Em imoveis

Dilma lança Minha Casa, Minha Vida 2 e diz que ampliará meta daqui a 1 ano

Segundo a presidente, se programa seguir em bom ritmo, daqui a um ano será possível construir mais 600 mil moradias

SÃO PAULO – A presidente da República, Dilma Rousseff, sancionou nesta quinta-feira (16) as novas regras para a segunda etapa do programa Minha Casa, Minha Vida, em evento realizado em Brasília.

Durante o evento, a presidente disse que, se daqui a um ano o programa estiver em um bom ritmo, a meta pode ser ampliada, para mais 600 mil imóveis, com foco na baixa renda.

A nova fase do programa estabelece a construção e reforma de mais de 2 milhões de moradias para famílias de três faixas de renda: de até R$ 1,6 mil, até R$ 3,1 mil e de até R$ 5 mil. Na primeira fase do programa, as faixas eram R$ 1.395, R$ 2.790 e R$ 4.650.

As novas diretrizes sancionadas por Dilma destinam R$ 125,7 bilhões para o programa, sendo R$ 53,1 bilhões em financiamentos e R$ 72,6 bilhões em subsídios até 2014. “Esse programa mostra que nosso país avançou muito e de forma rápida nos últimos tempos”, afirmou Dilma, durante o evento. “Trata-se de construir as condições para que as pessoas alcancem o sonho da casa própria”.

Baixa renda
Outra mudança ressaltada pelo ministro das Cidades, Mário Negromonte, é o aumento do número de unidades destinadas às famílias de baixa renda. Do total de moradias que devem ser construídas e reformadas, 60% devem ser direcionadas a esse segmento da população. Na primeira fase, eram 40%.

“Como uma moradia que custava um pouco mais de R$ 50 mil poderia ser comprada por uma pessoa que ganha R$ 1,6 mil? Não dá, sem a participação de recursos públicos federais”, relatou a presidente. “Subsídios dados corretamente não criam bolhas nem ilusões e fazem girar a roda social do País e permite que as pessoas possam subir na vida”.

Para a primeira faixa de renda, serão construídas e reformadas 1,2 milhão de unidades, para a segunda faixa de renda, o programa deve destinar 600 mil moradias e, para a terceira faixa de renda, devem ser destinadas 200 mil moradias.

“Melhorar a vida dos brasileiros é assegurar que o País explore todo o seu potencial que é ter cidadãos capazes de trabalhar,consumir, inovar e se educar. Daí podemos dizer que somos um país desenvolvido e rico”, considerou Dilma.

Outra mudança do programa é a entrada do Banco do Brasil, que passará a conceder crédito para financiamentos para famílias na primeira faixa de renda, de até R$ 1,6 mil, a partir de 2012.

Demanda por linha branca
Dilma afirmou no evento que, com o programa, pode haver um aumento pela demanda por produtos de linha branca. E sinalizou que é possível agregar ao programa uma linha de financiamento especial para esse tipo de bem.

 

Contato