Ano de queda

2013 no vermelho: mais de 200 ações caminham para encerrar o ano em queda

Disputam as piores posições da bolsa os papéis da OSX e OGX, que caem mais de 90% até agora; Kroton e Kepler Weber estão entre as grandes altas do ano

Painel de vendas de ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO – A economia não deu condições para um ano positivo no mercado acionário brasileiro. Depois de um 2012 de alta singela (+7,40%), o Ibovespa caminha para terminar 2013 no negativo. Até o fechamento do pregão da última quarta-feira (19), o índice acumulava perdas de 15,29%, a 51.633 pontos – deixando-o abaixo do patamar atingido em 2007, quando fechou em 63.886 pontos.

Em meio a esse cenário adverso, o InfoMoney fez um levantamento de quantas ações da bolsa podem seguir o mesmo caminho do principal índice de ações da Bovespa e terminar o ano pior do que começaram. A pesquisa mostra que, até o momento, 214 listadas na bolsa brasileira apresentam desempenho negativo no ano. Dentro do Ibovespa, 47 das 72 ações operam em queda no ano, sendo que 8 delas acumulam perdas superiores a 40%.

Clique aqui para acompanhar outras matérias do Especial InfoMoney Retrospectiva 2013/Perspectivas 2014

PUBLICIDADE

As piores e melhores da bolsa
Disputam as piores posições da bolsa as ações da OGX Petróleo (OGXP3) e OSX Brasil (OSXB3), que caem 95,66% e 95,59% neste ano, respectivamente, sendo cotadas a R$ 0,19 e R$ 0,47. Extremamente endividadas, as duas companhias, do empresário Eike Batista, passam por processo de recuperação judicial. Na sequência, aparecem os papéis da Celpa (CELP3), JB Duarte (JBDU4) e MMX Mineração (MMXM3), que registram desvalorizações de 88,44%, 87,0% e 84,27%, nesta ordem, a R$ 1,04, R$ 0,26 e R$ 0,70.

Por outro lado, as ações da GPC (GPCP3), Kepler Weber (KEPL3) e Lix da Cunha (LIXC4) figuram nas melhores posições da bolsa, com valorizações de 237,5%, 221,2% e 194,44%, respectivamente, a R$ 0,54, R$ 37,80 e R$ 2,65. Ainda este mês, o GPC (Grupo Peixoto de Castro), holding que atua nos segmentos químico e petroquímico, e que encerrou 2012 com endividamento bancário líquido de R$ 248 milhões, informou que seu plano de recuperação judicial foi aprovado.

Já a Kepler Weber, que passou por uma crise anos atrás, fez uma série de mudanças e conseguiu reverter esse cenário, passando a acompanhar o bom momento do agronegócio brasileiro e deixando os investidores mais confortáveis para investir na empresa, disseram analistas em entrevista recente ao InfoMoney. No caso da Lix da Cunha, um processo de reestruturação também está em jogo. A empresa luta agora para receber um crédito bilionário com o governo, enquanto passa por mudanças na composição de sua diretoria. 

Entre as 10 maiores altas da bolsa, a única ação que faz parte do Ibovespa é a Kroton (KROT3), que registra ganhos de 63,33% no ano, a R$ 37,53. A empresa anunciou em abril fusão com a Anhanguera (AEDU3, +23,96%, R$ 14,28), numa operação que criou a maior empresa do mundo do setor de educação. Apesar da forte valorização do setor em 2012 e 2013, analistas não deixam dúvidas de que mais um ano promete para educação, que vem sendo fortemente impulsionada pelo ensino à distância. No início de dezembro, Will Landers, gestor da BlackRock – uma das maiores do mundo em ativos sob gestão -, disse que aposta em mais altas do papel em 2014, que aparece como sua terceira maior exposição no Brasil. 

Confira a lista das maiores altas e baixas da bolsa em 2013:

Maiores altasMaiores quedas
EmpresaTickerDesempenho em 2013EmpresaTickerDesempenho em 2013
GPCGPCP3+231,25%OSXOSXB3-95,59%
Kepler WeberKEPL3+221,37%OGXOGXP3-95,43%
Lix da CunhaLIXC4+185,56%CelpaCELP3-88,44%
CaciqueCIQU4+154,42%JB DuarteJBDU4-87,00%
ExcelsiorBAUH4+129,89%MMXMMXM3-84,27%
Celulose IraniRANI3+99,28%HRTHRTP3-80,13%
WetzelMWET4+92,55%MangelsMGEL4-78,95%
HérculesHETA4+82,35%EnevaENEV3-76,23%
Kroton*KROT3+65,25%BrookfieldBISA3-68,71%
DohlerDOHL4+63,33%RJCPRJCP3-66,67%
*Kroton é a única da lista das maiores altas e baixas de 2013 que está no Ibovespa