Em mercados / acoes-e-indices

China traz otimismo ao mercado: Vale sobe 3,5% e imobiliárias disparam mais de 5%

Notícias positivas na China levaram siderúrgicas para fortes ganhos nesta segunda; fora do índice, destaque para Pet Manguinhos, que subiu 13% com suspensão de desapropriação

Planta de beneficiamento no Complexo Mineroquímico de Araxá
(Agência Vale)

SÃO PAULO - Em meio ao otimismo com os dados da China, Europa e melhor estimativa com o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro em 2013, o Ibovespa registrou forte alta de 3,65%, aos 51.835 pontos. Enquanto apenas 6 das 73 ações do índice fecharam no negativo, 12 conseguiram avançar mais de 5%, com destaque para os ativos das empresas do Grupo EBX, com a OGX Petróleo (OGXP3) subindo 33,33%, a R$ 0,40.

Outro destaque positivo ficou com os papéis da Vale (VALE3; VALE5), cujas ordinárias subiram 3,49%, a R$ 35,62, e as preferenciais avançaram 2,96%, a R$ 32,02, em reflexo ao PMI oficial chinês, que mostrou expansão para 50,1 em agosto, ante 47,7 em julho. Para a equipe de análise da XP Investimentos, tal dado é positivo para o universo de commodities no curto prazo, especialmente metálicas, gerando sustentação para preços e podendo assim refletir positivamente para a mineradora.

Com isso, as ações das siderúrgicas também tiveram um desempenho de forte alta por causa da melhora na economia chinesa: CSN (CSNA3, +5,34%, R$ 8,87), Usiminas (USIM3, +2,45%, R$ 10,44; USIM5, +2,33%, R$ 10,55), Gerdau (GGBR4, +3,09%, R$ 17,68) e Metalúrgica Gerdau (GOAU4, +3,16%, R$ 21,84).

Kroton e Anhanguera sobem em dia de estreia no Ibovespa
Aproveitando o otimismo do mercado, os ativos de Kroton (KROT3) e Anhanguera (AEDU3), que estrearam hoje no novo portfólio do Ibovespa, também fecharam com alta expressiva. Os ativos da Kroton encerraram com alta de 2,66%, cotados a R$ 32,85, enquanto as ações AEDU3 se valorizaram 3,39%, a R$ 14,32.

A entrada das duas empresas do setor de educação no Ibovespa era esperada desde meados de abril deste ano, quando as duas anunciaram uma associação para formar o maior grupo de educação do mundo em valor de mercado - a nova empresa está avaliada em R$ 13 bilhões e conta com 1 milhão de alunos.

A junção das empresas , mediante a incorporação de ações da Anhanguera pela Kroton, ainda depende da aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), mas analistas acreditam que não haverá empecilhos à fusão. De acordo com os analistas Luis Azevedo e Tales Freire, do Bradesco BBI, dificilmente o Cade deve bloquear o acordo já que as duas companhias, juntas, têm uma fatia pequena do mercado, principalmente no segmento presencial, enquanto apenas algumas cidades têm sobreposição de negócios entre as duas empresas.

Imobiliárias sobem mais de 6%
Outro setor bastante favorecido com o otimismo do mercado foi o imobiliário. Com as companhias acumulando forte desvalorização nas últimas semanas, influenciadas principalmente pela expectativa de aumento de juros, as ações das empresas do setor ficaram entre os maiores ganhos do Ibovespa nesta segunda.

PDG Realty (PDGR3, +6,52%, R$ 2,45), Brookfield (BISA3, +7,65%, R$ 1,83) e Gafisa (GFSA3, +5,00%, R$ 2,94) e MRV Engenharia (MRVE3, +5,16%, R$ 8,76) subiram mais de 5%, após acumularem quedas de 5,34%, 9,57%9,68% e 2,60% respectivamente na última semana. Além disso, a Rossi (RSID3, +3,64%, R$ 2,85) também teve forte alta nesta sessão.

Pet Manguinhos sobe 13% após desapropriação ser suspensa
Entre as small caps, as ações da Pet Manguinhos (RPMG3, +13,33%, R$ 0,34; RPMG4, +13,33%, R$ 0,34) disparam com a suspensão da desapropriação de seu terreno localizado na zona norte do Rio de Janeiro pelo STF (Supremo Tribunal Federal) na última sexta-feira. 

O pedido de liminar, que foi atendido pelo ministro Gilmar Mendes, foi feito pela Perimeter Asset Manegement, administradora de recursos e acionista minoritária da Refinaria. A suspensão ocorrerá até o julgamento do processo. A Perimeter contestou em junho a desapropriação do terreno. 

Em nota, o STF destacou que o ato do governo do Rio de Janeiro é "extremamente controverso, por se tratar de um terreno da União levou a interrupção das atividades da empresa e a dispensa de seus quase mil funcionários". 

Santos Brasil sobe 5,8% com pedido de renovação de concessão
Na última sexta-feira (30), a Santos Brasil (STBP11) apresentou uma proposta para renovação da concessão, visando estender por mais 25 anos, até 2047, sua operação no Tecon de Santos. O Governo tem 60 dias para aprovar ou negar o plano de investimentos da companhia.

Para os analistas do Bank of America Merrill Lynch a estimativa é que a Santos Brasil proponha um plano de investimento de R$ 800 milhões, a ser implantado em quatro anos. O investimento envolveria, entre outras coisas, a expansão cais e renovação de equipamentos. A equipe manteve a recomendação neutra para os ativos da empresa, mesmo vendo uma boa execução da Santos Brasil, com perspectiva sólida de volumes para o curto prazo. Neste pregão, os ativos da empresa fecharam com alta de 5,87%, a R$ 24,35.

 

Tudo sobre:  Ibovespa   Bolsas  

Contato