Em mercados / acoes-e-indices

Disparada de OGX e Vale "salva" Ibovespa, que busca 5ª alta seguida

Petrolífera de Eike Batista sobe mais de 40%, enquanto mineradora avança mais de 2%; bolsas dos EUA recuam com "alerta" de corte de rating

ações - mesa - bolsa de valores - Bovespa - cotações
(Rafael Matsunaga/Wikimedia)

SÃO PAULO - Após uma manhã sem tendência definida, o Ibovespa consolidou alta na tarde desta terça-feira (15), tentando estender para 5 pregões sua sequência de altas. O índice brasileiro conseguiu se descolar das bolsas norte-americanas, que operam em leve queda no aguardo de novidades sobre negociações referentes ao teto da dívida, graças à disparada da OGX Petróleo, que chega a subir mais de 40% - e à alta de mais de 2% da Vale - empresa com a maior participação individual na composição do Ibovespa.

Segundo cotação das 14h50 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa brasileira avançava 1,76%, a 55.111 pontos. Se estas duas empresas não fizessem parte do Ibovespa, o índice estaria em queda.

As empresas do Grupo EBX, OGX Petróleo (OGXP3, R$ 0,34, +47,83%) e MMX Mineração (MMXM3, R$ 1,09, +10,10%lideram a ponta positiva do Ibovespa com folga, embora no acumulado do ano o desempenho ainda é muito ruim - a petrolífera ainda registra queda de 93,84% em 2013. No novo noticiário envolvendo as empresas "X", repercute positivamente o contrato de venda do Porto Sudeste da MMX para a Trafigura e Mubadala, com a venda de 65% do porto para as duas empresas por cerca de US$ 400 milhões.

Já as ações da Vale (VALE3, R$ 35,87, +1,50%; VALE5, R$ 32,62, +1,08%) colaboram com o movimento, uma vez que a companhia responde por mais de 10% da composição do índice. A companhia segue o momento positivo da mineradora global Rio Tinto, que reportou forte produção de minério de ferro no terceiro trimeste. Outra produtora de minério que faz parte do Ibovespa, a ação da CSN (CSNA3, R$ 11,36, +2,43%) também sobe forte com a notícia.

Prévias derrubam imobiliárias e Embraer
Já no campo negativo do índice, as imobiliárias Gafisa (GFSA3, R$ 3,51, -3,84%), PDG (PDGR3, R$ 2,22, -2,20%), Brookfield (BISA3, R$ 1,58, -1,25%) e Cyrela (CYRE3, R$ 16,81, -1,06%) recuam após os dados operacionais da Cyrela apontarem menor velocidade de vendas no terceiro trimestre.

A Embraer (EMBR3, R$ 18,44, -3,00%) também recua após apresentar dados operacionais decepcionantes.

EUA: corte de rating esta noite?
Nos EUA, o impasse sobre o teto da dívida continua enquanto o dia 17 de outubro se aproxima - a data foi estimada pelo Tesouro como limite para chegar a um acordo sem que o país fique sem dinheiro para honrar suas dívidas e enfrente um default técnico. Após reunião a portas fechadas com os republicanos, o líder John Boehner disse que eles estão trabalhando para chegar a um aumento no teto da dívida, mas sem indicar uma solução neste momento. Às 16h15, o presidente Barack Obama encontrará os líderes democratas para tentar chegar a um acordo. 

Notícias e declarações nesta manhã indicaram que o impasse poderia ser resolvido nesta terça-feira, com um aumento temporário no teto da dívida, mas até o momento, nenhuma solução foi encontrada e alguns analistas mostram-se céticos sobre a capacidade de republicanos e democratas chegarem a um acordo logo. Agora a pouco, o senador Harry Reid disse alertou que toda essa demora pode fazer com que as agências de rating reduzam ainda hoje a nota de crédito norte-americana.

Ainda nos EUA, a produção industrial de Nova York subiu 1,5 outubro, ante expectativa de 4,5, após avançar 6,3 no mês anterior. Além de indicadores, os investidores repercutem os discursos do presidente do Fed de Nova York, William Dudley, comentando que o resultado do Fed não impactará em sua política monetária. Já Richard Fisher, do Fed de Dallas, comentou que não acredita em uma redução do Quantitative Easing 3 neste mês, devido à paralisação do governo norte-americano.

Europa
Na Europa, a inflação toma rumos positivos, com os preços ao consumidor francês recuando menos do que o previsto em setembro, com queda de 0,2%. Na Grã-Bretanha, o mesmo indicador subiu 2,7%, também superando as expectativas. Enquanto isso, na Alemanha, os preços de importação subiram 0,1% em setembro, ante expectativa de estabilidade enquanto o índice ZEW de sentimento econômico subiu para 52,8 em outubro, ante projeções de 49,2. Já o indicador de sentimento para a zona do euro como um todo avançou pouco menos do que o esperado, registrando 59,1 no mesmo período.

Ainda no Velho Continente, diversos ministros de finanças podem aprovar o novo supervisor bancário em uma reunião nesta terça-feira. Também ganhará destaque a apresentação do orçamento para o próximo ano da Itália, Portugal e Irlanda, no último dia para entregar o orçamento à União Europeia. Na Alemanha, o partido da chanceler reeleita, Angela Merkel, disse que continuará as negociações para formar um governo de coalizão.

 

Contato