Em mercados / acoes-e-indices

Com praticamente todas as ações em alta, Ibovespa dispara

Índice acompanha cenário internacional, onde as bolsas da Espanha e da Itália sobem mais de 6%, mas analista alerta para exagero

projeção_perspectiva_ações

SÃO PAULO - Impulsionadas por dados muito melhores que o esperado nos EUA e um movimento de recuperação sobre o pregão de quinta-feira (2), essa sexta-feira é de fortíssimos ganhos para as bolsas ao redor do mundo.

O Ibovespa avança 3,13%, aos 57.256 pontos, conforme cotação das 12h50 (horário de Brasília), o que leva o índice a um ganho semanal de 1,1%.

Mas chama atenção mesmo o movimento nos mercados europeus. Por lá, os índices FTSE MIB e Ibex 35, de Milão e Madri, respectivamente, disparam 6,11% e 6,00%. Nos EUA o dia também é de valorização: alta de 2,00% para o S&P 500, de 1,83% para o Dow Jones e de 2,12% para o Nasdaq.

Forte alta pode ser um exagero
Segundo Alan Oliveira, analista da Futura Investimentos, esse movimento reflete a criação de vagas de trabalho acima do esperado nos EUA em julho: 165 mil, contra expectativa de 100 mil. Ainda por lá também foi revelado que a atividade do setor de serviços expandiu um pouco mais do que era projetado. O ISM Services passou de 52,1 para 52,6. Mas o analista alerta par um certo exagero do mercado. "Não há notícias para ter uma impulsão desse modo."

Além do mais, ainda pode haver uma avaliação sobre as falas de Mario Draghi, presidente do BCE (Banco Central Europeu), o qual não anunciou nenhuma nova medida de estímulo na véspera, mas deixou em aberto a possibilidade de um programa de compra de títulos públicos. "O mercado está muito baseado em perspectivas", diz Oliveira.

Espanha adota um tom mais suave
No cenário europeu, o primeiro-ministro espanhol Mariano Rajoy deixou no ar a possibilidade da ajuda dos fundos de resgate. Em coletiva à imprensa internacional, o político não respondeu se pedirá apoio do EFSF (Fundo Europeu de Estabilização Financeira), já que prefere esperar por mais informações sobre os planos da autoridade monetária. "Então, dependendo das circunstâncias, nós faremos uma decisão ou outra", disse.

Em resposta, o rendimento dos títulos públicos de longo prazo do país mostra queda de 4,4% no mercado secundário, novamente para abaixo da marca de 7%, aos 6,84%. 

Altas e baixas
No momento, há apenas uma ação em queda no principal índice da bolsa brasileira: a Light (LIGT3). Na outra ponta, as imobiliárias - que costumam responder de modo mais abrupto às variações do índice, tanto para baixo quanto para cima - lideram o dia com fortíssimos ganhos, destacando-se os papéis da Gafisa (GFSA3), em valorização de 9,8%.

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 GFSA3 GAFISA ON 2,78 +9,88 -32,52 26,43M
 BISA3 BROOKFIELD ON 3,38 +8,33 -29,08 8,51M
 BRKM5 BRASKEM PNA 13,65 +7,73 +11,39 15,03M
 RSID3 ROSSI RESID ON 5,32 +7,47 -30,95 17,01M
 USIM5 USIMINAS PNA 7,76 +7,18 -23,06 47,75M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 LIGT3 LIGHT S/A ON 24,95 -1,42 -10,09 12,90M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

 

Contato