EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em eztec

Sem decisão sobre distratos, não existirão obras em 2018, diz diretor da Eztec

A InfoMoneyTV recebeu nesta terça-feira o diretor de RI da Eztec, que, além das perspectivas para a empresa, falou sobre uma questão crucial para o setor esse ano, que são os distratos e cuja expectativa por novas regras impulsionou as ações das construtoras no início de 2017

SÃO PAULO - Embora as perspetivas sejam mais otimistas para 2017 do que 2016, a questão dos distratos ainda segue assombrando o setor de construção civil: "existe uma mudança de humor no setor, mas enquanto não vier uma decisão sobre os distratos, vamos focar nos empreendimentos menores. Enquanto não existir uma decisão sobre isso, o setor de construção não terá coragem de lançar grandes empreendimentos", disse o diretor de Relações com Investidores da Eztec (EZTC3), Emílio Fugazza, em entrevista ao Cenário RI, da InfoMoneyTV, nesta terça-feira (28). A gravação pode ser conferida ao final desta matéria. 

Segundo ele, a empresa inicia 2017 com muito mais apetite do que 2016, mas, enquanto essa decisão não sair, a empresa continuará focando em empreendimentos menores, com VGV (Valor Geral de Vendas) de R$ 50 milhões a R$ 100 milhões, com até 150 unidades e prédios de 2 ou 4 apartamentos por andar. "Já temos planejado para os próximos 3 meses pelo menos 4 empreendimentos desse tipo. Os quatro são em São Paulo, com foco na classe média alta e classe alta", comentou. 

Segundo ele, "não existirão obras em 2018 e 2019", caso não saia uma decisão os distratos, citando que, no caso da Eztec, as obras que a empresa possui serão entregues em 2017. "Então, os anos de 2018 e 2019 serão um vale de obras. O desemprego tende a se aprofundar no setor se esse assunto não for encarado com a devida seriedade", disse o executivo. 

Ele falou ainda sobre o saque das contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia de Tempo de Serviço), que deve trazer um efeito positivo já no balanço do 1° trimestre. "Já estamos vendo o efeito positivo disso. O índice de quitação que temos visto na companhia aumentou significativamente", disse. Do lado da intenção de compra, contudo, o impacto é mais lento, explica. "Os efeitos devem vir no 2° trimestre, com o incremento das vendas", comentou.  

Confira abaixo a entrevista com o diretor de RI da Eztec:

BLOCO 1: Eztec deve sentir os efeitos positivos dos resgates do FGTS já no balanço do 1° trimestre

 

BLOCO 2: "Não existirão obras em 2018 e 2019 se não sair uma decisão sobre os distratos"

BLOCO 3: Diretor de RI da Eztec responde dúvidas dos espectadores

 

Contato