Destaque de queda

Ações das empresas “X” caem após Eike e BNDESPar negarem rumores

Injeção de capital seria fundamental para andamento dos projetos do grupo EBX, diz analista; Em outubro, Eike afirmou que até final do ano entrariam US$ 2 bi no caixa do seu conglomerado

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após chegarem às maiores altas da bolsa na véspera, as ações do grupo EBX, do empresário Eike Batista – que retomou o posto de homem mais rico do Brasil -, perdem força nesta sessão e passam para o campo negativo após a negativa de que as empresas estariam negociando uma capitalização junto ao braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BRADESPar).  

A última edição da revista Veja informou que o BNDESPar está negociando com o Eike para compra de fatia em suas empresas de capital aberto, mas tanto o BNDESPar quanto o grupo EBX negaram as informações na noite de segunda-feira (10). 

Em reflexo, as ações da LLX (LLXL3) e OGX (OGXP3) caíam 2,99% e 3,10% às 12h04 (horário de Brasília), sendo cotadas a R$ 2,27 e R$ 4,69, respectivamente – entre as maiores quedas do Ibovespa. Na véspera, as ações dessas duas empresas encerraram o pregão em forte alta de 7,34% e de 8,74%.

No mesmo horário, os papéis da MMX (MMXM3) e MPX (MPXE3) registravam perdas de 0,25% e 1,77%, aos R$ 3,97 e R$ 11,64, enquanto CCX (CCXC3) opera estável e OSX (OSXB3) apresentava movimento contrário e subia 1,34%, aos R$ 9,06. 

A negação da notícia é um gatilho para o investidor que já vem mostrando pouco confiança em relação ao grupo EBX, principalmente por conta de alterações de plano de exploração, no caso da OGX, mas que acabou afetando as diversas empresas de Eike, disse o analista Eduardo Machado, da Amaril Franklin. 

“Os setores de atuação dessas empresas demandam investimentos altíssimos, e com bastante risco, e seria fundamental essa injeção de capital para dar andamento nos projetos da empresa”, argumento. 

No início de outubro, Eike afirmou que até o final do ano entrariam US$ 2 bilhões no caixa do seu conglomerado de empresas. Em apresentação a executivos, ele afirmou que o caixa da EBX, de cerca de US$ 9 bilhões, poderia receber uma injeção adicional de capital, mas não revelou de onde viria o dinheiro. 

Segundo Machado, o empresário ainda pode buscar aporte através de investimento privado, como já ocorreu em outras oportunidades. Por isso, essa negativa sobre a capitalização do BNDESPar traz um impacto negativo imediado, mas só a notícia em si não é base para sustentar uma tendência de queda.