4,76 bilhões.

Na divulgação de resultados, a Cemig afirmou que os números estão em linha com sua estratégia comercial, e considerou que a "a situação de abastecimento continua desafiadora" no setor.

"Os registros de recordes sucessivos no consumo de energia no início deste ano, provocados pelo aumento das temperaturas principalmente no Sul e no Sudeste, contribuem para o agravamento deste quadro", informou a empresa.

A Cemig registrou um aumento de 7,75% na energia vendida no primeiro trimestre sobre o mesmo trimestre de 2013.

Light
A empresa de energia Light (LIGT3) teve alta de 129,5% no lucro líquido do primeiro trimestre, influenciado por fortes vendas de energia de curto prazo do negócio de geração e aumento no consumo na área atendida pela distribuidora.

A companhia teve um lucro líquido de R$ 181 milhões no período, superando a estimativa média de analistas, que esperavam lucro de R$ 147 milhões. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) subiu 27,5%, para R$ 453 milhões no primeiro trimestre.

O crescimento de 7,8% no consumo de energia na área da distribuidora foi influenciado principalmente pelo aumento de 13,6% no segmento residencial e de 8,3% no comercial. O aumento do consumo é explicado pela alta de 1,3 grau C na média de temperatura do trimestre ante mesmo período de 2013.

A distribuidora Light, que enfrenta problemas de furto de energia, conseguiu manter as perdas comerciais de energia em patamar praticamente estável em relação ao mesmo trimestre do ano passado, com ligeiro aumento de 0,2 pontos percentuais. As perdas comerciais de energia estão em 42,4% atualmente.

No segmento de geração, a Light teve aumento de 45,4% na receita líquida, a R$ 211,2 milhões. "Esse resultado pode ser explicado pela disponibilidade de energia vendida no mercado spot no trimestre, a um preço médio de R$ 658,3 por megawatt-hora", informou a empresa nesta quinta-feira.

Também houve forte aumento de 87,1% na receita líquida de Comercialização e Serviços, para R$ 294 milhões, efeito decorrente do aumento no volume de energia comercializada combinado com o maior preço praticado neste trimestre.

"O preço médio de venda, líquido de impostos, foi de R$ 213,5  por MWh no trimestre, em comparação com R$ 155 por MWh no mesmo período do ano passado, representando um aumento de 37,7%".

Cesp
Do lado da temporada de resultados, a Cesp (CESP6) viu seu lucro subir 149,2% entre o primeiro trimestre de 2013 e o início deste ano, passando de R$ 339,01 milhões para R$ 844,83 milhões. Enquanto isso, a receita da companhia atingiu R$ 1,14 bilhão, uma alta de 48,9% na comparação anual. Já o Ebitda avançou 73,9%, subindo de R$ 841,10 milhões para atuais R$ 1,46 bilhão.

No primeiro trimestre de 2014, a produção de energia elétrica da CESP (sem considerar a usina de Três Irmãos) atingiu 9.121 GWh, 4,6% superior ao mesmo período de 2013. Enquanto isso, as despesas operacionais caíram 6,3%, atingindo R$ 393,1 milhões, representando 23,1% da receita líquida.

Segundo relatório da companhia, entre os fatores que favoreceram a redução estão a diminuição da despesa de depreciação pelo término da exploração econômica da Usina de Três Irmãos e a redução da despesa de Serviços de Terceiros em 11,1% e da despesa de Pessoal em 8,1%.

Transmissão Paulista
A concessionária do setor elétrico Transmissão Paulista (TRPL4) viu seu lucro líquido atingir a cifra de R$ 85,5 milhões entre janeiro e março deste ano, uma alta de 20,4% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Também apresentou crescimento a receita da companhia, ao marcar R$ 225,3 milhões no primeiro trimestre de 2014, 12,2% superior na comparação anual. Com o lucro crescendo mais que a receita, a empresa também viu sua margem líquida (lucro líquido/receita líquida) apresentar alta, ao marcar 38% entre janeiro e março - 2,6 pontos percentuais superior ao primeiro trimestre do ano anterior.

A maior alta, porém, foi vista no Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização), que ficou em R$ 105,6 milhões, uma alta de 85,5%, fazendo com que a margem Ebitda (Ebitda/receita) crescesse 18,5 p.p., para 46,9%.

Celesc
A Celesc (CLSC3teve prejuízo líquido consolidado de R$ 72,815 milhões no primeiro trimestre de 2014, queda de 59,71% ante igual período do ano passado.

O Ebitda ajustado do trimestre foi negativo em R$ 29,472 milhões, ante resultado igualmente negativo de R$ 155,240 milhões no mesmo intervalo do ano passado. A margem Ebitda ajustado passou de resultado negativo em 12,69% no primeiro trimestre de 2013 para queda de 2,27%. 

