Em gpinvest

GP sobe 7,4% na Bovespa com rumor de recuperação judicial da LBR

Notícia agrada pela tentativa de resgatar uma empresa em dificuldades, de um setor que tem sido problemático; BDRs do fundo apresentam volume bastante acima da média

Laep - leite - linha de produção
(Getty Images)

SÃO PAULO - As BDRs (Brazilian Depositary Receipts) da empresa de investimentos GP Investments (GPIV11) subiram 7,39% entre o fechamento da terça-feira (7) e a máxima desta quinta-feira (7), chegando a atingir os R$ 5,69. A empresa de investimentos deve pedir recuperação judicial da LBR, a Lácteos Brasil, que nasceu para ser uma gigante do setor no Brasil, noticiou o blog de Guilherme Barros, da IstoÉ Dinheiro.

Na sessão anterior, os ativos da companhia movimentaram R$ 8,456 milhões, o que é 10 vezes maior do que o volume médio diário visto nos últimos 21 pregões. Contudo, é importante ressaltar a baixíssima liquidez desses papéis, que tiveram ao todo apenas 39 negócios na última quarta-feira (6).

A notícia agrada pela tentativa de resgatar uma empresa em dificuldades, de um setor que tem sido problemático - com margens baixas por conta do excesso de competição. "O mercado já compreende que o setor é combalido, e se há a expectativa da recuperação judicial, é por que a empresa estaria reestruturar a Lácteos, que tem dificuldades financeiras e problemas de gestão", avisa Eduardo Machado, analista da Amaril Franklin. 

Machado não acredita que a recuperação de uma empresa problemática poderia ser um motivo para criar novos problemnas para a GP. "É um fato positivo, o mercado caminha para o lado certo. Todo mundo já sabe que a empresa estava ruim, principalmente quem acompanha a própria empresa", afirma.

O próprio ramo da GP seria investir em empresas problemáticas e sanar a companhia, vendendo a sua participação a um preço maior depois. "Eles estão empanhados em trazer a empresa de volta ao rumo, e criar valor para o acionista através disso", finaliza o analista da Amaril Franklin.  

 

Contato