Ações de Adidas e Puma caem após a Nike anunciar cortes de até US$ 2 bilhões com demissões e mudanças de produtos

A gigante de artigos esportivos pretende demitir funcionários e simplificar linhas de tênis após vendas mais fracas

Bloomberg

Publicidade

(Bloomberg) – As ações das maiores marcas globais de artigos esportivos despencaram depois que a Nike Inc. anunciou que cortaria empregos em resposta às vendas mais fracas. A Nike afirmou pretende cortar custos em até US$ 2 bilhões, demitindo funcionários e simplificando a linha de produtos devido a uma perspectiva de vendas mais fraca.

As ações caíram 11% no aftermarket (negociações após o fechamento da bolsa) de quinta-feira em Nova York, após um ganho de 4,7% no acumulado do ano. No pregão em Frankfurt na manhã de sexta-feira, a Adidas AG caiu 6,5%, com a Puma SE caindo 4,9%, à medida que os investidores temiam uma desaceleração semelhante nas vendas das rivais europeias da empresa americana.

O diretor financeiro da Nike, Matt Friend, disse em uma teleconferência da empresa que a nova perspectiva reflete um ambiente desafiador, “especialmente na Grande China e na região EMEA”, referindo-se à Europa, Oriente Médio e África. Ele acrescentou que há “indicações de um comportamento do consumidor mais cauteloso ao redor do mundo”.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A gigante americana de artigos esportivos prevê um aumento de cerca de 1% na receita do ano inteiro, após quedas no trimestre atual e um aumento modesto no próximo. “Adotamos uma abordagem mais prudente para o planejamento do restante do ano”, disse o CEO John Donahoe no evento, acrescentando que a Nike está observando níveis mais baixos de crescimento no comércio eletrônico.

Em seu comunicado, a Nike disse esperar despesas de reestruturação de US$ 400 milhões a US$ 450 milhões no trimestre atual, “principalmente relacionadas a custos de rescisão de funcionários”. Friend disse que a empresa está buscando eliminar camadas de gerenciamento.

A receita no trimestre foi de US$ 13,4 bilhões, aproximadamente em linha com a estimativa média dos analistas compilada pela Bloomberg. As vendas na importante região da Grande China ficaram abaixo do esperado, enquanto o lucro por ação superou a estimativa de Wall Street.

Continua depois da publicidade

O desempenho regional contrasta ligeiramente com o de rivais da Nike. Em outubro, a Puma citou uma forte demanda na Europa e uma recuperação na China, que compensou um desempenho mais fraco nos Estados Unidos no terceiro trimestre. Em novembro, a Adidas mencionou desafios contínuos nos EUA, incluindo altos níveis de estoque, embora esteja se beneficiando das vendas de mercadorias remanescentes de sua parceria com o rapper Ye.

A Nike busca economizar simplificando suas linhas de produtos, ao mesmo tempo em que aumenta a automação e impulsiona a tecnologia. “Sabemos que em um ambiente como este, quando o consumidor está sob pressão e a atividade promocional está maior, são a novidade e a inovação que fazem o consumidor agir”, disse Friend.

As preocupações dos investidores sobre a China são um foco importante para a empresa de artigos esportivos diante dos temores de uma redução nos gastos do consumidor no país. Até recentemente, durante a teleconferência após o último relatório trimestral, no final de setembro, Donahoe afirmou que a Nike tinha “grande confiança no futuro e no consumidor chinês em nosso segmento”. Os resultados mais recentes podem aumentar as dúvidas sobre uma recuperação.

Donahoe reiterou a confiança da Nike na China, que tem visto um consumo mais lento em meio a crescente preocupação com as perspectivas econômicas do país.

“A decisão da Nike de cortar até US$ 2 bilhões em custos nos próximos três anos pode trazer mais eficiência e margens mais altas, mas pode pesar nos resultados de curto prazo. A redução de 14% no estoque pode continuar a ajudar a margem bruta, mas a receita pode permanecer em fluxo em meio a uma economia incerta”, diz Poonam Goyal, analista sênior de consumo da Bloomberg Intelligence.

“Nós nos sentimos muito bem em relação à nossa posição na China e à nossa capacidade de competir, e isso não mudou desde 90 dias atrás”, afirmou.

Em uma área importante, a Nike relatou uma melhoria: a margem bruta no trimestre foi de 44,6%, superior às estimativas dos analistas.

A administração passou grande parte do ano ajustando o estoque após um excesso de mercadorias impedir que novos produtos chegassem às prateleiras das lojas. Os estoques caíram 14%.

© 2023 Bloomberg L.P.