Em imoveis

Governo pode derrubar Templo de Salomão para construção de moradias populares

Investigada pelo Ministério Público paulista, a obra do Templo de Salomão foi construído com um alvará de reforma, não de construção

Templo de Salomão
(Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas)

SÃO PAULO - As irregularidades na construção do Templo de Salomão, da Igreja Universal do Reino de Deus, poderiam até mesmo terminar na demolição do próprio, aponta o site Pragmatismo Político e a CBN. O luxuoso e majestoso templo, construído no bairro do Brás, em São Paulo, é cercado de problemas. 

Investigada pelo Ministério Público paulista, a obra do Templo de Salomão foi feita com um alvará de reforma, não de construção. As irregularidades começaram em 2008, com a aprovação pelo Aprov (Departamento de Aprovação de Edificações), durante a gestão de Gilberto Kassab, da construção com o alvará errado - livrando a Igreja Universal de pagar 5% do valor da obra, cerca de R$ 35 milhões.

Além disso, Maurício Antônio Ribeiro Lopes - que encabeça as investigações -, em entrevista à rádio CBN, disse que se as suspeitas de fraude forem confirmadas, 40% da área total do terreno teria que ser destinado à moradia popular. Assim, o governo paulistano teria essa prerrogativa, embora provavelmente não vá fazer esse tipo de movimentação. 

Isso pelo fato de que o Templo já virou um dos cartões postais da cidade de São Paulo, é do dobro do tamanho do Cristo Redentor e quatro vezes maior que o Santuário de Aparecida, o antigo maior espaço de culto religioso do Brasil. A opção, portanto, deverá ser manter o Templo funcionando e atraindo turistas religiosos à cidade de São Paulo. 

Contudo, o terreno está em uma área industrial, que tem um estudo de tombamento e em uma ZEIS (Zona Especial de Interesse Social). Sem o alvará correto, seria obrigação da IURD ceder parte do terreno de volta ao governo. Procurado pelo portal InfoMoney, a Igreja Universal ainda não se posicionou a respeito dessa possibilidade. 

 

Contato