Volume de crédito ampliado no país cresce 0,9% em outubro, para R$ 15,6 trilhões, diz BC

Volume total da operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional cresceu 0,1% em outubro ante setembro e alcançou R$ 5,6 trilhões

Roberto de Lira

(Shutterstock)

Publicidade

O saldo do crédito ampliado ao setor não financeiro cresceu 0,9% em outubro e atingiu R$ 15,6 trilhões, o equivalente a 147,3% do PIB, informou nesta terça-feira (5) o Banco Central do Brasil.

Segundo o BC, o principal fator desse avanço foram os títulos de dívida (+1,3%), bem como a dívida externa (+0,6%). Em 12 meses, o crédito ampliado cresceu 7,7%, impulsionado pelos títulos de dívida (+9,8%) assim como pelos empréstimos do SFN (+7,4%).

O crédito ampliado às empresas chegou a R$ 5,5 trilhões (51,6% do PIB), com acréscimo de 0,3% no mês. Houve crescimento de 2,3% no saldo dos títulos de dívida securitizados. Em 12 meses, a variação de 8,1% decorreu do crescimento de 25,8% em títulos de dívida.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Já o crédito ampliado às famílias alcançou R$ 3,7 trilhões (34,7% do PIB) em outubro, com expansões de 0,8% no mês e de 9,6% em doze meses – ante 0,6% e 10,4% em setembro, nas mesmas bases de comparação -, com destaque para o incremento nos empréstimos do SFN.

Volume no SFN

O volume total da operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional cresceu 0,1% em outubro ante setembro e alcançou R$ 5,6 trilhões, informou o Banco Central.

Segundo o BC, esse resultado decorreu de movimentos distintos, com redução mensal de 0,8% na carteira de pessoas jurídicas, para um total de R$ 2,2 trilhões, em contraposição ao aumento mensal de 0,8% na carteira de crédito para pessoas físicas, num total de R$ 3,4 trilhões.

Continua depois da publicidade

Em relação a igual período do ano passado, o volume das operações de crédito do SFN se manteve em desaceleração, com crescimento de 7,3% em outubro, ante os 8,2% observados em setembro deste ano.

Por segmento, os volumes de crédito contratados com empresas e famílias também registraram menor ritmo de crescimento, com expansões de 3,8% ante 4,5% no mês anterior e de 9,6% ante 10,8%, respectivamente.

O volume das operações de crédito com recursos livres totalizou R$ 3,3 trilhões, com redução de 0,4% no mês e avanço de 5,0% em doze meses. O volume do crédito livre às empresas atingiu R$1,4 trilhão em outubro, com queda mensal de 1,8% e incremento de 1,1% comparativamente a outubro do ano anterior.

Contribuíram para este movimento a diminuição das carteiras de desconto de duplicatas e outros recebíveis (-7,9%), após aumento sazonal ocorrido em setembro, adiantamentos de contratos de câmbio – ACC (-4,6%), outros créditos livres (-1,6%) e cartão de crédito rotativo (-22,5%).

Já o volume do crédito livre às famílias registrou expansão de 0,7% no mês e 8,0% comparativamente a outubro do ano anterior. Esse resultado decorreu, principalmente, da expansão das carteiras de cartão de crédito à vista (+1,6%), financiamento para aquisição de veículos (+1,3%), crédito pessoal não consignado (+1,1%) e crédito pessoal consignado para aposentados e pensionistas do INSS (+1,2%).

O volume de crédito direcionado, por sua vez,  totalizou R$ 2,3 trilhões em outubro, com avanços de 0,9% no mês e de 10,7% em doze meses. Por segmento, o crédito direcionado às pessoas jurídicas somou R$ 788,6 bilhões, com incremento mensal de 0,9% no mês e de 9,1% em doze meses, enquanto o crédito direcionado às pessoas físicas assinalou avanços de 0,8% e 11,6%, na ordem, alcançando R$ 1,5 trilhão.

Custo do crédito e inadimplência

O Indicador de Custo do Crédito (ICC), que mede o custo médio de todo o crédito do SFN,- diminuiu 0,3 pontos percentuais em outubro, para 22,1% anuais. Em 12 meses, houve alta de 0,5 p.p.

A inadimplência do crédito total do SFN em outubro recuou 0,1 p.p. no mês, alcançando 3,4%. As carteiras de crédito às pessoas jurídicas e às pessoas físicas registraram diminuição de 0,1 p.p., situando-se, respectivamente, em 2,6% e 3,9%.

No crédito livre, a inadimplência cresceu 0,1 p.p. ao atingir 4,9%. Esse movimento resultou, basicamente, do avanço de 0,1 p.p. na inadimplência da carteira de crédito às pessoas jurídicas (3,5%) e estabilidade na carteira de pessoas físicas (5,9%).

O endividamento das famílias situou-se em 47,7% em setembro, uma variação negativa de 0,3 p.p. na comparação com o mês anterior, atingindo o nível mais baixo desde setembro de 2021 (47,5%).

A queda no período de 12 meses alcançou 1,8 p.p. O comprometimento de renda caiu 0,1 p.p., terceira queda seguida, atingindo 27,4% em setembro. Em 12 meses, a queda é de 0,4 p.p.