Em mercados / acoes-e-indices

CCR lucra R$ 343 milhões e Kroton vê lucro subir 56,4%, confira mais 13 resultados

Lucro da Marcopolo recua 2,5% e fecha o trimestre em R$ 54,3 milhões, enquanto a Nutriplant tem prejuízo de R$ 943 mil

CCR - Nova Dutra
(Divulgação/CCR)

SÃO PAULO - Em mais uma noite recheada de resultados, 7 empresas apresentaram seus balanços do primeiro trimestre nesta segunda-feira (12). Entre elas a companhia de infraestrutura CCR (CCRO3), que viu seu lucro líquido bater R$ 343,1 milhões, uma alta de 1,9% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Maior crescimento foi apresentado pela receita da companhia, que marcou alta de 12% no mesmo comparativo, ao registrar R$ 1,35 bilhão entre janeiro e março de 2014.

Já o Ebitda da companhia alcançou R$ 863,50 milhões, 12,8% superior ao montante registrado no primeiro trimestre de 2013. A margem Ebitda (Ebitda/receita líquida) da companhia, por sua vez, mostrou queda de 3,3 pontos percentuais, fechando em 55,1% no último balanço.

Pesaram sobre o resultado o crescimento das despesas e custos, mas o lucro ficou acima das estimativas de analistas, de R$ 318 milhões. As despesas administrativas da empresa de concessões rodoviárias cresceram 21,6%, para R$ 166,5 milhões. Já as despesas financeiras foram de R$ 298,3 milhões, um aumento anual de 77,5%, enquanto o custo dos serviços prestados subiu 31,2% e atingiu R$ 745,2 milhões.

Kroton
A Kroton (KROT3) registrou lucro líquido de R$ 274,76 milhões no primeiro trimestre, conforme informado pela empresa de educação nesta terça-feira, alta de 56,4% sobre o mesmo período do ano anterior.

Entre janeiro e março, a geração de caixa medida pelo Ebitda somou R$ 326,38 milhões.

CPFL
A CPFL Energia (CPFE3) teve lucro líquido de R$ 174,4 milhões no primeiro trimestre, queda de 57% em relação ao mesmo período do ano passado, afetado pela maior despesa financeira no período. A despesa financeira líquida foi de R$ 223 milhões, frente a R$ 144 milhões no primeiro trimestre de 2013, informou a companhia.

A receita operacional líquida subiu 8,2%, para R$ 3,7 bilhões, com avanço de 7% das vendas na área de concessão, impulsionadas por uma alta de 13,5% do segmento residencial e de 11,3% do segmento comercial.

As vendas para o mercado cativo totalizaram 11.355 Gigawatt-hora (GWh), aumento de 9 por cento. Já a quantidade de energia, em GWh, correspondente ao consumo dos clientes livres na área de atuação das distribuidoras do grupo, atingiu 4.153 GWh no trimestre, aumento de 1,9 por cento, reflexo da migração de clientes do mercado cativo para o mercado livre.

"O expressivo aumento das vendas no mercado cativo se deve principalmente às elevadas temperaturas verificadas nas áreas atendidas pela CPFL Energia", disse a empresa em relatório. "O cenário hidrológico desfavorável continuou penalizando a recuperação dos reservatórios durante o período úmido do ano", completou a empresa. O Ebitda foi de R$ 787,3 milhões no período de janeiro a março, queda de 25,4% na comparação anual.

Marcopolo
A fabricante de ônibus Marcopolo (POMO4) teve lucro líquido de R$ 54,3 milhões no primeiro trimestre, recuo de 2,5% sobre o mesmo período do ano anterior, segundo balanço divulgado pela companhia na noite desta segunda-feira (12).

A receita líquida, por sua vez, caiu 3,3% no mesmo comparativo, ao marcar R$ 741,8 milhões. Apesar do recuo de 9,5% das receitas no Brasil, que encerraram o período a R$ 531,2 milhões, as receitas de exportação e no exterior subiram 17%, para R$ 210,6 milhões. O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) caiu 7,7% ano a ano, a R$ 74,8 milhões.

A companhia mantém suas estimativas de desempenho para 2014, com investimentos previstos de R$ 160 milhões no ano, além de uma meta de receita líquida consolidada de R$ 3,8 bilhões e produção de 20.850 ônibus.

Abril Educação
A Abril Educação (ABRE11) registrou lucro líquido antes da participação de minoritários de R$ 56,6 milhões entre janeiro e março, um crescimento de 52% na comparação com o mesmo período do ano passado.

O Ebitda ajustado somou R$ 135,1 milhões, 59% maior ante o primeiro trimestre de 2013.

Já a margem Ebitda ficou em 40%, alta de 2 pontos percentuais ante 38% no ano passado. Na comparação anual, a receita líquida da Abril Educação somou R$ 333,7 milhões, valor 48% superior ao registrado em igual período do último ano.

JSHF
A JHSF (JHSF3) registrou um lucro líquido 54,5% menor no primeiro trimestre de 2014, para R$ 13,4 milhões ante R$ 29,5 milhões obtidos em igual período de 2013. Já a receita líquida teve queda de 12,5% no primeiro trimestre, a R$ 148 milhões.

O Ebitda ajustado teve queda de 17,8%, a R$ 51,1 milhões. Os ajustes decorrem, segundo a companhia, de renda recorrente e varejo, incorporações e despesas com aluguel garantido.  

