Em embraer

Ação da Embraer recua 4,53% na semana, liderando as perdas do Ibovespa

Anúncio da JetBlue foi mal recebida pelo Citigroup, que colocou em xeque cronograma de entregas da companhia

SÃO PAULO - As ações Embraer (EMBR3) fecharam esta semana como principal baixa dentre os papéis que compõem o Ibovespa, acumulando baixa de 4,53%, fechando esta sexta-feira cotadas a R$ 11,98, enquanto o índice de ações caiu apenas 0,06%. Apesar desta baixa, os papéis da companhia acumulam alta 2,81% desde o início do ano.

O destaque negativo para a empresa nesta semana ficou por conta da recepção negativo do anúncio da JetBlue por parte dos analistas do Citigroup. A companhia aérea afirmou que pretende contar com 100 aeronaves modelo E190 da companhia em sua frota, como mais um indício da deterioração do mercado dos E-Jets e da necessidade do lançamento de um novo modelo da aeronave.

Embora a equipe de análise do banco acredite que a Embraer possa receber novas encomendas até o final da feira de aviação Paris Air Show, em 26 de junho, os analistas Stephen Trent e Angela Lieh, que assinam o relatório do Citi, colocaram em xeque a capacidade da empresa em entregar todos os seus pedidos.

Há oito anos a JetBlue fez pedidos para 100 novas aeronaves, que deveriam ser confirmados agora. Entretanto, levando em consideração os 49 jatos já entregues, isso sugere que apenas 75% do pedido será concretizado. Segundo os analistas, prova da incapacidade da companhia em concretizar grandes pedidos.

A não ampliação da base de clientes é outro problema destacado por Trent e Lieh, uma vez que somente empresas que já possuem aeronaves da Embraer têm sido responsáveis por novos pedidos, com os jatos CSeries da concorrente Bombardier ganhando cada vez mais market share.

Outros destaques
Também tiveram uma performance ruim os papéis BM&F Bovespa (BVMF3, R$ 10,33, -4,46%),  Gafisa (GFSA3, R$ 7,43, -3,51%),  PDG Realty (PDGR3, R$ 8,83, -3,50%),  Brookfield (BISA3, R$ 7,44, -3,38%) e Fibria (FIBR3, R$ 20,56, -3,29%).

 

Contato