Em hrt

Às vésperas de divulgar resultado, ações da HRT disparam quase 4%

No segundo dia de alta, papéis da companhia refletem expectativa com farm out na Namíbia e diminuição adicional de queima de caixa no 3° trimestre

plataforma - petróleo - Petrobras - Chevron - Exxon 2
(Getty Images)

SÃO PAULO - Em dia de divulgação de resultado, as ações da HRT (HRTP3) deram nova arrancada nesta segunda-feira (12), enquanto o Ibovespa caminha para a quarta sessão de perdas. Às 15h02 (horário de Brasília), os papéis subiam 3,70%, aos R$ 6,17, na contramão do movimento do índice, que registrava queda de 0,52%, aos 57.061 pontos. 

Os papéis da empresa, que já abriram com gap de 3,03% acima do pregão anterior, atingiram na máxima do dia valorização de 6,39%, aos R$ 6,33. Os ativos seguem o movimento da última sexta-feira (9), quando registraram ganhos de 9,58%, sendo cotados a R$ 5,95.

O desempenho pode ser um reflexo da ata da última reunião do conselho de administração da companhia, divulgada na noite de sexta-feira, quando o management decidiu, por unanimidade, autorizar a HRT a continuar com as negociações de farm out (processo de venda parcial ou total dos direitos de concessão detidos por uma petrolífera) na Namíbia, com relação à proposta recebida de uma nova companhia.

"A ata anterior do conselho de administração já trazia um comentário semelhante, o que sinaliza o interesse nos ativos da região e, possivelmente, um deal mais razoável à frente", diz Roberto Altenhofen, da casa de research Empiricus. 

Ele considera a notícia positiva para a empresa, embora seja evidente a necessidade de sua efetiva materialização.  

Expectativa do resultado
Já em relação ao resultado, a maior expectativa fica para a teleconferência, que será realizada na próxima terça-feira (13), e para a possibilidade da empresa apresentar redução adicional da queima de caixa. 

"A HRT estaria rodando a um nível de queima de caixa de R$ 1,4 milhão por dia, contra R$ 3,2 milhões por dia na fase mais aguda da companhia no Solimões; mas isso é algo que a empresa já vinha sinalizando para o mercado", comenta Altenhofen. Se vier dentro dessa linha, "é inegavelmente positivo, mas dentro do esperado", pondera. 

Desde o início de outubro, as ações alcançam valorização de 39,10%, mas ainda não conseguem neutralizar as perdas de 45,51% no acumulado do ano. 

 

Contato