Nutriplant
A Nutriplant (NUTR3) registrou prejuízo de R$ 943 mil no primeiro trimestre de 2014, uma redução de 31,6% em comparação com o número mostrado no mesmo período do ano passado. No mesmo comparativo, a receita da companhia cresceu 33,4%, ao bater a cifra de R$ 9,5 milhões entre janeiro e março deste ano. Já o Ebitda foi negativo em R$ 166 mil, uma redução de 62,9% ante o primeiro trimestre de 2013.

"A Companhia continuará focada em sua missão de criar produtos diferenciados para maximizar a produtividade da atividade de seus clientes por meio do desenvolvimento de tecnologia agronômica", afirmou o diretor presidente e de Relações com Investidores da Nutriplant, Ricardo Pansa, em release anexado ao balanço apresentado ao mercado.

Comgas
O lucro líquido da Comgás (CGAS3) cresceu 5,6% no primeiro trimestre, atingindo R$ 128,4 milhões. A receita da companhia avançou 4,8%, para R$ 1,52 bilhão. O volume total apresentou queda de 3,95%, principalmente devido à desaceleração da economia no Brasil e no exterior. O Ebitda atingiu R$ 342 milhões no período, alta de 8,8% em relação a um ano atrás.

Os custos, compostos principalmente pelo preço de matéria-prima, transporte e construção, totalizaram R$ 1,07 bilhão nos três meses até março, um avanço de 3,54% em comparação com o mesmo período de 2013.

Dasa
A Dasa (DASA3) reportou lucro líquido de R$ 28,7 milhões, alta de 21,6% na comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a março, o Ebitda somou R$ 112,6 milhões, o que representa uma expansão de 13,6% ante 2013. A receita líquida subiu 13,9%, de R$ 581,6 milhões para R$ 662,1 milhões.

Tegma
A Tegma (TGMA3) teve lucro líquido de R$ 1,303 milhões, crescimento de 30,4% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando somou R$ 999 mil. O Ebitda ficou em R$ 19,896 milhões, alta de 30,4% ante 2013. Já a receita líquida foi de R$ 378,482 milhões, praticamente estável contra o primeiro trimestre de 2013, quando somou R$ 378,844 milhões.

Banco Pine
O Banco Pine (PINE4) encerrou o primeiro trimestre do ano com lucro líquido recorrente de R$ 33 milhões, 28% inferior ao mesmo período do ano passado, enquanto o lucro líquido contábil caiu 24% no mesmo intervalo, para R$ 35 milhões. O retorno sobre o patrimônio líquido anualizado (ROAE) recorrente cedeu para 10,7% no primeiro trimestre deste ano, de 15,5% nos mesmos três meses do ano passado.

Aliansce
A operadora de shopping centers Aliansce (ALSC3) apresentou lucro líquido contábil de R$ 5,239 milhões no primeiro trimestre de 2014, queda de 13,5% em relação ao mesmo período de 2013.

Desse montante, R$ 3,253 milhões se referem ao lucro atribuível aos acionistas controladores e R$ 1,987 milhões aos acionistas não controladores. O documento com apresentação dos resultados também informou o lucro líquido gerencial, que atingiu R$ 3,851 milhões.

O Ebitda ajustado atingiu R$ 79,581 milhões no primeiro trimestre de 2014, elevação de 14,1% na comparação com o mesmo período de 2013. A margem Ebitda ajustada foi de 67,9%, melhora de 0,5 ponto porcentual. A receita líquida totalizou R$ 117,266 milhões, expansão de 13,2%.

Kepler Weber
A Kepler Weber (KEPL3) apresentou um lucro líquido de R$ 23,8 milhões no primeiro trimestre de 2014, 176,7% superior ao mesmo período do ano passado e um novo recorde para um primeiro trimestre. Já a receita líquida consolidada somou R$ 173,3 milhões, ou 45% superior ao ano anterior. 

O Ebitda subiu de R$ 15,4 milhões para R$ 34,8 milhões, enquanto as despesas financeiras líquidas tiveram queda para R$ 353 mil, ante R$ 1,7 milhão. 

Mahle Metal Leve
A Mahle Metal Leve (LEVE3) reportou um lucro líquido de R$ 44,9 milhões nos três primeiros meses de 2014, alta de 23% na base de comparação anual.

Já o Ebitda atingiu R$ 91,9 milhões no primeiro trimestre de 2014, representando margem EBITDA de 16,2%, ante 17,1% no mesmo período do ano anterior. A receita líquida de vendas foi de R$ 566,8 milhões no primeiro trimestre de 2014, 4,1% maior em relação ao mesmo período do ano anterior.

Banrisul
O Banco do Estado do Rio Grande do Sul (BRSR6) viu seu lucro líquido cair 62% no primeiro trimestre sobre um ano antes, totalizando R$ 77,8 milhões, informou a instituição nesta terça-feira.

De acordo com o banco, o resultado foi afetado por itens extraordinários no período, como a criação do Plano de Aposentadoria Incentivada para favorecer o desligamento de funcionários e efeitos fiscais sobre eventos não recorrentes. "Somados, esses eventos produziram efeito líquido de 60,1 milhões de reais no resultado do trimestre", disse o banco.

O Banrisul encerrou o mês de março com carteira de crédito total de R$ 27,252 bilhões, um crescimento de 10% sobre um ano antes e de 2,3% sobre o quarto trimestre de 2013.

O índice de inadimplência de empréstimos vencidos há mais de 90 dias ficou em 3,46%, alta ante os 3,33% no primeiro trimestre do ano passado e sobre os 3,23% no trimestre encerrado em dezembro. Já as despesas com provisões para operações de crédito somaram R$ 196,4 milhões entre janeiro e março, estável na comparação com igual período de 2013, mas avanço de 35% em relação ao quarto trimestre.

 (Com Reuters e Agência Estado)

 

Contato