Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa registra leves ganhos buscando recuperação, mas cenário externo restringe alta

Sessão é de cautela para as bolsas mundiais e índice futuro norte-americano, com investidores ainda repercutindo dados de emprego; no cenário doméstico, chama atenção o Focus

ações-mercados-bolsa 2

SÃO PAULO - O Ibovespa abriu a sessão desta segunda-feira (13) em leve alta, tentando se recuperar após a queda de 2,76% da semana anterior, mas não conseguiu resistir à pressão externa e a queda dos índices futuros norte-americanos e diminuiu os ganhos. O mercado segue pressionado pelos dados econômicos dos Estados Unidos, cuja criação de emprego ficou abaixo da expectativa, para 74 mil postos, e repercutindo as expectativas de economistas reveladas pelo relatório Focus, que elevaram as projeções para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) e para o PIB (Produto Interno Bruto) para este ano. Às 10h09 (horário de Brasília), o índice registrava leves ganhos de 0,18%, a 49.785 pontos. 

No noticiário nacional, o destaque fica para a pesquisa Focus, que revisaram as suas estimativas para diversos aspectos da economia brasileira, de acordo com a pesquisa Focus do Banco Central. A expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014 foi elevada ligeiramente de 1,95% para 1,99% enquanto, para 2015, foi reduzida de 2,50% para 2,48%. Com relação à Selic, a expectativa se manteve em 10,5% para o final deste ano, mas passou de 11,25% para 11,50% para 2015. Em relação à inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2014, os economistas elevaram a expectativa para 2014 em 0,03 ponto percentual, para 6% ante 5,97%, enquanto para o próximo ano a projeção ficou em 5,50%, mesma previsão da semana passada.

Vale ressaltar que o mercado segue na expectativa pelo desfecho da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), que será encerrada na próxima quarta-feira. A taxa básica de juros, a Selic, está atualmente em 10% ao ano. 

Já no noticiário corporativo, chama a atenção os dados as empresas do setor imobiliário, com destaque para a PDG (PDGR3, R$ 1,91, +2,14%), Brookfield (BISA3, R$ 1,06, +1,92%) e Even (EVEN3, R$ 7,70, +1,45%). A última companhia divulgou nesta manhã a sua prévia operacional, revelando um recorde de vendas em 2013 de R$ 2,1 bilhões e lançamentos de R$ 2,423 bilhões. O Pão de Açúcar (PCAR4) também tem ganhos, reagindo à divulgação de crescimento operacional no quarto trimestre. 

Sessão de cautela para os mercados mundiais
Esta sessão se iniciou sem direção única para os mercados mundiais, com os mercados digerindo os dados do mercado de trabalho norte-americano divulgados na última sexta-feira. Os Estados Unidos anunciaram a criação de 74 mil vagas de trabalho, bem abaixo do cerca de 200 mil esperados, apesar da redução da taxa de desemprego para 6,7%, ante expectativa de 7%.

E os Estados Unidos continuarão no radar dos mercados. Além da divulgação do Treasury Budget na tarde desta data, os investidores devem seguir com atenção os balanços corporativos do quarto trimestre de 2013 a serem revelados nesta semana, com destaque para grandes bancos como o JPMorgan Chase, Wells Fargo, Bank of America, Citigroup e Goldman Sachs, além da Intel e da General Eletric. 

O dia foi de baixa liquidez para as bolsas asiáticas, uma vez que o mercado de Tóquio esteve fechado devido a um feriado nacional. O grande destaque nesta sessão fica com as bolsas asiáticas, pressionadas em meio às notícias de que os reguladores intensificariam a supervisão dos IPOs (Initial Public Offering) para tentar conter os preços das ofertas. Desta forma, cinco empresas adiaram os seus planos de abertura de capital.  Com isso, o índice Shangai teve queda de 0,19% e fechou no seu menor patamar em cinco meses. 

Por outro lado, na Europa, o dia é de leves ganhos para os principais índices, puxados principalmente pelas ações do setor bancário, que registram alta puxados pelas medidas de maior flexibilização dos reguladores do setor sobre o crédito, diminuindo assim temores de que haja uma restrição do crédito no continente.

No campo político, chama a atenção a Espanha, com destaque para a queda de popularidade do partido conservador de acordo com pesquisa de opinião pública revelada pelo jornal El País, em meio aos escândalos de corrupção e às medidas de austeridade. 

 

Contato