Destaques da bolsa

Ação da Vale e de holding sobem até 4% após dados da China; bancos têm sessão de recuperação

Confira os destaques da B3 na sessão desta sexta-feira (17)

SÃO PAULO – A sessão foi positiva para o Ibovespa, com os investidores repercutindo os dados da China.

O PIB da China cresceu 6,1% em 2019 foi bem recebida, em linha com as projeções, mas o país teve a primeira aceleração dos investimentos desde junho, sugerindo que retomada mais firme pode estar a caminho.

Já a produção industrial e vendas no varejo chinesas cresceram mais que o previsto em dezembro. Além disso, o minério de ferro sobe enquanto investidores pesam expectativa sobre produção da Rio Tinto e dado mostrando que a China produziu quase 1 bilhão de toneladas de aço, batendo recorde em 2019. Com isso, papéis da Vale (VALE3), da holding Bradespar (BRAP4) e de siderúrgicas como CSN (CSNA3), Usiminas (USIM5) e Gerdau (GGBR4) registraram fortes ganhos, subindo até 4%. Bancos como Bradesco (BBDC3;BBDC4) Banco do Brasil (BBAS3), Itaú Unibanco (ITUB4) também tiveram uma sessão de recuperação, mas ainda registram baixa no ano em meio ao temor de maior competição. 

PUBLICIDADE

As prévias operacionais de construtoras também movimentam o mercado. A Helbor (HBOR3), fora do índice, avançou até 4%, mas diminuiu os ganhos. Já a A MRV (MRVE3), que caiu até 3,5%, zerou as perdas com o ânimo do mercado Confira os destaques:

Maiores altas

AtivoVariação %Valor (R$)
BRAP44.299241.97
TOTS33.6230872.36
GOLL43.5207437.93
IRBR33.3732143.21
UGPA33.3438226.27

Maiores baixas

AtivoVariação %Valor (R$)
COGN3-2.9118111.67
HGTX3-1.5479931.8
SUZB3-1.1738143.78
CIEL3-0.95897.23
SBSP3-0.6606160.15

Lojas Renner (LREN3)

O Conselho de Administração da Lojas Renner propôs aumentar o payout (porcentual de pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio) para os acionistas para 50% do resultado do exercício de 2019, versus cerca de 40% nos últimos anos. O assunto será debatido na próxima Assembleia Geral Ordinária (AGO), a ser realizada em 16 de abril de 2020.

Lojas Americanas (LAME4)

A Lojas Americanas comunicou ontem ao mercado que foram subscritas 5,1 milhões de ações ordinárias e 9,9 milhões de preferenciais no seu aumento de capital, totalizando uma soma um pouco superior a R$ 222 milhões. As sobras, ou ações não subscritas, somam ao redor de 430 mil, entre ordinárias e preferenciais, e serão vendidas na B3 a partir de hoje, com prazo até 27 de janeiro.

MRV (MRVE3)

A construtora e incorporadora imobiliária MRV apresentou ontem ao mercado sua prévia do quarto trimestre de 2019. Entre os principais resultados, a MRV afirma que 2019 foi o “melhor ano de lançamentos da companhia em VGV, com crescimento de 7,4% sobre 2018”. A MRV também comunica que 2019 foi o melhor ano em produção, com crescimento de 7,3% sobre 2018.

“Em 2019 também tivemos o menor volume de distratos, com redução de 50,6% em relação a 2018”. A MRV afirma que o número de distratos caiu de 990 em 2018 para 489 em 2019.

Segundo o Credit Suisse, embora a MRV tenha apresentado lançamentos fortes de R$ 2,4 bilhões no trimestre, os dados em conjunto foram considerados fracos. “Os lançamentos não foram suficientes para impulsionar as vendas, que permaneceram estáveis. Houve forte queda no VSO para 12,8%, abaixo da Direcional (14,3%). O nível de estoque está aumentando, o que deve piorar a dinâmica do capital de giro, a não ser que a companhia decida reduzir os lançamentos, o que não parece provável”, comentam os analistas. Segundo eles, outro ponto preocupante é a queda da produção, “base para nossa visão mais cautelosa para o papel e o downgrade de novembro”.

