Em mercados / acoes-e-indices

Puxado por Petro e Vale, Ibovespa fecha no pior pregão desde setembro

Incertezas com o cenário externo pressiona mercado e índice cai pela 5ª vez em seis pregões; resultados agitaram o dia nesta véspera de feriado

Bovespa - mesa - corretores - mercado financeiro
(Divulgação/BM&FBovespa)

SÃO PAULO - Após um fôlego na véspera, o Ibovespa retornou para o campo negativo nesta quarta-feira (14) e fechou com forte queda de 2,10% - seu pior pregão desde 25 de setembro deste ano, quando caiu 2,28% -, indo para os 56.279 pontos, menor patamar obtido desde 2 de agosto de 2012, quando terminou o dia a 55.520 pontos. Em sua 5ª queda nas últimas seis sessões, o índice intensificou suas perdas nesta véspera de feriado após a abertura das bolsas norte-americanas, às 12h30 (horário de Brasília). O giro financeiro desta quarta na Bovespa foi de R$ 6,161 bilhões.

Nos minutos finais do pregão, o mercado repercutiu a divulgação da ata do Fomc (Federal Open Market Committee), quando foi mencionado pela primeira vez o aumento do programa de compra de ativos dos Estados Unidos no final do ano, época em que será encerrado a Operação Twist. No documento, também foi salientado que a taxa de juro pode ser elevada antes de 2015.

As referências finais seguiram nos Estados Unidos, quando também deu início à primeira conferência de imprensa realizada pelo presidente dos EUA, Barack Obama, depois de reeleito sobre as negociações orçamentais. Na ocasião, Obama reforçou que espera um acordo sobre as taxas e gastos para evitar o abismo fiscal, e a prioridade do país continua a ser a criação de emprego e crescimento econômico. 

Petro, Vale e OGX puxam queda do Ibovespa
A Petrobras (PETR3; PETR4), contribuiu para levar o índice para mais um queda, quando as ações preferenciais recuaram 3,27% aos R$ 19,80 e as ordinárias caíram 3,36% aos R$ 20,40. As ações da estatal foram penalizadas pela possibilidade do País voltar a importar petróleo no ano que vem, disse Filipe Portella, sócio-diretor da Monte Bravo Investimentos. Em matéria publicada pela Veja, o Brasil vai precisar voltar importar a commodity em 2013, dando adeus a autossuficiência celebrada em 2006.

Ainda entre as maiores quedas da bolsa, figuraram a Vale (VALE3; VALE5), que viu seus papéis preferenciais caírem 1,85% para R$ 35,63, enquanto a OGX Petróleo (OGXP3) perdeu 3,77%de valor de mercado, indo para R$ 4,60 por papel. Juntas, essas três empresas representam cerca de 25% da composição do Ibovespa.

Do outro lado, as ações da B2W (BTOW3) dispararam 4,95% aos R$ 10,82 - na ponta positiva do índice. A companhia de varejo online viu um aumento de 18% no prejuízo líquido, para R$ 47,9 milhões, mas o balanço vem demonstrando gradativamente uma melhora, segundo o analista João Pedro Brugger, da Leme Investimentos. Veja mais destaques de ações

As maiores baixas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 FIBR3 FIBRIA ON 19,24 -5,82 +38,72 37,06M
 MRVE3 MRV ON 10,29 -5,51 0,00 45,28M
 VAGR3 V-AGRO ON 0,35 -5,41 +9,38 7,16M
 ELET6 ELETROBRAS PNB 13,11 -5,07 -46,85 36,36M
 SUZB5 SUZANO PAPEL PNA INT 5,58 -4,94 -17,21 34,11M

