Ações da Petrobras (PETR4) caem seguindo petróleo após cortes de preços pela Arábia Saudita

Arábia Saudita reduziu os preços de venda oficiais para todas as regiões, enfatizando uma perspectiva cada vez pior e superando a preocupação com as tensões no Mar Vermelho e as interrupções no fornecimento na Líbia

Equipe InfoMoney

(Getty Images)

Publicidade

As ações da Petrobras (PETR3;PETR4) tiveram uma sessão de queda nesta segunda-feira (8), com baixa de 2,10% para os ativos ON e de 1,65% para os PETR4 às 10h55 (horário de Brasília). Os ativos encerram o dia liderando as perdas do Ibovespa, com baixa de 1,83%, a R$ 39,64, para PETR3 e queda de 0,75% para os papéis preferenciais, cotados a R$ 38,43.

O movimento segue o petróleo, que caiu depois que a Arábia Saudita reduziu os preços de venda oficiais para todas as regiões, enfatizando uma perspectiva cada vez pior e superando a preocupação com as tensões no Mar Vermelho e as interrupções no fornecimento na Líbia. O petróleo tipo Brent, que serve de referência para petroleiras globais, como a Petrobras, caiu em direção a US$ 78 o barril e encerrou o dia com desvalorização de mais de 4%, depois de ter subido 2,2% na semana passada, com o West Texas Intermediate (WTI) se aproximando de US$ 73.

A petroleira estatal Saudi Aramco cortou o preço do seu óleo Arab Light para a Ásia em mais de US$ 2 por barril, em meio à fraqueza persistente do mercado mundial da commodity.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O petróleo está enfrentando a primeira queda anual desde 2020, com as perdas impulsionadas pelo aumento do fornecimento fora do cartel da Opep+ e pelas preocupações de que o crescimento da demanda diminua este ano, incluindo no principal importador, a China.

Com 2024 apenas no começo, Wall Street espera mais desafios à frente para o petróleo, com os principais bancos já reduzindo suas perspectivas para este ano. “As interrupções no fornecimento e as tensões no Oriente Médio continuam a fornecer algum suporte”, disse Warren Patterson, chefe de estratégia de commodities da ING Groep NV.

“No entanto, na ausência de escalada no Oriente Médio, suspeitamos que o lado positivo seja limitado, dada a disponibilidade relativamente confortável durante a primeira metade de 2024.”

Continua depois da publicidade

No Oriente Médio, a gigante do transporte de contêineres Maersk continuará desviando navios do Mar Vermelho após uma sequência de ataques a embarcações pelos rebeldes houthis.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, por sua vez, alertou que a guerra entre Israel e o Hamas poderia se transformar em um conflito regional em grande escala. Além disso, a National Oil Corporation (NOC) da Líbia declarou estado de força maior no campo petrolífero de Sharara após seu fechamento por manifestantes. O fechamento do maior campo petrolífero do país interrompeu o fornecimento ao terminal de Zawiya, disse a NOC.

As tensões no Oriente Médio provocaram uma mudança na diferença entre os dois contratos mais próximos do Brent, um parâmetro amplamente observado das condições a curto prazo, nos últimos dias. A diferença era de 24 centavos de dólares por barril em backwardation, um padrão otimista, em comparação com 16 centavos em contango, a estrutura oposta, há um mês.

(com Bloomberg)