EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em irbbrasil

Empresa entrega "presente perfeito" no 2º tri, domina setor e segue queridinha dos analistas

Desempenho acima do esperado no resultado trimestral gerou otimismo em relação ao futuro da IRB Brasil, que domina seu setor de atuação

Dinheiro seguro
(Jakub Krechowicz)

SÃO PAULO - A empresa de resseguros IRB Brasil (IRBR3) levou dois anos para conseguir abrir seu capital e, desde sua estreia (julho de 2017), sua ação dobrou de preço e, só neste ano, acumula ganhos de quase 72%. Mas a trajetória positiva não é coisa do passado: o desempenho acima do esperado no resultado do segundo trimestre de 2018 divulgado pela empresa na semana passada gerou otimismo em relação ao futuro da empresa, que domina seu setor de atuação e tem pouca elasticidade na demanda.

O resseguro é o sistema de seguro das empresas seguradoras. Ou seja, a IRB assume o compromisso de indenizar - total ou parcialmente - as companhias de seguros por danos que possam acontecer devido às apólices de seguros vendidas por elas. Assim, a empresa de resseguro ajuda a reduzir os riscos das seguradoras.

A IRB divulgou lucro líquido de R$ 287,3 milhões, alta de 24% ante o segundo trimestre de 2017. Os analistas do BB Investimentos chamaram o resultado de "presente perfeito" após o primeiro ano da companhia entre as listadas na B3. "A expectativa para o resultado de IRB era alta e ainda assim a empresa conseguiu surpreender", avaliou o Credit Suisse. 

O desempenho positivo é decorrente de melhorias operacionais consistentes e, com isso, a expectativa do Brasil Plural é de que o bom momento vivido pela empresa continue impulsionando o crescimento dos lucros neste ano e até de 2019. "O mercado brasileiro de resseguros está se abrindo mais e mais, o que deve levar a mais crescimento e mais competição, mas ainda vemos IRB como o líder claro", afirmam os analistas do BTG Pactual.

Leia mais: 
A ação brasileira que atraiu a atenção de Buffett virou a grande pedida para o volátil ano de 2018

Os dados positivos não se resumiram às operações. O resultado financeiro de 139% do CDI poderia levantar algum questionamento com relação a qualidade do resultado, mas o analista Lucas Lopes acredita que a mudança expressiva nas provisões técnicas sinaliza que a empresa está retendo uma parte dos resultados para os próximos trimestres e que muito provavelmente a criação de valor foi bem maior no segundo trimestre de 2018.

A participação no mercado de resseguros também se destaca, já que a IRB domina o segmento e ainda aumentou sua fatia de 43% no segundo trimestre de 2017 para 46% neste ano. Para os analistas do Itaú BBA, o resultado é "excelente". "A dinâmica premium e de provisionamento do trimestre implica números ainda mais fortes à frente, desde que a dinâmica operacional não se deteriore", avaliam os analistas.

Quer investir pagando apenas R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear.

Os resultados também animaram a empresa que, em teleconferência de resultados na sexta-feira (3), afirmou que os dados operacionais abrem espaço para uma elevação nas projeções de prêmios totais para esse ano, mas as incertezas no ambiente doméstico fez com que a postura mais cautelosa fosse mantida.

As surpresas positivas renderam reiteradas recomendações de compra e ainda elevação de preço-alvo por algumas casas. É o caso do Banco do Brasil, que elevou a projeção de R$ 62,5 para R$ 66 em 12 meses, o equivalente a valorização de 19%, em relação ao fechamento de sexta-feira (3). O Brasil Plural vê a ação alcançar R$ 60,30 ao fim deste ano, alta de 14,1% no período.

Além do potencial de valorização, a ação já se mostra boa opção para proventos, com um dividend yield (dividendos pagos por ação dividido pela cotação atual da ação) total de 8,16% - entre dividendos e JCP (juros sobre capital próprio).

Quer investir pagando apenas R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear.

Contato