Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa vira para o campo negativo, apesar da alta das ações da Vale

Índice chega a cair 0,6% após abrir em alta de 0,64%; ações da Vale sobem cerca de 1,5%, enquanto MMX avança 5,5%

Bovespa - mesa - corretores - mercado financeiro
(Divulgação/BM&FBovespa)

SÃO PAULO - O começo de dia positivo para o mercado brasileiro não durou muito. Após chegar a subir 0,64% nos minutos iniciais do pregão, o Ibovespa cedeu ao pessimismo com a economia global e passou a operar em queda, seguindo a tendência das principais bolsas internacionais. Por volta das 11h (horário de Brasília) desta terça-feira (9), o prinicipal ínidice de ações da BM&FBovespa recuava 0,57%, aos 58.978 pontos, desempenho amenizado pela valorização das ações da Vale (VALE3, VALE5)

Os sinais de preocupação vieram na noite anterior com o FMI (Fundo Monetário Internacional), que cortou a projeção de crescimento global. Agora, a expectativa do órgão internacional é que a economia mundial avance 3,3%, contra a projeção de julho em 3,5%. Além disso, o número corre um elevado risco de ser revisado novamente, enquanto o órgão alerta para a situação fiscal nos EUA e na Europa, onde a Espanha não deverá alcançar as metas de déficit fiscal neste e no próximo ano. Para o Brasil, o avanço do PIB passou de 2,5% para 1,5%, praticamente em linha com o último Relatório Focus.

Mineradoras amenizam perdas do Ibovespa
Contrariando o desempenho negativo do mercado, as ações do setor de mineração registram alta nesta terça, embaladas pelo rali nos preços do minério de ferro no mercado chinês. A Vale - que possui a maior participação na composição do Ibovespa - vê suas ações ordinárias subirem 1,70% no mesmo horário, enquanto as preferenciais avançam 1,56%, expandindo a valorização já vista na véspera. Já a MMX Mineração (MMXM3), do megaempresário Eike Batista, ganha 4,12% de valor de mercado nesta manhã.

Ainda na ponta positiva, estão as ações da Dasa (DASA3), que sobem 3,71%, estendendo os ganhos relatados na sessão anterior, por conta da venda da Amil (AMIL3) para a UnitedHealth Group - vale mencionar que o presidente e a vice-presidente da companhia vendida respondem possuem mais de 20% do capital da Dasa.

Europa e China
Enquanto isso, a crise continua. A chanceler alemã Angela Merkel está em Atenas, na Grécia, em encontro com o primeiro-ministro grego Antonis Samaras, cujo governo tem encontrado dificuldade em chegar a um acordo sobre os cortes de gastos. A líder alemã enfrenta hostis protestos na capital grega.

Já o presidente do BCE (Banco Central Europeu), Mario Draghi, falou ao parlamento europeu que os governos não podem esperar que a autoridade monetária lide com a crise por si só. Pelo lado fiscal, ele defendeu as medidas de austeridade, já que considera serem a única saída possível, apesar do impacto negativo na economia que isso causa no curto prazo.

Para o restante do dia, os ministros de Finanças da União Europeia se reúnem em Luxemburgo e devem continuar as discussões sobre a crise, especialmente em questões relativas a Espanha e Grécia.

Por sua vez, o banco central chinês voltou ao mercado e injetou 265 bilhões de yuans em empréstimos de curto prazo, ou cerca de US$ 42,1 bilhões. Essa é a segunda maior injeção de liquidez já feita pela instituição nesse tipo de linha de crédito.

Início da temporada de resultados nos EUA
Com uma agenda de indicadores leve nos EUA, o foco dos investidores se volta para o início da temporada de resultados do terceiro trimestre por lá, que é marcada pela divulgação dos números da Alcoa.

A empresa divulgará seus números após o fechamento do pregão e a expectativa, segundo compilação feita pelo portal norte-americano Briefing.com, é que ela mostre um lucro de apenas US$ 0,01 por ação, contra os US$ 0,15 no mesmo período de 2011.

 

Contato