Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa abre em leve alta, de olho no crescimento chinês

Gigante asiático, um dos maiores parceiros comerciais do Brasil, revelou crescimento de 7,8% em 2012

projeção_perspectiva_ações

SÃO PAULO - Influenciado pelo crescimento econômico acima do esperado na China, o Ibovespa dá início ao pregão desta sexta-feira (18) com leve alta de 0,13%, aos 62.275 pontos, às 10h12 (horário de Brasília). Com isso, o principal índice de ações da bolsa paulista caminha para fechar a semana com ganhos acima de 1%.

Durante a madrugada a China anunciou o pior crescimento em mais de uma década, aos 7,8%. Ainda assim, a alta de 7,9% no último trimestre, na comparação anual, foi ligeiramente melhor que os 7,8% esperados e dá continuidade ao ritmo de recuperação durante o ano.

Com isso, os maiores ganhos do Ibovespa ficam por conta das ações da Marfrig (MRFG3, R$ 9,87, +2,39%), Eletrobras (ELET3, R$ 7,11, +1,72%), JBS (JBSS3, R$ 6,94, +1,61%), MMX Mineração (MMXM3, R$ 4,08, +1,49%) e ALL (ALLL3, R$ 8,94, +1,13%).

Mais cedo, os dados chinesas também trouxeram otimismo às bolsas asiáticas. No Japão o índice Nikkei 225 disparou 2,8%, enquanto na China o índice Shanghai Composite avançou 1,4%. Nos EUA, apesar do otimismo com a China, os contratos futuros sobre índices de ações oscilam próximo da estabilidade.

Por lá a temporada de resultados corporativos continua intensa. O foco desta manhã fica por conta da decepção com os números da Intel, que viu seu lucro despencar 27% no último trimestre de 2012 e vê as ações caírem cerca de 5% no pré-market.

Agenda forte na China, mas fraca para o resto do dia
De volta à China, o gigante asiático divulgou, além dos números do PIB, uma cesta de indicadores composta por números de produção industrial e vendas no varejo e investimentos em ativos fixos durante o ano. Todos eles vieram próximos às projeções do mercado.

Para o restante do dia, sem indicadores de grande importância ao mercado no cenário local, os investidores acompanham, às 12h55, o indicador de confiança dos consumidores nos EUA para janeiro, medido pelo Michigan Sentiment.

No cenário local, o destaque fica por conta das declarações do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, que disse na véspera que o risco de racionamento de energia é zero e que a porcentagem de etanol na gasolina subirá de 20% para 25% em junho.

 

Contato