As maiores altas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 BTOW3 B2W VAREJO ON 10,82 +4,95 +20,22 15,03M
 LIGT3 LIGHT S/A ON 21,40 +4,39 -21,77 9,53M
 BRML3 BR MALLS PAR ON 27,50 +1,33 +52,77 108,88M
 NATU3 NATURA ON 55,62 +1,15 +60,29 114,70M
 SBSP3 SABESP ON 84,50 +1,08 +69,05 168,41M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 VALE5 VALE PNA 35,63 -1,85 533,91M 566,38M 24.057 
 PETR4 PETROBRAS PN 19,80 -3,27 516,70M 457,94M 36.779 
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN 29,93 -1,38 285,45M 247,44M 19.213 
 OGXP3 OGX PETROLEO ON 4,60 -3,77 213,79M 206,08M 19.003 
 VALE3 VALE ON 36,59 -1,80 168,48M 177,84M 8.896 
 SBSP3 SABESP ON 84,50 +1,08 168,41M 33,21M 6.636 
 BBDC4 BRADESCO PN EJ 32,40 -0,80 155,15M 157,57M 13.019 
 ITSA4 ITAUSA PN 8,94 -1,87 126,92M 116,18M 18.131 
 BBAS3 BRASIL ON 21,16 -0,14 122,45M 125,57M 14.845 
 NATU3 NATURA ON 55,62 +1,15 114,70M 51,75M 5.893 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

Agenda econômica
Nesse pregão, o mercado ainda repercutiu as vendas no varejo dos EUA em outubro, que caíram 0,3% ante setembro - a primeira retração em quatro meses -, para valor sazonalmente ajustado de US$ 411,59 bilhões. Pela mediana das provisões compiladas pela Bloomberg, o indicador apresentaria queda de 0,2% no período por conta da tempestade Sandy.

Na zona do euro, a produção industrial registrou a maior queda em quase quatro anos. O indicador recuou 2,5% em setembro ante agosto.

Cenário nacional
No Brasil, a temporada de balanços continua dominando o noticiário, com números de Cemig (CMIG4), PDG (PDGR3), Bradespar (BRAP4), Lupatech (LUPA3) e Eletrobras (ELET3, ELET6), que serão divulgados após o pregão. Entre a noite anterior e a manhã desta quarta, mais de 20 resultados trimestrais foram apresentados.

Do lado econômico, o IGP-10 (Índice Geral de Preços-10) caiu 0,28% em novembro, após alta de 0,42% em outubro, informou a FGV (Fundação Getulio Vargas).

Principais bolsas
O mercado norte-americano fechou no negativo nesta sessão. O índice Nasdaq Composite, que concentra as ações de tecnologia norte-americanas, fechou em queda de 1,29% e atingiu 2.846 pontos. No mesmo sentido, o índice S&P 500 fechou em baixa de 1,39% a 1.355 pontos, enquanto o índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, fechou em queda de 1,45% aos 12.570 pontos.

Na Europa, o índice FTSE 100 da bolsa de Londres registrou em queda de 1,11% e atingiu 5.722 pontos; no mesmo sentido, o índice CAC 40 da bolsa de Paris desvalorizou-se 0,89% chegando a 3.400 pontos, enquanto o DAX 30, da bolsa de Frankfurt, fechou com perdas de 0,94% a 7.101 pontos.

Dólar
O dólar comercial fechou em queda de 0,15% terminando a R$ 2,066 na venda.

Renda Fixa
As taxas dos principais contratos de juros futuros fecharam em alta pela quinta sessão seguida. O contrato de juros de maior liquidez nesta quarta-feira, com vencimento em janeiro de 2014 registrou alta, com taxa de 7,40%.

No mercado de títulos da dívida externa, o título brasileiro mais líquido, o Global 40, fechou com baixa de 0,18%, a 127,18% do valor de face. Já o indicador de risco-País fechou em alta de 2,56%, aos 163 pontos ante 159 pontos do fechamento anterior, com alta de quatro pontos-base.

Agenda da próxima sessão
Com o mercado doméstico fechado por conta do feriado do Dia da Proclamação da República, a agenda de indicadores da próxima quinta-feira é voltada para os Estados Unidos, quando estão programados para ser divulgados os dados da produção industrial e utilização da capacidade instalada referente ao mês de outubro.

 

Contato