AO VIVO Radar InfoMoney: Klabin tem aval para incorporar Sogemar, leilão da Oi e desemprego recorde; assista ao programa desta 6ª

Radar InfoMoney: Klabin tem aval para incorporar Sogemar, leilão da Oi e desemprego recorde; assista ao programa desta 6ª

Destaques da bolsa

Ação da Minerva cai 8% com oferta de ações e Oi tem baixa de 10% após disparada da véspera; Weg sobe mais de 4%

Confira os destaques da B3 na sessão desta sexta-feira (24)

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em uma sessão de queda para o Ibovespa após o índice atingir máxima histórica, ultrapassando os 119.500 pontos na véspera, quem ganhou destaque foi uma ação fora do índice, a Minerva, que viu seus papéis registrarem forte queda de 8,20% após oferta de ações a R$ 13. Nesta semana, a companhia ainda teve a recomendação reduzida pelo Goldman Sachs.

Já a Petrobras e Vale tiveram mais uma sessão de baixa em meio às preocupações com o impacto do coronavírus para a economia da China e, consequentemente, para as commodities. O petróleo WTI teve queda de cerca de 2% fechou a semana com queda intensa; o minério de ferro também registrou baixa semanal. Após um início de sessão em alta, as ações de siderúrgicas também viraram para queda em meio às baixas das commodities, apesar do cenário positivo desenhado para o setor siderúrgica.

A Cia. Hering (HGTX3), por sua vez, viu suas ações subirem em leve recuperação após a forte queda nesta semana com os dados prévios do quarto trimestre de 2019 bastante fracos. Contudo, na semana, os ativos tiveram a maior baixa do índice, com queda de 14,21%.

Aprenda a investir na bolsa

A Ambev (ABEV3) também subiu, com ganhos de 1,82%; hoje, o presidente Jair Bolsonaro rejeitou a proposta de Paulo Guedes, ministro da Economia, de um “imposto do pecado”, que teria como alvos em potencial cigarros, bebidas alcoólicas e produtos com adição de açúcar, o que poderia impactar a Ambev. “Observamos que, historicamente, as empresas de bebidas elevaram os preços para compensar novos impostos, que podem impactar os volumes. Em uma análise de sensibilidade, para cada redução de 5% nos volumes vendidos no Brasil, as estimativas para o Ebitda se reduziram em cerca de 4%”, afirma a equipe de análise do Bradesco BBI.

Já as ações da Weg (WEGE3), que subiram 100,46% em 2019, registraram a maior alta do Ibovespa na sessão ao subir 4,49% e também na semana, ao avançar 12,58%.

Confira os destaques:

Maiores altas

AtivoVariação %Valor (R$)
WEGE34.4892841.43
ABEV31.8230618.99
HGTX31.7910427.28
CMIG41.0471215.44
B3SA30.5954848.99

Maiores baixas

AtivoVariação %Valor (R$)
IGTA3-3.819254.9
CSNA3-3.7443514.91
BRKM5-3.5128237.63
GOLL4-3.1498137.82
VALE3-3.0630653.8

Iguatemi (IGTA3)

Os ativos da Iguatemi tiveram a maior queda do Ibovespa após o Morgan Stanley cortar a recomendação de equal-weight para underweight citando o valuation. O preço-alvo, por sua vez, foi elevado de R$ 45 para R$ 48 devido a menores taxas de juros nos mercados latino-americanos.

O Morgan vê riscos negativos para valuation, “apesar de avaliar o icônico shopping Iguatemi perto de US$ 1 bilhão”. “Os operadoras brasileiros de shopping centers estão tão caros que se tornou difícil justificar”, destaca o analista Nikolaj Lippmann.

Minerva (BEEF3

O frigorífico Minerva confirmou a captação de R$ 1,235 bilhão com a oferta de ações a R$ 13, um desconto de 8,9% frente ao fechamento de R$ 14,27 da véspera. Do total, R$ 1,030 bilhão vai para o caixa da Minerva, com a emissão de 80 milhões de ações. Já a família Vilela de Queiroz, que controla a empresa, vendeu 15 milhões de ações. Com isso, obterá R$ 195 milhões.

PUBLICIDADE

As novas ações serão negociadas na B3 nos dias 27 e 28 deste mês. Segundo o frigorífico de Barretos (SP), a soma levantada com a oferta primária servirá para pagar dívidas e reduzir a alavancagem da Minerva.

Usiminas (USIM5), Gerdau (GGBR4) e CSN (CSNA3)

O banco Morgan Stanley colocou a ação da Usiminas como a sua nova “top pick” para o setor brasileiro de siderurgia, aumentando a recomendação do papel de neutra para acima da média e o preço-alvo da ação de R$ 9,50 para R$ 12,00. Já o papel da Gerdau deixou de ser a “top pick” da carteira de siderurgia e foi rebaixado para neutro.

