Em hypermarcas

Ação da Hypermarcas sobe 16,28% e figura como maior alta semanal do Ibovespa

Papéis fecham a semana cotados a R$ 11,50, acumulando alta de 35,29% no ano; benchmark subiu 5,35% no mesmo período

SÃO PAULO - As ações da Hypermercas (HYPE3) lideraram os ganhos do Ibovespa no período entre 16 e 20 de janeiro, com uma valorização de 16,28%, fechando cotadas a R$ 11,50. No mesmo período, o benchmark da bolsa paulista teve desempenho positivo de 5,35%, fechando aos 62.312 pontos. No ano, as ações da Hypermarcas já acumulam ganhos de 35,29%.

Vale lembrar que, embora tenha recuado 62,04% em 2011, despontando como a quarta maior desvalorização do índice, as ações da Hypermarcas se destacaram logo na primeira semana do ano, de 02 a 06 de janeiro, quando registraram alta de 20,59%.

2012 um pouco melhor
Os ativos da Hypermarcas começaram a trajetória de ganhos no ano após rumores de que o Banco BTG Pactual teria a intenção de aumentar a participação no bloco de controle da companhia. Em comunicado enviado no dia 11 de janeiro, o banco negou essa pretensão informando que "não pretende realizar oferta hostil de aquisição de ações de emissão da companhia".

Após a negativa do BTG, os ativos voltaram a cair. Em entrevista à InfoMoney TV, o analista da SLW, Cauê Pinheiro, recomendou cautela. Segundo ele, este ano deve ser melhor para a companhia, que tem afirmado que o quarto trimestre será o último a ser impactado pelo ajuste da política comercial. "O papel pode ceder mais um pouco, mas com tendência de recuperação no decorrer do ano, quando passar a pressão dos rumores do BTG", diz.

Por sua vez, Pinheiro acredita que no primeiro e segundo trimestre deste ano a companhia apresentará dados operacionais melhores, se fortalecendo no segundo semestre. Para o analista, as ações devem se recuperar este ano, “no entanto, no curto prazo é melhor ficar de fora da ação”.

Mesmo em alta, recomendação é neutra
Os analistas do HSBC, Francisco Chevez e Manisha Chaudhry, elevaram o preço-alvo para as ações da Hypermarcas, de R$ 9,00 para R$ 11,00 e mantiveram a recomendação neutra para os papéis, dizendo que embora a varejista tenha apresentado melhoras, ainda existem questões a serem resolvidas. 

"A Hypermarcas adotou medidas positivas ao consolidar sua posição como líder do setor de produtos farmacêuticos e de higiene pessoal, mas a visibilidade dos lucros continua sombria e a administração tem que restabelecer sua credibilidade antes de adotarmos uma opinião mais positiva a respeito da ação", afirmaram os analistas em relatório.

Outros destaques
Outros papéis que também se destacaram positivamente foram a MRV (MRVE3, R$ 13,92, +15,71%),  MMX (MMXM3, R$ 7,58, +11,96%), JBS (JBSS3, R$ 6,02, +11,07%), Braskem (BRKM5, R$ 14,31, +11,02%) e LLX (LLXL3, R$ 3,72, +10,71%).

 

Contato