Em mercados / acoes-e-indices

Gafisa dispara com potencial saída da Tenda; ALL renova mínima histórica; veja mais

Oi tem sgunda maior alta do Ibovespa, depois de notícia de que bancos estrangeiros assumiram compromisso de captar de R$ 6 bi a R$ 8 bi no mercado para a operadora

ALL
(Divulgação/ALL)

SÃO PAULO - A volatilidade marcou boa parte da sessão desta sexta-feira (7). O Ibovespa, que caminhou entre o terreno positivo e negativo, conseguiu se firmar no final do dia e fechou em alta de 0,70%, a 48.073 pontos. 16 das 72 ações que compõem a carteira teórica do índice encerraram com alta superior a 2%, enquanto somente 8 cairam mais de 1%. Em uma ponta, apareceram as ações da Gafisa (GFSA3), com valorização de 6,64%, sendo cotadas a R$ 3,21; na outra, os papéis da ALL (ALLL3), com perdas de 5,90%, a R$ 5,74, renovando sua mínima histórica. 

Com esse desempenho, as ações da ALL registraram sua quinta queda consecutiva, acumulando no período perdas de mais de 13%concessionária de ferrovias respondia a mais uma ação judicial envolvendo carregamento de açúcar. Conforme apurou o Valor, a Agrovia reivindica indenização e multas por não atendimento de contrato que podem chegar a R$ 580 milhões. A empresa alega que adiantou à ALL cerca de R$ 100 milhões que foram investidos em vagões e trilhos para trechos no interior de São Paulo. Em comunicado, a ALL informou que os valores atribuídos às multas na matéria do Valor são completamente descabidos e não possuem racional econômico sustentável, sendo inclusive desproporcionais em relação a própria Agrovia, cuja receita líquida e lucro bruto, em 2012, foram de R$ 68 milhões e R$ 7 milhões, respectivamente. 

Em relação à Gafisa, a incorporadora iniciou estudos para uma potencial separação dos negócios das unidades Gafisa e Tenda em duas companhias abertas e independentes. Segundo comunicado da empresa, a separação é o próximo passo do plano de administração da companhia para "reforçar geração de caixa".

Ganhou destaque também os papéis da Oi (OIBR4), que registraram valorização de 4,08%, sendo cotados a R$ 4,08, figurando na segunda melhor posição do Ibovespa. Reportagem da Folha de S. Paulo informou que um grupo formado por 12 bancos, nacionais e estrangeiros, comprometeu-se a captar entre R$ 6 bilhões e R$ 8 bilhões em ações da companhia formada pela fusão com a Portugal Telecom. 

Outros destaques:

Elétricas
A derrota no leilão das linhas de transmissão que vão escoar a energia da hidrelétrica de Belo Monte (PA) para a região Sudeste garantiu a valorização das units da Alupar (ALUP11, +2,57%, R$ 15,97), embora as da Taesa (TAEE11, +0,34%, R$ 17,51) tenham zerado os ganhos ao longo do pregão. Com três consórcios concorrentes, o grupo IE Belo Monte, formado pela chinesa State Grid Brazil Holding, pela Furnas Centrais Elétricas e pela Eletronorte - as duas últimas como subsidiárias da Eletrobras (ELET3; ELET6) - ganhou o leilão ao apresentar uma proposta de RAP (Receita Anual Permitida) de R$ 434.647.038 ao ano.

Segundo a equipe de análise da XP Investimentos o resultado é positivo para Taesa e para a Alupar, já que demonstra certa rigidez na alocação apropriada de capital, uma vez que as duas empresas ofereceram uma proposta conservadora e com pequeno deságio (4,93%) sobre a tarifa teto. Além disso, eles destacam que o resultado tira o receio do mercado quanto a uma possível agressividade de ambas as empresas neste leilão. 

Petrobras
As ações da Petrobras (PETR3, +1,73%, R$ 13,53; PETR4, +1,69%, R$ 14,45) teve seu segundo dia de ganhos, na tentativa de recuperar as fortes perdas registradas no início desta semana. Incertezas pressionaram as ações da estatal nesta semana, que encerram o período em baixa de quase 2%. O clima adverso aumentou na última quarta-feira, quando a empresa decidiu adiar a divulgação do seu balanço do dia 14 para o dia 25 de fevereiro. Operadores afirmaram que a decisão abriu espaço para especulações de que o resultado poderia vir pior do que o esperado. 

Gol
Os papéis da Gol (GOLL4) sobem pelo quarto pregão consecutivo nesta sexta-feira, acumulando no período ganhos de cerca de 12% no período. Nesta sessão, as ações registraram valorização de 2,26%, a R$ 10,40. Apesar da valorização, um relatório da agência de classificação de risco Moody's apontou que as empresas aéreas brasileiras poderão ter dificuldades para elevar as tarifas em 2014 e assim compensar a depreciação do real ante o dólar, em meio a um fraco aumento na demanda por passageiros. 

TIM
Já as ações da TIM (TIMP3) subiram 1,47%, a R$ 13,11, nesta sessão. Mais cedo, o jornal O Estado de S. Paulo publicou que a Telecom Italia e a Vivendi, controladora da GVT, cogitam uma fusão com a operadora. A Telecom Italia, no entanto, negou a informação de que a companhia estava envolvida em negociações de fusão. 

Dasa
No campo negativo, as ações da Diagnósticos da América (DASA3) caíram 0,07%, a R$ 14,90. O conselho de administração da empresa deu novamente parecer favorável à realização da OPA (Oferta Pública por Aquisição) de ações após os acionistas Edson Bueno e Dulce Pugliese apresentarem novo edital para a operação, conforme solicitação da CVM (Comissão de Valores Mobiliários). De acordo com a mudança, caso não seja atingida a quantidade mínima de ações prevista para a oferta para aquisição de controle, os acionistas poderão adquirir tantas ações quantas forem ofertadas. 

QGEP
Além disso, os papéis da Queiroz Galvão (QGEP3) recuaram 1,87%, a R$ 8,40. Segundo apurou o InfoMoney, a empresa e a Barra Energia se preparam para comprar os 40% restantes da OGX em BS-4 - ou costuram um acordo com um novo sócio para que ele entre no campo, em substituição à petrolífera de Eike Batista. Na véspera, comunicado divulgado pela empresa apontou que o campo de BS-4, onde ficam localizados Oliva e Atlanta, teve resultados exploratórios melhores do que os esperados. Procuradas, as três empresas afirmaram que não vão se pronunciar a respeito do rumor. 

Le Lis Blanc
As ações da Le Lis Blanc (LLIS3) também vêm ganhando destaque nos últimos dias. Os papéis subiram por ininterruptos nove pregões, acumulando no período 30%. Somente nesta sessão, os ativos registraram valorização de 5,08%, a R$ 6,20 - maior patamar desde 9 de dezembro de 2013.

 

Contato