O Morgan Stanley fez a mudança porque acredita que após o rali no final de 2019, as ações da Gerdau já se valorizaram 64% e chegou a hora de realizar lucros com o papel. “Nós agora vemos um cenário de risco para o papel, com novo preço-alvo de R$ 22,00 (de R$ 14,50), após a ação da Gerdau ter se valorizado 49% acima do Ibovespa desde outubro”, avalia o banco. Já a ação da Usiminas tem terreno para avançar, acredita o Morgan Stanley. “A Usiminas é a siderúrgica brasileira com maior exposição ao mercado interno”, avalia o banco, que prevê um maior crescimento na demanda por aços longos no País, por causa da reativação da construção civil, que da de aços planos, usados na indústria automobilística e de eletrodomésticos. Já o papel da CSN continua com a nota de neutro. “Nosso novo preço-alvo é de R$ 16,5 para a ação da CSN, acima da anterior de R$ 13,8, uma modesta alta de 5%. Contudo, a CSN pode surpreender se o preço do minério de ferro subir no segundo trimestre de 2020”, avalia.

Ainda sobre o setor, o Bradesco BBI informou que, após o Steel Day do banco (com a presença de INDA, CSN, Secovi e Votorantim Cimentos) , os analistas confirmaram a visão de que o sentimento de mercado para preços de aços planos está melhorando – INDA e CSN confirmaram que o aumento de 10% de janeiro já foi totalmente implementado e existem boas chances de novo aumento de 10% em março também.

“Apesar do preço para aços planos ainda não ter reagido, o sentimento do mercado está melhor e a perspectiva para 2020 é positiva. Para aços longos, o aquecimento do setor de construção deve impulsionar crescimento em 2020 e, assim, suportando aumento de preços. Além disso, cimento doméstico também tem se recuperado  suportado pelo canal de varejo. Mantemos nossa visão construtiva no setor, com recomendação outperform para Usiminas e Gerdau e neutro em CSN”, avaliam os analistas.

Já o Credit Suisse reforçou a recomendação outperform para Gerdau, que segue como top pick, seguida por Usiminas (também outperform) e CSN (que possui recomendação neutra).

Oi (OIBR3;OIBR4)

As ações da Oi caíram 10% após uma alta de 9,18% no dia anterior. A companhia confirmou a venda da fatia de 25% que possuía na angolana Unitel. A operação será fechada por US$ 1 bilhão. A queda de hoje pode ser associada ao famoso fenômeno do “sobe no boato, cai no fato”, pois os papéis da operadora de telefonia brasileira experimentaram um rali recentemente com a expectativa de que a Unitel fosse vendida.

CSN 

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) precificou e começará a venda de US$ 1 bilhão (R$ 4,16 bilhões) em notes nos Estados Unidos, através da sua subsidiária CSN Islands XI Corp. Segundo a empresa, as notes terão vencimento em 2028 e pagarão juros de 6,75% ao ano. “A liquidação das notes está prevista para o dia 28 de janeiro”, informou. Com o dinheiro arrecadado com a venda, a siderúrgica de Volta Redonda (RJ) pretende recomprar a totalidade de outras notes, emitidas pela CSN Resources S.A., e que estão em circulação no mercado internacional. Segundo a empresa, essas notes que serão recompradas vencem em 2020.

Petrobras (PETR3;PETR4)

PUBLICIDADE

A Petrobras comunicou ao mercado que sua subsidiária Petrobras Biocombustíveis iniciou a fase não vinculante para a venda da sua participação de 50% na BSBios – Indústria e Comércio de Biodiesel Sul Brasil. A BSBios possui duas fábricas de biodiesel, uma em Passo Fundo (RS) e outra em Marialva (PR). A Petrobras Biocombustíveis possui 50% da empresa e os outros 50% são da sua sócia RP Biocombustíveis S.A. Segundo a petrolífera, tudo será vendido junto e faz parte dos planos de desinvestimento da estatal. A usina em Passo Fundo possui a capacidade de produzir 288 mil metros cúbicos de biodiesel por ano, enquanto a de Marialva tem a capacidade maior, de 411 mil metros cúbicos do combustível. Ambas as fábricas possuem espaços para armazenagem dos grãos.

Eneva (ENEV3)

A Eneva Energia obteve um financiamento de R$ 1 bilhão do Banco da Amazônia S.A. (BASA) para a sua subsidiária Azulão Geração de Energia. Segundo a Eneva, a Azulão usará o dinheiro para a construção, operação e manutenção do projeto Azulão-Jaguatirica, que inclui a usina termelétrica Jaguatirica II e a infraestrutura e produção de gás natural no Campo de Azulão, na Bacia do Amazonas. O financiamento vencerá em 196 meses.

Triunfo (TPIS3)

A Triunfo Participações informou na noite de ontem que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu as multas aplicadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) contra a sua subsidiária, a Aeroportos Brasil Viracopos. O Aeroporto de Viracopos (SP), controlado pela Triunfo e um sócio, está em recuperação judicial.

Braskem (BRKM5)

A petroquímica Braskem informou que fechará sua unidade industrial de cloro-soda em Camaçari (BA) porque a fábrica chegou ao fim da vida útil. Segundo a Braskem, a unidade funciona desde 1979 e tem a capacidade de produção anual de 79 mil toneladas de soda cáustica e 64 mil toneladas de cloro. A petroquímica informou que o fechamento acontecerá em abril deste ano por motivos de segurança. Segundo a empresa, todas as suas outras unidades em Camaçari continuarão a operar normalmente.

 

Seja sócio das maiores empresas da Bolsa sem pagar corretagem. Abra uma conta na Clear.