Em mercados / acoes-e-indices

Ações desabam com possibilidade de serem excluídas do Ibovespa

Relatório do Morgan Stanley aponta ainda que índice pode ter 7 novidades a partir de janeiro; primeira prévia será divulgada no começo de dezembro

Ibovespa
(Divulgação)

SÃO PAULO - A partir de 2014, a BM&FBovespa começará a usar de uma nova metodologia para escolher as ações que farão parte do seu principal índice de ações, o Ibovespa. Em cima disso, a equipe de análise do Morgan Stanley começou a avaliar quais papéis poderão sair ou entrar no benchmark a partir de janeiro de 2014. Ao todo, 4 ações poderão deixar o Ibovespa e 7 deverão ser incluídas, segundo avaliação do banco norte-americano. A primeira prévia do "novo Ibovespa" será divulgada no começo de dezembro.

Dentre as candidatas a serem eliminadas, aparecem B2W (BTOW3), Usiminas ordinária (USIM3), Vanguarda Agro (VAGR3) e Transmissão Paulista (TRPL4). No outro sentido, o banco aposta em BB Seguridade (BBSE3), Estácio (ESTC3), Qualicorp (QUAL3), Ecorodovias (ECOR3), Raia Drogasil (RADL3), Arteris (ARTR3) e Even (EVEN3).

Nesta sessão, das companhias que o banco projeta a saída do índice, apenas a Usiminas registrou alta, com os papéis ordinários avançando 0,63%, a R$ 11,22 - embora esta valorização esteja "atrasada" em relação às ações preferenciais da siderúrgica (USIM5, R$ 12,20, +3,30%). Já a B2W e a Transmissão Paulista recuaram 7,35% e 3,76%, respectivamente, cotadas a R$ 12,99 e R$ 29,40. Vale mencionar que a B2W completa hoje seu 5º dia seguido de queda, acumulando perdas de 22,45%. Por fim, a ação da V-Agro fechou com desvalorização de 1,43%, R$ 3,45.

Enquanto isso, as ações que podem entrar para o Ibovespa fecharam em movimentos bastante opostos, com destaque para a Estácio, que subiu 2,91%, cotada a R$ 18,01. No negativo ficaram a Ecorodovias, Raia Drogasil, Qualicorp e BB Seguridade, que caem 0,21%, 2,96%, 0,24% e 0,69%, respectivamente, cotadas a R$ 14,21, R$ 16,40, R$ 8,09 e R$ 23,10. Já a Even e a Arteris avançam 0,25% e 1,60%, a R$ 8,09 e R$ 19,10.

As mudanças
A Bolsa já informou que sua nova metodologia só será aplicada completamente na carteira teórica de maio, mas que para a constituição do Ibovespa entre janeiro e abril será obtida a partir da média das ponderações definidas com base na metodologia anterior e na nova.

Entre as principais alterações na metodologia do Ibovespa, estão a forma de ponderação, que passará a ser realizada pelo free float com índice de negociabilidade de 2 vezes. Além disso, o cálculo do índice de negociabilidade passará a considerar 1/3 da participação no número de negócios e 2/3 da participação de volume financeiro.

Também haverá mudanças nos critérios de inclusão e exclusão da carteira, bem como nos critérios de inclusão e permanência na carteira em caso de suspensão da negociação do ativo. A nova metodologia contará também com a introdução de limite de participação por empresa. A nova metodologia também prevê, já em janeiro, que as ações classificadas como penny stocks (que valem menos de R$ 1), no período de validade da carteira anterior ao rebalanceamento, não entrem no índice.

A bolsa divulga duas prévias antes da carteira quadrimestral definitiva: uma nos primeiros dias do último mês da carteira em vigor e outra na metade do último mês em vigor.

A bolsa divulga regularmente três prévias das novas composições dos índices: a 1ª prévia, no primeiro pregão do último mês de vigência da carteira em vigor; a 2ª prévia, no pregão seguinte ao dia 15 do último mês de vigência da carteira em vigor e a 3ª prévia, no último pregão de vigência da carteira em vigor - no caso da carteira para o 1º quadrimestre de 2014, as prévias serão divulgadas nos dias 2, 16 e 27. A BM&FBovespa também divulga as carteiras dos outros índices calculados.

 

Contato