Em imoveis / fundos-imobiliarios

Arena Corinthians, em Itaquera, pertence a fundo imobiliário

Na tarde da última quarta-feira (27), um guindaste caiu e causou a morte de dois operários que trabalhavam na obra do estádio

Acidente com guindaste na Arena Corinthians
(reuters)

SÃO PAULO – A Arena Corinthians (apelidada de Itaquerão), estádio construído na zona Leste da cidade de São Paulo e que deve receber o jogo de abertura da Copa do Mundo de 2014 pertence a um fundo imobiliário, o Arena Fundo de Investimento Imobiliário – FII. Na tarde da última quarta-feira (27), um guindaste caiu e causou a morte de dois operários que trabalhavam na obra.

O fundo é fechado e não está listado em bolsa. Ou seja, os pequenos investidores não têm acesso a negociação das suas cotas. No entanto, isso não impede que no futuro isso possa acontecer, em caso de necessidade de aumento de capital, por exemplo, ou se algum sócio resolver se desfazer da sua participação.

O cotista sênior do Arena FII é uma SPE (Sociedade de Propósito Específico) formada pela construtora Odebrecht, responsável pelas obras, e pela BRL Trust, administradora do fundo. Esta sociedade deve receber um financiamento de R$ 400 milhões do BNDES - o governo federal disponibiliza empréstimos de até este valor para as cidades que sediam jogos da Copa do Mundo.

De acordo com a Odebrecht, a construção do estádio foi orçada em R$ 820 milhões. Além dos R$ 400 milhões do BNDES, o Arena FII também tem direito a receber os Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CID), que são incentivos baseados em um mecanismo criado em 2004 para estimular investimentos na zona leste da cidade de São Paulo. Ou seja, a venda destes certificados a investidores privados vai pagar a outra parcela dos investimentos necessários para a construção. “As receitas antecipadas do estádio, incluindo aquelas associadas a patrocínios, poderão ser utilizadas para custear parte dos investimentos, caso as outras fontes não sejam suficientes”, explica a construtora.

O empréstimo do BNDES será pago ao banco federal com os recursos gerados pela exploração do estadio

Segundo um especialista do mercado de fundos imobiliários, que preferiu não se identificar, a utilização de um fundo de investimento imobiliário garante isenção de imposto de renda sobre os lucros com a receita operacional no fundo.  Além disso, ele explica que se um sócio quiser vender sua participação (ou só parte dela) terá mais facilidade para negociar cotas de um fundo do que a fração de um imóvel (o estádio no caso). "A negociação seria muito menos burocrática", explica.

A BRL Trust foi procurada pela reportagem, mas não comentou sobre a estrutura do fundo nem o andamento da construção. Em relação ao acidente, a Odebrecht Infraestrutura informou que "no momento da operação do guindaste, a área de ação estava isolada, seguindo os procedimentos padrões de segurança, e só os trabalhadores que participavam do trabalho específico tinham permissão para permanecer no local".

A empresa também afirmou que seus representantes prestaram apoio aos familiares das vítimas do acidente.

 

Contato