3R Petroleum (RRRP3): após disparar 11%, ação fecha em alta de 3,8% após petroleira conseguir licença do Ibama no Polo Potiguar

Essa era a última condição precedente para a compra do ativo junto à Petrobras

Equipe InfoMoney

Divulgação 3R Petroleum

Publicidade

As ações da petrolífera 3R Petroleum (RRRP3) tiveram uma forte movimentação na sessão desta sexta-feira (19), após a companhia receber a licença operacional do Ibama referente a campos do Polo Potiguar, o que era a última condição precedente para a compra do ativo junto à Petrobras (PETR4), conforme informou a empresa.

As licenças foram para os campos de Ubarana, Ubarana Oeste e Cioba, disse a 3R em fato relevante.

A diretoria da Petrobras aprovou no início de 2022 a venda de 22 concessões de um grupo de ativos na Bacia Potiguar para a 3R Petroleum por US$ 1,38 bilhão.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Com isso, a ação da companhia chegou a subir até 11,39%, a R$ 35,50, no início da tarde. Contudo, posteriormente, os papéis amenizaram os ganhos e fecharam em alta de 3,80%, a R$ 33,08.

O Morgan Stanley aponta que, com o entendimento de que todas as condições precedentes estabelecidas no contrato de compra e venda do Polo Potiguar foram cumpridas pela 3R e pela Petrobras, as empresas passam a ter até 20 dias para estabelecer o efetivo fechamento financeiro, concluindo assim efetivamente a operação e culminando com a transferência oficial das operações para a 3R.

“Acreditamos que a empresa tentará agilizar esse processo, de forma a igualar a data de fechamento com o processo de aumento de capital atualmente em andamento, previsto para ser concluído nos primeiros dias de junho”, apontam os analistas.

Continua depois da publicidade

O Morgan reiterou recomendação overweight (exposição acima da média do mercado, equivalente à compra) para as ações da 3R.

Os analistas do banco destacam que as ações estão sob pressão recentemente, acompanhando os desafios operacionais em Macau, as recentes mudanças de gestão, as incertezas até então sobre o fechamento da operação em Potiguar e o anúncio inesperado de aumento de capital.

“Ainda assim, vemos bastante potencial de valorização, inclusive em cenários de estresse muito negativo, o que nos faz manter nossa recomendação de overweight. Fundamentalmente, estamos muito otimistas com a tese de recuperação de campos de petróleo e gás maduros onshore e offshore ‘negligenciados’, que, se entregues conforme o planejado, podem fornecer suporte de longo prazo para a ação”, afirmam os analistas.

O Goldman Sachs também destacou que o negócio avançou ainda mais em direção a um possível fechamento nas próximas semanas, conforme indicado pela administração em comentários recentes. “Acreditamos que este anúncio deverá ser bem recebido pelo mercado, pois acreditamos que afasta, pelo menos parcialmente, a incerteza em torno dos processos de desinvestimento da Petrobras nos últimos meses”, avalia o banco.

Também no noticiário da petroleira, o conselho de administração da empresa aprovou a quinta emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, com garantia adicional real, em série única e distribuição pública, no valor de R$ 3,5 bilhões da 3R Potiguar.

Do total, R$ 2 bilhões serão no regime de garantia firme de colocação e R$ 1 bilhão no regime de melhores esforços de colocação.

Serão emitidas 35 milhões de debêntures e o vencimento é de até cinco anos.

A remuneração dos títulos seguirá juros prefixados que variam de 9,49% a 10,16% ao ano dependendo da data de integralização.

Os recursos captados serão destinados para fins gerais corporativos da companhia.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)