Ação da CBA (CBAV3) fecha em queda de 9,7% após Bradesco BBI cortar recomendação para venda por ambiente desafiador

Dinâmica do mercado de alumínio continua desanimadora, segundo o BBI, com suave recuperação da demanda global até agora

Equipe InfoMoney

Publicidade

As ações da CBA (CBAV3), ou Companhia Brasileira de Alumínio, desabaram nesta sexta-feira (14), após o Bradesco BBI cortar a recomendação para as ações da companhia. Os ativos CBAV3 caíram 9,71%, a R$ 4,65.

A recomendação foi cortada de neutra para underperform (desempenho abaixo da média do mercado, equivalente à venda), com o preço-alvo sendo cortado de R$ 6 para 2023 para R$ 4,50 ao fim de 2024, um valor 13% abaixo do fechamento da véspera.

Segundo os analistas que assinam o relatório, o ambiente está mais desafiador em relação às suas expectativas iniciais.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A dinâmica dos lucros da empresa está ainda mais fraca do que o previsto, avaliam, projetando um Ebitda, ou lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações, de R$ 23 milhões no 2T23, contra R$ 641 milhões no 2T22.

Já a dinâmica do mercado de alumínio continua desanimadora, segundo o BBI, com suave recuperação da demanda global até agora, além da produção chinesa aumentando na margem à medida que cresce a capacidade existente, além de nova.

Os analistas veem espaço para revisões nas projeções de lucro relevantes para baixo no mercado à frente as suas estimativas para Ebitda em 2023 e 2024, de R$ 160 milhões e R$ 980 milhões,respectivamente 75 e 24% abaixo do consenso.

Continua depois da publicidade

“Além disso, CBAV3 é negociada a 6,6 vezes o múltiplo EV/Ebitda [valor da firma sobre Ebitda] para 2024, bem acima dos pares globais em 4,9 vezes. Também esperamos que a CBA registre uma queima de caixa de R$ 900 milhões em 2023 e de R$ 600 milhões em 2024”, concluem.