Em magazineluiza

EXCLUSIVO: orientadora de acionistas endossa apoio a Magazine Luiza na venda da Netshoes

Minoritários receberam nova recomendação pela proposta mais célere pela consultoria ISS  

netshoes
(Shutterstock)

SÃO PAULO – A consultoria ISS (Institutional Shareholder Services), que orienta votos de acionistas de companhias abertas, emitiu uma nova recomendação aos minoritários da rede de artigos esportivos Netshoes para que aprovem a compra pelo varejista Magazine Luiza (MGLU3) na reunião extraordinária marcada para a próxima semana, no dia 14. O InfoMoney obteve acesso ao documento, datado desta sexta-feira (7), com exclusividade.

Leia também:
O que mais está por trás da briga pela Netshoes

O cabo de guerra para levar o Netshoes para casa não é uma questão meramente financeira. Levando em consideração as propostas da empresa da família Trajano - correspondente a US$ 3,00 por ação - e da concorrente Centauro (CNTO3) - de US$ 3,50 -, a consultoria argumenta que, por estar mais avançado, o negócio com o Magalu parece vantajoso. “A finalização do acordo com MGLU3 seria executada em um prazo previsível e curto”, escreveram os consultores.

Vale lembrar que a negociação com o Magazine Luiza iniciou um mês antes de o grupo SBF, dono da Centauro, apresentar sua primeira proposta. Além disso, a reunião do dia 14 foi marcada especificamente para tratar da proposta do Magazine, o que significa que um novo encontro teria de ser planejado a posteriori para avaliar os números da Centauro.

“Isso poderia resultar em maiores atrasos e incertezas, bem como pressão no fluxo operacional e condição financeira da empresa”, diz um trecho do documento da ISS. A Netshoes tem dívidas consideráveis com vencimento apertado: o InfoMoney apurou que é necessária uma injeção de até US$ 150 milhões para garantir a sobrevivência das operações nos próximos meses.

No mesmo documento de orientação, a ISS lembrou que o conselho administrativo aprovou unanimemente o acordo com o Magalu, com exceção do presidente e CEO Marcio Kumrian, que se absteve. De acordo com a consultoria, o chairman, que detém 12,5% das ações, se comprometeu por escrito a votar a favor da aquisição.

Outro grupo de acionistas, representando cerca de 47,9% das ações ordinárias, também teria concordado em votar a favor, diz a ISS, lembrando que a aprovação depende de dois terços do total de acionistas da empresa, além do aval do Cade (Conselho administrativo de defesa econômica). O órgão antitruste chegou a aprovar a primeira proposta do Magalu pela Netshoes, mas não emitiu parecer ainda sobre um possível negócio com a Centauro.

“Dada a certeza do valor inerente à contrapartida financeira e o minuciosamente conduzido processo de venda, o suporte a essa proposta é garantido”, finaliza o documento.

Seja sócio das maiores empresas da Bolsa sem pagar taxa de corretagem. Abra uma conta na Clear. 

 

Contato