Em educacao / guias

Volatilidade, crise, incerteza: swing trade pode ser linha para operações lucrativas

Leandro & Stormer dá dicas de como realizar operações de swing trader e aprimorar o uso das ferramentas de análise técnica

SÃO PAULO - Volatilidade. Esta palavra, muitas vezes repudiada pelos investidores, resguarda em sua essência uma relação positiva para os traders. Especuladores por definição, os traders movimentam e dão volume diário ao mercado.

Dentro desta vertente, existem os day traders, cujas operações acontecem com freqüência bastante elevada, em busca de oscilações pequenas e lucros de curtíssimo prazo. Ainda nesta categoria, existem os swing traders, uma mescla entre day trader e investidor.

Fundamentalmente, os swing traders seguram o papel em sua carteira de investimento por algumas semanas e operam essencialmente em cima de técnicas básicas de análise técnica, como suportes e resistências e tendências (topos e fundos), visando identificar e se aproveitar de cada movimento do mercado.

Especializados em trades de curto prazo, a equipe da Leandro & Stormer dá dicas para realizar operações de swing trader e aprimorar o uso das ferramentas de análise técnica nas investidas.

Antes de começar, vale lembrar que as operações aqui descritas estão baseadas em movimentos de dois a dez dias, variação percentual média (lucro) de 3% a 12%, gráfico diário como base para análise e recomenda-se um acompanhamento de pelo menos duas a três horas por dia do mercado.

Definindo a tendência
Ao iniciar uma operação, o investidor, acima de tudo, deve identificar a tendência principal do ativo em questão por meio dos topos e fundos formados ao longo do tempo. Joe Ross, um dos traders mais famosos do mundo, sempre reitera tal recomendação em suas palestras.

Por definição, uma tendência de alta é formada quando há topos e fundos ascendentes, assim como a recíproca é verdadeira para a tendência de baixa (topos e fundos descendentes). Teoricamente parece fácil, mas muitos se confundem na tarefa. Portanto, este conceito deve estar muito bem definido antes de operar.

Outro critério, por sinal muito utilizado pela equipe da Leandro & Stormer para definir a tendência, consiste em observar a configuração das médias móveis do ativo, com relevância às médias móveis de 21, 50 e 200 períodos.

Para testar a força da tendência, os analistas verificam, no caso de uma tendência de alta, quatro questões: preços acima da média móvel de 21 períodos, topos e fundos ascendentes, média móvel de 21 períodos ascendente, sendo o melhor dos mundos quando as médias móveis de 21, 50 e 200 períodos estão alinhadas em alta (veja o gráfico).

Neste caso, é necessário que existam pelo menos dois fatores para operar a favor da tendência, sendo o último incidindo na situação ideal de tendência de alta. A situação é a mesma no caso da tendência de baixa, com as médias móveis descendentes.

Suportes e resistências
Encontrada a tendência do ativo, falta definir agora os principais suportes e resistências, aqui representados pela máxima e mínima de cada barra, topos e fundos, gaps e linhas de tendências.

Quanto ao método das barras, os analistas classificam-no como relativamente fraco devido a seu período curto de existência. O mais recomendado é observar os topos e fundos, gaps e linhas de tendência para encontrar suportes e resistências mais consistentes.

Ferramentas complementares
Entre as inúmeras opções de osciladores que existem na análise técnica, os analistas da Leandro & Stormer destacam como verdadeiros auxiliares o IFR (Índice de Força Relativa) e as Bandas de Bollinger.

Com objetivo de identificar se o mercado está sobrecomprado ou sobrevendido, o IFR ajuda na hora de identificar se o mercado está propenso para compra ou venda, com base na faixa de pontos do indicador.

Na operação de swing trade, as Bandas de Bollinger são muito úteis para identificar o suporte e a resistência do ativo, via seus extremos. Um comportamento ascendente das bandas revela uma tendência de alta, enquanto um lateral ou descendente deflagra um período de acumulação ou de queda, respectivamente.

Se você quer aproveitar as oportunidades que Bolsa está apresentando, clique na imagem abaixo e assista a um curto vídeo onde o analista André Moraes compartilha 3 dicas que podem fazer toda a diferença na hora de operar!

As 3 Dicas Que Eu Gostaria De Ter Recebido Quando Comecei na Bolsa

 

Contato