PUBLICIDADE

O banco Credit Suisse manteve hoje a avaliação “underperform” (abaixo da média) para os papéis da construtora e incorporadora.

Helbor (HBOR3)

A construtora e incorporadora imobiliária Helbor divulgou ontem seus resultados prévios do quarto trimestre e do ano de 2019. Segundo a empresa, suas vendas totais cresceram 133% no quarto trimestre, sobre o esmo período de 2018.

A Helbor afirma que o destaque foram as vendas de unidades prontas, que representaram 63% do total vendido no período. A Helbor afirma que vendeu R$ 175 milhões em imóveis comerciais e usará os recursos para amortização de debêntures emitidas em junho do ano passado. Os imóveis que compõem o portfólio da operação são o One Eleven, o CittyOsasco e o Neolink Office. “As vendas totais de 2019 atingiram R$ 1,73 bilhão, crescimento de 40% sobre 2018. Já as vendas da parte Helbor totalizaram R$ 1,24 bilhão, 37% superiores ao mesmo período de 2018”, informou a companhia.

O Bradesco BBI aumentou em 7% o preço-alvo da ação da construtora e incorporadora imobiliária Helbor, que ontem publicou seus resultados preliminares do quarto trimestre de 2019. Segundo o BBI, o preço-alvo da ação passou de R$ 4,66 para R$ 5,00. A análise classificou como “fortes” os resultados preliminares.

“Os lançamentos atingiram R$ 365 milhões no trimestre, alta de 170% sobre o mesmo período do ano passado. As vendas contratadas cresceram 584% sobre o quarto trimestre de 2018, apoiadas principalmente por propriedades comerciais. “Nós esperamos que a Helbor continue a se beneficiar da retomada do mercado”, avaliam.

Burger King (BKBR3)

O Banco Morgan Stanley iniciou a cobertura das ações do Burger King Brasil com uma classificação “underweight”, que é de desempenho abaixo da média. “O Burger King Brasil tem uma história atraente de crescimento, forte execução e o foco na lucratividade. Contudo, esperamos que o papel continue com desempenho abaixo da média em 2020, por causa da crescente competição e custos maiores de produção”, comentam os analistas do banco. O cenário não é de todo ruim, já que projetam expansão de 12% nas vendas no conceito mesmas lojas entre 2019 e 2022.

“O foco na lucratividade e disciplina é refletido no retorno das lojas, que está acima das nossas estimativas para a Alsea. Estimamos que a abertura de novas lojas acrescente US$ 1,6 por ação (9%) a cada ano”, comentam.

CSN (CSNA3)

A CSN foi rebaixada de compra para manutenção pelo HSBC. O preço-alvo é de R$ 16, o que implica em potencial de alta de 8,4% em relação ao último fechamento.

BR Distribuidora (BRDT3)

PUBLICIDADE

A BR Distribuidora assinou com a Bitumina Industries, com sede em Dubai, documento que estabelece exclusividade por 90 dias para negociação para venda de 100% das ações da Stratura Asfaltos, com sede em Paulínia.

Eletrobras (ELET3; ELET6)

A Eletrobras informou ao mercado que sua subsidiária Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) concluiu no dia 15 a energização dos aerogeradores dos complexos eólicos Pindaí I, II e III. Os três complexos eólicos, localizados no interior da Bahia, são compostos por 55 aerogeradores, dos quais 35 estão em operação comercial e 20 em testes. A Eletrobras afirma que quando todos estiverem em operação, irão agrega 110 MW à capacidade instalada da Chesf, o que equivale a uma receita de R$ 70,7 milhões.

Seja sócio das maiores empresas da Bolsa sem pagar corretagem. Abra uma conta na Clear.