Em educacao / guias

Estratégia: evite operar movimentos falsos identificando as cunhas

Semelhante aos triângulos simétricos, padrão pode sinalizar reversão de tendência; atenção ao volume do rompimento

SÃO PAULO - Em tempos voláteis, é sempre benéfico ter uma abalizada ferramenta de análise para orientar o investimento em ações, a fim de antecipar possíveis movimentos e propiciar posicionamentos conforme as previsões.

Muitos investidores recorrem à análise técnica para identificar uma possível tendência de comportamento dos ativos, principalmente quando os preços começam oscilar entre uma faixa de congestão.

Ao passo que as variações começam a atingir amplitudes menores nos pregões, já se especula a concretização da real tendência do ativo, e, não raro, verificam-se formações como triângulos e cunhas na apreciação.

As cunhas
Semelhantes aos triângulos simétricos, as cunhas apenas se diferenciam pela inclinação das linhas que formam o padrão, sendo caracterizadas por duas linhas convergentes. Já os triângulos simétricos são formados por linhas convergentes ascendentes e descendentes.

Na análise técnica, existem dois tipos de cunhas, as descendentes e as ascendentes. Conhecidas por representarem padrão de alta, as cunhas descendentes rompem para cima a congestão, enquanto as ascendentes penetram o suporte da formação, indicando manutenção de baixa.

Porém, assim como em outras formações, para se confirmar a vigência do padrão, é indispensável relacionar o rompimento da cunha com o volume.

Falha no Pivot
Muitas vezes a cunha pode ser associada a uma falha de Pivot, pois a configuração do padrão realiza topos e fundos descendentes, como no caso da cunha descendente, enquanto no outro padrão, os topos e fundos são ascendentes.

Frente ao fato, é importante o investidor se atentar aos padrões em cunha para evitar comprar ou vender em movimentos falsos de tendência, ocorrência que pode frustrar os planos de trade.

 

Contato