A receita líquida somou R$ 1,3 bilhão de janeiro a março, ligeira alta de 1,70%.

A empresa divulgou anteriormente que o consumo total de energia elétrica na área de concessão da companhia somou 6.296 GWh no primeiro trimestre do ano, aumento de 11,3% no total de energia distribuída (mercado cativo + livre) quando comparado ao mesmo período de 2013.

Sabesp
A Sabesp (SBSP3) registrou uma queda de 3,8% no lucro líquido, para R$ 477,6 milhões em relação ao mesmo período de 2013. Enquanto isso, a receita avançou 5,6% no mesmo período, para R$ 2,79 bilhões.

Este foi o primeiro trimestre com a vigência da política de descontos na conta de água para incentivar a redução do consumo.

O Ebitda ajustado para excluir despesas não recorrentes, somou R$ 1,01 bilhão, 10,2% maior frente aos três primeiros meses de 2013.

Sul América
A Sul América (SULA11), que viu seu lucro líquido disparar 242,5% na comparação trimestral, ao atingir a cifra de R$ 82,1 milhões entre janeiro e março de 2014. A receita da companhia também cresceu na comparação anual, ao alcançar R$ 4,03 no primeiro trimestre, 13,5% superior aos números apresentados no mesmo período do ano anterior.

Entre os setores que mais chamaram atenção, destaque para os prêmios de seguros de saúde e odontológicos, além de capitalização. Os maiores ganhos, no entanto, foram registrados pelos resultados antes de impostos, que cresceram 206,2% no mesmo comparativo, com R$ 136,2 milhões.

Iochpe Maxion
No primeiro trimestre de 2014, a Iochpe-Maxion (MYPK3) obteve lucro líquido de R$ 12,902 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 936 mil registrado no mesmo período do ano passado.

O Ebitda foi de R$ 160,649 milhões, alta de 35,1% ante os meses de janeiro a março de 2013. Na comparação anual, a receita operacional líquida evoluiu 10,8%, para R$ 1,526 bilhões.

Wilson Sons 
No primeiro trimestre de 2014, a Wilson Sons (WSON11) atingiu lucro líquido de US$ 24,3 milhões, o que representou uma expansão de 24,3% na comparação com o mesmo período do ano passado.

A margem Ebitda ficou em 27,2%, avanço de 2,9 ponto porcentual ante o primeiro trimestre do ano passado.

De janeiro a março deste ano, a receita líquida caiu 0,4%, de US$ 148,3 milhões em 2013 para US$ 147,7 milhões.

General Shopping
A General Shopping (GSHP3) anunciou que a receita bruta da atingiu R$ 66,6 milhões no primeiro trimestre, com crescimento de 22,0% em comparação à receita de R$ 54,5 milhões nos primeiros três meses do ano passado.

O NOI Consolidado do período registrou R$ 52,9 milhões, com margem de 86,6% e crescimento de 21,4% em relação aos R$ 43,5 milhões no mesmo período do ano anterior.

O lucro bruto no período foi de R$ 46,9 milhões, com margem de 76,8% e crescimento de 23,1% em comparação aos R$ 38,0 milhões frente o ano passado.

O Ebitda ajustado atingiu R$ 42,6 milhões, com margem de 69,8% e crescimento de 23,7% em relação aos R$ 34,4 milhões do ano passado.

Lupatech
A Lupatech (LUPA3) teve um prejuízo líquido consolidado de R$ 94,9 milhões no primeiro trimestre do ano, 63% maior na comparação com as perdas de R$ 58,328 milhões de igual período de 2013.

Enquanto isso, a receita líquida da companhia foi de R$ 130,3 milhões, queda de 7% na comparação anual. E o resultado financeiro foi negativo em R$ 24,623 milhões, queda de 3%. 

Ser Educacional
A Ser Educacional (SEER3) registrou um lucro líquido de R$ 58,7 milhões no primeiro trimestre, uma alta de 47,9% na comparação com o mesmo período do ano passado. Enquanto isso, a receita líquida subiu 44,4%, para R$ 154,5 milhões.

O Ebitda, por sua vez, teve queda de 33,4%, a R$ 63,1 milhões, enquanto a margem Ebitda caiu 3,4 pontos percentuais, para 40,8%, com o efeito dos aluguéis que passaram a ser contabilizados e afetam a comparação anual. 

BR Insurance
A BR Insurance (BRIN3) teve uma queda de 69,7% no lucro líquido, para R$ 8,3 milhões, enquanto a receita líquida teve baixa de 7,9%, a R$ 54,52 milhões. 

O caixa gerado nas atividades operacionais foi de R$ 23 milhões no primeiro trimestre ante R$ 27 milhões no mesmo período do ano anterior. 

(Com Reuters e Agência Estado)

 

Contato