Ações da Boa Safra (SOJA3) fecham em alta de mais de 8% após resultado mostrar recuperação e superar projeções

De acordo com a empresa, o resultado foi devido ao aumento de volume e do preço médio de venda da semente e dos grãos no período.

Lara Rizério

Boa Safra SOJA3 Divulgação

Publicidade

A Boa Safra (SOJA3) registra alta expressiva das suas ações após o resultado do quarto trimestre de 2022 (4T22), quando a companhia agrícola reportou lucro líquido de R$ 105,2 milhões no quarto trimestre de 2022 (4T22), montante 241% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2021. Os ativos SOJA3 fecharam em forte alta de 8,59%, a R$ 12,52.

De acordo com a empresa, o resultado foi devido ao aumento de volume e do preço médio de venda da semente e dos grãos no período.

Conforme destaca a XP, a mudança do cronograma de plantio para o 4T, a Boa Safra registrou uma forte recuperação no 4T22, levando os resultados a superarem nossas estimativas. No 4T22, o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda) ajustado foi de R$ 119 milhões (+25% versus a expectativa da XP ), enquanto em 2022 foi de R$ 202 milhões (+33% ano e +7% a projeção da XP), levando a uma margem de 11,4%.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O aumento da participação dos grãos na receita e margem abaixo da referência de cerca de 15% apresentam uma visão desconfortável à primeira vista.

“No entanto, a tese de Boa Safra continua a ser diferenciada, em nossa visão, dada a combinação de forte crescimento projetado (impulsionado pelo aumento da capacidade para 200 mil big bags e no passo de adoção de tecnologia) com a manutenção de um balanço sólido”, afirmam os analistas, reiterando recomendação de compra em SOJA3.

Segundo os analistas, a combinação de crescimento e balanço sólido é atrativa no ambiente atual. Em um mundo de baixo – ou nenhum – crescimento e alta alavancagem, a XP segue vendo a tese da Boa Safra como diferenciada, pois entrega a combinação de forte crescimento projetado para os próximos anos com um balanço sólido.

Continua depois da publicidade

“Continuamos otimistas com a empresa, pois prevemos que Boa Safra apresentará um crescimento sólido nos próximos anos devido à tendência contínua mencionada de aumento da adoção de tecnologia pelos agricultores, juntamente com o aumento da capacidade para 200 mil big bags em 2023 (com potencial para aumentar ainda mais 20% para 2024), impulsionado pela abertura de 4 novos centros de distribuição”, aponta a XP.

A Eleven aponta manter uma visão positiva para a Boa Safra, que segue como uma das principais beneficiadoras de sementes do país.

A companhia produz sementes de alta qualidade, além do modelo asset-light em que os produtores integrados são donos das terras e responsáveis pela produção das sementes.

Os analistas do banco também destacam que a Boa Safra segue com seu plano de expansão de capacidade de 170 mil big bags ao ano para 200 mil big bags ao ano em 2023. Em relação às perspectivas do setor, enxergam um cenário favorável, com preços dos grãos em patamares historicamente elevados e incentivador para a o plantio. A Eleven tem recomendação de compra para SOJA3, com preço-alvo de R$ 18, ou potencial de valorização de 56% frente o fechamento de sexta.

A Genial ressalta que a empresa continua investindo em biotecnologia e está vendo resultado disso, com a empresa atingindo uma taxa de germinação de 95,0% e uma taxa de vigor médio de 92,0%. Além disso, a empresa continua avançado em market share, chegando em 7,4% (+1,3 ponto percentual ano a ano).

Para os analistas, o resultado foi acima do esperado com forte crescimento tanto de receita como de seu Ebitda. Sendo assim, continuam otimistas com o papel e reiteramos recomendação de compra com preço-alvo de R$ 20,00.

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.